Publicidade

Publicidade
25/06/2006 - 23:40

Revolução no documentário e na política

Compartilhe: Twitter

“Primárias”, documentário do cineasta norte-americano Robert Drew sobre a disputa pela vaga democrata na disputa à presidência em 1959, foi a principal influência de “Entreatos”, o filme de João Moreira Salles sobre a campanha de Lula em 2001.

Agora, Salles retribuiu a dívida intelectual lançando no Brasil, pela Coleção Videofilmes, o DVD de “Primárias”. Trata-se de um marco fundamental do cinema direto americano, escola que revolucionou a produção documental.

Liderado por Drew, um grupo de jornalistas e fotógrafos ligados à revista “Life” – Richard Leacock, D.A. Pennabaker, Albert e David Maysles, entre outros craques – criou uma nova estética para o cinema documental, aproveitando-se de uma série de inovações técnicas dos anos 50, como câmeras e gravadores portáteis e som sincronizado à imagem.

Eles propuseram um cinema observacional, sem intervenção direta da equipe na realidade retratada, sem narração em off, sem perguntas aos personagens e sem trilha sonora usada como comentário às imagens; com atenção especial aos ritos do cotidiano, aos tempos mortos e a detalhes como gestos e olhares.

“Primárias” foi o grande laboratório dessa nova estética. Drew e sua equipe utilizaram os novos conceitos para acompanhar as campanhas de John Kennedy e Hubert Humphrey nas primárias do Partido Democrata para escolher seu candidato à presidência em 1960.

Mais do que a rotina dos candidatos, o filma flagra uma transformação na maneira de se fazer política, em que a boa relação com a câmera torna-se predicado fundamental para o candidato, mais do que a ligação com as massas.

Nesse aspecto, o jovem Kennedy, ao lado da bela Jackie, revela-se mais preparado do que o tradicional Humphrey, transmitindo sempre a imagem de um político enérgico, confiante e confortável consigo mesmo. Essas qualidades seriam utilizadas mais tarde no debate com o republicano Richard Nixon na televisão, que muitos analistas consideraram determinante para a vitória de JFK.

Drew criou uma série de procedimentos para alcançar uma visão mais equilibrada da realidade, para tentar tornar a câmera invisível. Mas, já no marco inicial do cinema direto, esse desejo foi subvertido pela presença de um grande ator político como Kennedy, com absoluto domínio de cena.

Além de representar uma revolução na prática documental, “Primárias” é o registro de uma revolução na práxis política: o surgimento do candidato moderno e midiático.

Autor: - Categoria(s): Posts Tags:

Ver todas as notas

1 comentário para “Revolução no documentário e na política”

  1. Baixei da internet, via emule, o High School (1968, de Wiseman). Considero este documentário também um exemplar desse modelo observacional. No Brasil Pós-Retomada é possível ver no documentário brasileiro contemporâneo algumas releituras do cinema direto; releitura mesmo como A Alma do Osso (de Cao Guimarães) e outros. A própria filmografia do João Moreira Salles é devedora e muito desse modelo criado por Drew – desde Futebol (aquela série com três docs), passando por Nelson Freire e, depois, por Entreatos. Você coloca que, ao proveitar-se de inovações técnicas, Drew pensa esse modelo observacional; na verdade, já há quem tenha dito, que o próprio Drew impulsionou tais inovações para atender seus objetivos. Abs.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo