Publicidade

Publicidade
24/09/2006 - 00:01

Clint Eastwood em dose dupla

Compartilhe: Twitter

O projeto cinematográfico mais interessante realizado este ano tem, mais uma vez, a assinatura do veterano Clint Eastwood. O diretor vai realizar dois filmes sobre o mesmo episódio: a sangrenta batalha de Iwo Jima entre americanos e japoneses na Segunda Guerra.

A batalha permaneceu no imaginário coletivo americano por causa da famosa foto de seis soldados hasteando a bandeira dos Estados Unidos em um monte da ilha de Iwo Jima, no Japão. Mais tarde, descobriu-se que o momento foi reencenado e utilizado pelo governo para arrecadar dinheiro para o exército.

O primeiro filme, “Flags of our fathers”, que estréia no próximo dia 20, mostra a história sob um olhar americano. O segundo, “Letters from Iwo Jima”, que chega aos cinemas daqui a alguns meses, reconta o mesmo episódio pelo ponto de vista japonês (e é falado naquela língua). Fato ainda mais inusitado, cada filme será lançado por um estúdio diferente.

Para o “New York Times”, “Flags of our fathers” é o primeiro candidato forte ao próximo Oscar, nem que seja apenas por suas credencias. Além da direção de Eastwood (que ganhou o prêmio há dois anos por “Menina de ouro), o filme conta com o roteiro de Paul Haggis (vencedor no ano passado com “Crash) e produção de Steven Spielberg (premiado por “A lista de Schindler”). Mas só o nome de Eastwood, o grande cineasta clássico de Hollywood em atividade, já seria o suficiente para garantir o interesse pelos dois filmes.

Autor: - Categoria(s): Posts Tags:

Ver todas as notas

8 comentários para “Clint Eastwood em dose dupla”

  1. Dalton disse:

    A idade tem feito bem ao Clint como a um vinho, pouco provável me decepcionar com mais um filme dele

  2. mm disse:

    Clint é Deus.

  3. Fabio Negro disse:

    Se alguém conseguir me explicar a canonização do Clint Eastwood, vou ser capaz de entender qualquer coisa.

    Eu sempre gostei dele, desde pequeno, mas por filmes como os dois do orangotando (títulos enormes) e os faroestes. Eram filmes mais subversivos e de alguma mau-gosto.
    (quase um “Scorsese pra marinheiros”).

    Esses filmes neo-clássicos dele são muito amenos, quase insípidos. (exceto Os Imperdoáveis)

  4. Rodrigo disse:

    Insípidos?
    Sobre meninos e lobos, Menina de ouro, Space Cowboys, Crime verdadeiro, Um mundo perfeito…?

    Então tá.

  5. Marcia disse:

    Eu sei que este é mais romântico, mas não merece ser esquecido: As Pontes de Madison é sensacional! E a musica, que também foi ele quem compôs??

  6. Fabio Negro disse:

    Ei! As Pontes de Madison é SENSACIONAL! Verdade!

    Bom, ficam valendo esse e o Unforgiven. O resto é insípido, sim, Rodrigo.

  7. anrafel disse:

    Em matéria de Clint Eastwood, eu vou a quase todos. Dos spaghetti, a trilogia Por
    um punhado…, Por uns dólares… e Três Homens em conflito, Os Abrutres Têm Fome, passando pelos faroestes americanos Josey Wales e a releitura de Shane, O Cavaleiro Solitário, (é verdade, tenho uma queda por faroeste) e chegando até a, digamos, maturidade: A Ponte …, os Imperdoáveis, Menina de Ouro, Bird, só filmaço.
    Deixei de fora Dirty Harry, mas não tem problema, fica de fora mesmo.

  8. Roberto Pedreira de Freitas Ceribelli disse:

    Este já fez bons filmes que já vi e emocionei … pensa minhas lindinhas …
    por favor pensa … pensa … pensa …
    Beto Beto Beto Beto .

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo