Publicidade

Publicidade
23/10/2006 - 00:01

Quinze minutos de vexame

Compartilhe: Twitter

Andy Warhol errou na sua mais famosa previsão. No futuro que chegou, nem todos têm direito a 15 minutos de fama. A profecia do artista americano sofreu uma ligeira mudança. No presente, todos os famosos – na verdade, quase todos – têm seus 15 minutos de vexame.

A tese é de Martin A. Grove, colunista do site “The Hollywood Reporter”. Ele analisa o caso de Mel Gibson, o astro que foi preso por dirigir bêbado e caiu em desgraça por ofender os judeus.

Em um mundo cercado por câmeras de todos os lados, com revistas e sites dispostos a cobrir qualquer passo de uma celebridade, é praticamente inevitável que os famosos sejam flagrados, mais cedo ou mais tarde, cometando algum deslize. Até aí, uma dedução óbvia.

A grande surpresa, para Grove, é a capacidade que o público vem demonstrando de perdoar os escândalos dos artistas. Gibson, por exemplo, deu entrevistas para a televisão, pediu desculpas, posou de vítima e aproveitou para divulgar seu novo filme, “Apocalypto”, que estréia em 8 de dezembro. Segundo o agente do ator, “todos querem entrevistá-lo, o que é uma posição confortável para se estar”.

No passado de Hollywood, lembra Grove, um incidente como o de Gibson poderia destruir uma reputação. Hoje, não há maiores prejuízos para o astro envolvido, como mostra também o caso de Hugh Grant, flagrado recebendo sexo oral de uma prostituta.

Existem também casos em que pagar mico ajuda a alavancar uma carreira. O caso mais famoso é o de Paris Hilton, que ganhou fama depois da divulgação do vídeo pornô caseiro que ela fez com seu ex-namorado.

Não é só a profecia de Warhol que merece ser adaptada aos novos tempos. O ditado “falem mal, mas falem de mim” ainda faz sentido. Mas talvez fosse mais apropriado dizer agora: “façam fotos ou vídeos constrangedores, mas apontem a câmera para mim”.

A mesma lógica poderia ser transplantada para o Brasil em grandes modificações, como provam escândalos recentes envolvendo celebridades locais.

Quando foi divulgado o vídeo de Daniela Cicarelli e seu namorado no “toqueteo” (deliciosa gíria espanhola para designar nossa velha e boa “bolinação”), muita gente decretou o fim de sua carreira. O publicitário Nizan Guanaes, que entende do riscado, foi o primeiro a dizer que ela ainda lucraria com o episódio. Na semana passada, divulgou-se que Record e Globo estavam disputando o passe da apresentadora.

Juliana Paes foi fotografada sem calcinha há coisa de um mês. Nesta semana, ela aparece na capa da revista “VIP” como a mulher mais sexy do mundo. Não é improvável que Danielle Winits ganhe uma bolada em breve para anunciar calcinhas g-string.

Esses são episódios em que o escândalo foi revertido a favor da vítima. Mas há também, e cada vez mais, o escândalo premeditado, como parece ser o caso de Karina Bacchi. “Flagrada” há dez dias pela revista “Caras” beijando o baixinho da Kaiser, ela anunciou na semana passada que é a nova contratada da cervejaria.

A princípio, a complacência com os vexames das celebridades pode dar a entender que o mundo evoluiu, que as pessoas estão menos hipócritas. Mas isso só faria sentido se os artistas quisessem afrontar os bons costumes e a correção política, e não alimentar a própria fama e aumentar o cachê.

As estrelas poderiam dizer: “Eu gosto de dar, e daí?”. Ou: “Eu ando sem calcinha, qual o problema?” Ou ainda: “Eu tenho tara por homens baixinhos, carecas e bigodudos”. Mas preferem se calar, se desculpar ou processar os paparazzi. Os escândalos já não têm mais sentido político, só comercial. Até o mico encaretou.

Autor: - Categoria(s): Posts Tags:

Ver todas as notas

24 comentários para “Quinze minutos de vexame”

  1. lancelot disse:

    Apoiado seu Maguila!

  2. Theo disse:

    Só tem um problema nisso tudo,
    essa citação dos “15 minutos de fama”
    não é do McLuhan?

  3. Vinícius Pozzebon disse:

    É tudo jogada de marketing… Veja se algum artista que está em alta faz uma dessas…

  4. Roberto Pedreira de Freitas Ceribelli disse:

    Boa notícia 8 e B … Gibson … Beto … Mico vive em jaula ou sob custódia, verdade não … belo Beto presidente … das companhias Beto solitário e megalomilhonário … ahahahaha, for real sorry … afinal, divida não paga é cana …

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo