Publicidade

Publicidade
28/10/2006 - 23:47

Baixaria americana

Compartilhe: Twitter

País dividido? Baixarias na campanha? Se você acha que o nível das eleições no Brasil foi baixo, é porque não sabe o que acontece nos Estados Unidos, que têm eleições legislativas marcadas para daqui a duas semanas. O maior exemplo é o caso do ator Michael J. Fox, protagonista da série “De volta para o futuro”.

Portador do mal de Parkinson, Fox estrelou vídeos de apoio aos candidatos democratas ao Senado de Maryland e Missouri. Nesses dois estados, os oponentes republicanos são contrários às pesquisas com células-tronco – que poderiam beneficiar o ator e outros milhões de americanos com diferentes doenças.

Em uma das propagandas (veja aqui), Fox aparece tremendo de maneira descontrolada – uma das conseqüências do Parkinson.

Foi um ato de coragem do ator mostrar-se tão vulnerável para defender sua causa. Já as reações dos republicanos ao vídeo foram de uma covardia estarrecedora.

Rush Limbaugh, famoso apresentador de rádio conservador, disse em seu programa: “Ele está exagerando os efeitos da doença. É uma vergonha para Michael J. Fox. Ou ele não tomou seus remédios ou ele está atuando.” Já o porta-voz do candidato republicano de Maryland definiu o vídeo como “de extremo mau gosto”.

Além disso, uma série de atores ligados à direita cristã – como Jim Caviezel, o protagonista de “A paixão de Cristo”, ou Patricia Heaton, da série “Everybody loves Raymond” – participou de um vídeo de resposta a Fox (confira aqui).

Ao menos, o conteúdo não é tão agressivo. O principal argumento da turma é que as pesquisas com células-tronco poderiam abrir caminho para a clonagem humana, o que contraria seus preceitos religiosos. Se Mel Gibson não estivesse fazendo penitência por seus desaforos aos judeus, ele provavelmente participaria do contra-ataque.

O episódio serviu para mostrar que Hollywood começa a espelhar a divisão do resto dos Estados Unidos. A direita da comunidade cinematográfica ainda é proporcionalmente menos representativa que a do país como um todo, mas está cada vez mais assanhada. Mais um efeito colateral do governo Bush.

Em outro exemplo da baixaria nas eleições americanas, os republicanos do Tennessee fizeram um vídeo para atacar Harold Ford Jr., democrata que pode se tornar o primeiro negro a se eleger senador por um Estado sulista em décadas.

A propaganda (veja aqui) explora a notícia de que Ford Jr. teria sido visto em uma festa promovida pela “Playboy” em março. No vídeo, uma atriz contratada, com pinta de coelhinha da revista, diz: “Eu conheci Ford na festa da Playboy”. No final, ela fala em voz dengosa: “Harold… me liga.”

Imagina o que os republicanos diriam sobre a vida social de Aécio Neves. A campanha eleitoral no Brasil não foi tão ruim quanto pareceu.

Autor: - Categoria(s): Posts Tags:

Ver todas as notas

20 comentários para “Baixaria americana”

  1. espirito santo disse:

    Vivemos numa era de trevas. O conhecimento humano pode ser utilizado para matar inocentes em guerras cada vez mais tecnológicas. Mas não pode ser utilizado para salvar vidas. Não consigo entender esta lógica.

  2. Andre Arruda disse:

    A cada dia vejo que a religião é o mal do homem.

  3. Djalma Toledo disse:

    É André Arruda. É isso mesmo.
    ” A Religião é o Ópio do povo ” disse Carl Máx.

  4. Me deu uma pena danada do Michael J. Fox. Sim, ele foi extremamente corajoso em se mostrar publicamente tão vulnerável. Me pergunto quantos milhões ainda morrerão por causa dessa frescurada religiosa toda. É como disse o Espírito Santo (?) : pra construir armas que matam milhões a consciência religiosa dessa gente não diz nada. Mas, agora, pra SALVAR VIDAS, não dá. “Deus & Jesus” não querem. Valeu!

    É comum dizer que voltamos à Idade Média, mas a Idade Média não foi um período tão mesquinho e de tanta pobreza (e não estou falando de dinheiro) como a nossa está sendo!

  5. Helton disse:

    É um absurdo ainda existirem pessoas que através de um fanatismo religioso, não aceitem os avanços da Ciência, principalmente sabendo-se os benefícios que a mesma pode trazer para as pessoas que possuem doenças degenerativas.ABAIXO AS RELIGÕES!!!

  6. nani disse:

    engraçado é que os fanáticos religiosos só aceitam os avanços da ciência que interessam para eles…
    então deveriam andar vestindo trapos sem nada de tecnologia que nem na época de cristo.
    porque o papa dodói recebe tratamento de ponta em hospital? devia passar unguento e ir dormir!
    é desumano tentar tirar a chance de cura de milhões de pessoas.

  7. Rita disse:

    Fox foi ótimo. Mas lendo o post, eu também me sinto com vontade de reagir com violência. Porque não dá mais para lidar com a ignorância da imprensa, que insiste em fingir que alguém no mundo é contra a pesquisa com células-tronco. Nem o Ratzinger ousaria dizer ai sobre isso. O debate é todo em torno da – polêmica, sim! – pesquisa com células-tronco embrionárias. Não sou cristã, nem nada. Mas ao omitir isso, ao dar a informação errada, esse texto, além de preconceituso, é tendencioso e ignorante. Ainda que provavelmente de forma involuntária.

  8. lancelot disse:

    Exatamente Rita… é lamentavel como a imprensa brasileira é tendenciosa e muito desviada pra esquerda… é explícita a influência esquerdista na nossa imprensa. Por que?? É chique? O jornalista deveria se informar direito do que se trata antes de emitir opinião.

  9. Francisco disse:

    Os EUA têm uma necessidade surpreendente de escandalizar a política do país. E isso porque o voto não é obrigatório, caso fosse o nível seria notoriamente negativo. Alguém daqui poderia patentiar o esquema do dossiê e vendê-lo por lá.

  10. Fluzão disse:

    Com essa propaganda, Harold Ford Jr. corria o risco de ser o mais votado do Brasil.

  11. george disse:

    … a religião é a mãe da ignorância !!
    (texto de Albino F de Sampaio, em Palavras Cínicas)

  12. Te disse:

    Jim Caviezel de direita? Tão bonitinho e tão chatinho, que pena!
    Tennessee não é a terra da Ku Klux Khan? Cadê o Larry Flynt com seu dossiê de podres de políticos, quando o Clinton esteve ameaçado de impeachment e ele saiu em sua defesa?

  13. Heitor Augusto disse:

    “Colateral Damage”

    no papel principal, sai Schwazeneger. Entra G. W. Bush.

    yeah!

    Agora, só não sei se ele é o efeito colateral ou a lateral que causa o efeito.

  14. Radical Livre disse:

    hei, esta da vida social do Aécio Neves me interessou…
    tem alguma novidade? quem ele pegou neste fim-de-semana?

  15. Marcio Leandro disse:

    Gostaria de saber o que tem de tão excepcional na “vida social” de Aécio? Volta e meia aparecem essas notinhas sarcásticas em meio a matérias e comentários.

  16. Roberto Pedreira de Freitas Ceribelli disse:

    Caso fox, não é baixaria é doença … yahoo e Timer bros … caso não há fusão…
    não ao copião, pois originalidae sempre tem espaço e autonomia … Beto e Bet.

  17. Bruno Stern disse:

    Marcio,
    quando se fala em “vida social” do Aécio, deve-se lembrar que o cara anda sempre muito bem acompanhado na noite(geralmente no Rio).

  18. MaGioZal disse:

    O fato é que no final das contas não importa com quem o cara deixou ou não deixou de sair — o que conta quando ele senta na cadeira do mandato público é a sua atuação como político. O resto é farofada para enganar crédulos.

    O lance do candidato do Tenessee está relacionado a dois fatores, basicamente: racismo e fundamentalismo religioso de base protestante, duas coisas que, a despeito de toda suposta modernidade, ainda são muito forte no sul dos Estados Unidos.

  19. someone in the know disse:

    aécio neves, volta e meia, é internado para uma desintoxição básica, néam?
    o cara é chegado num pozinho.

  20. césar figueiredo disse:

    á chegou o momento de parar com a histe-ria anti Bush; os Republicanos não são contra as pesquisas com células tronco;apenas contra a destruição de embriões humanos. Quem achar que um embrião não é vida só pode ser idiota ou profundamente hipócrita.As pesquisas podem ser feitas com cordões umbilicais e com células medulares de pessoas vivas !

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo