Publicidade

Publicidade
27/11/2006 - 00:11

O obituário do VHS

Compartilhe: Twitter

Depois de uma longa doença, o inovador formato de entretenimento caseiro VHS morreu de causas naturais nos Estados Unidos. Ele tinha 30 anos de idade. Não há previsão de funeral.

O VHS deveria ter sobrevivido até janeiro , mas formatos de alta definição e uma nova geração de videogames apressaram seu declínio.

Ele deixa como herdeiros o DVD, o Tivo, o video on demand e o DirecTV. Seus antepassados foram o Betamax, o Divx, os mini-discs e laserdiscs.

A revista “Variety” faz o obituário definitivo do VHS.

A morte do formato já estava prevista há muito tempo, por causa da explosão do DVD. Mas o golpe final veio com o anúncio de que as locadoras norte-americanas não irão mais oferecer fitas para locação, por falta de espaço nas prateleiras. No início do ano, os principais estúdios já haviam anunciado que iriam parar de lançar filmes em VHS.

Abreviação para Vertical Helical Scan (e não Video Home System, como muita gente imagina), o VHS nasceu em 1976 no Japão, concebido pela JVC. Em seus primeiros anos, teve como principal concorrente o Betamax, da Sony. Mas acabou se impondo como formato hegemônico no mundo todo.

O auge do VHS ocorreu com o lançamento de “O rei leão” (1994), que teve mais de 30 milhões de fitas vendidas apenas nos EUA. O declínio começou com o com o nascimento do DVD em 1997. Mas o novo formato só venderia mais unidades que o antigo em 2003.

A morte do VHS faz pensar na incrível velocidade do mundo moderno. No curto intervalo de 30 anos, o formato passou de revolução no entretenimento a relíquia do passado. E o DVD, seu herdeiro, corre o risco de desaparecer de maneira ainda mais rápida, substituído por formatos de alta definição ou por meios virtuais.

O conceito de alugar filmes, ter uma coleção em casa ou gravar programas de TV, que o VHS apresentou ao mundo, ajudou a alimentar a cinefilia de milhões de espectadores – incluindo este que vos escreve. Minha geração é a das videolocadoras. Por isso, apesar de ter se revelado demodé nos últimos anos, o VHS vai deixar saudades.

Ainda lembro bem do primeiro videocassete que minha família comprou em 1983, um caixote pesadíssimo da Philco. O brinde era uma fita com uma seleção de momentos do esporte apresentada por um Luciano do Valle ainda magrinho. Ou seria um manual de instruções em vídeo? Talvez a memória me traia. E você, lembra qual foi o primeiro aparelho de videocassete e a primeira fita VHS da sua vida?

Dica do Blog do Sérgio Dávila.

Autor: - Categoria(s): Posts Tags:

Ver todas as notas

70 comentários para “O obituário do VHS”

  1. Meu primeiro foi de segunda mão. Era um treco horroroso e pesado como o inferno. Tb só funcionava quando queria. Nem me lembro mais qual o primeiro filme que vi, faz muuuuuiiiiittoo tempo.
    Abraços

  2. Henrique disse:

    Nunca tive videocassete e nem tenho DVD !

  3. Andre Arruda disse:

    Filme não lembro, mas a primeira fita gravada ainda tenho, uma gravação do desfile do Baile da Panteras (ah ah) e do bom programa Buzz, da MTV, na época das coisas mais Hypes que se poderia ter. Primeiro aparelho foi um Sharp, preto, 4 cabeças (coisa moderníssima) que tempos depois teve problemas sérios com tracking, era um inferno! me lembro que comprei em 3X, era caro pacas.

  4. eumesma disse:

    Meu video AINDA é um toshiba, comprado nos anos 90 e funciona e muito bem até hj! Aliás uso até hj p gravar algum programa ou filme p assistir depois. Tenho várias fitas. Mas nunca comprei nenhum filme. Só comprava fitas p gravar e se achar sou capaz de comprar p ter ainda! Tenho dvd no computador e qdo alugo algum é no pc q. assisto. Acho um absurdo ter q. ficar comprando tudo o q. aparece. Hj em dia cada vz mais se tem aparelhos novos e minha casa é pequena, não dá p ficar enchendo a casa de parafernalias!

  5. arjunah disse:

    Meu primeiro foi o da Sharp, em 1982, com controle remoto com o cabo ligado ao vídeo, e o primeiro filme que vi foi Excalibur… E a bichinha ainda funciona!!!

  6. Concordo com um comentário acima… DivX antepassado? Me parece muito mais tentativa da mídia de influenciar os ignorantes a o abandonarem, pra mim o DivX ou qualquer coisa semelhante à ripagem dos filmes para o computador não vai deixar de existir jamais, tampouco a pirataria, enqüanto os filmes continuarem sofrendo tanto com impostos, seja na produção(nacionais), seja nas prateleiras.

  7. nina disse:

    Acho que foi A branca de neve, quando eu tinha 4 anos e morava nos Estados Unidos, em 90

  8. Vladimir Almeida disse:

    Primeiro filme: PORKY´S (pirataço comprado por catálogo em São Paulo, apesar de ser de Campina Grande-PB… Hehehe)
    Primeiro Vídeo Cassete: Um Sharp (Feito na ZFM) com controle remoto COM FIO!!!!!!

  9. marcia casares disse:

    Meu primeiro e único video,tenho até hoje e funcionando muito bem.Comprei em Miami em 1983 e é PHILLIPS.Uso muito,pois tem muita coisa nas locadoras ainda neste formato,ontem mesmo aluguei JANGO,GETÚLIO VARGAS E PRA FRENTE BRASIL para meu filho que está fazendo vestibular,e utiliza muito este recurso de ver videos para seu aprendizado.Seria bom então providenciarem
    a transcrição destas obras importantes para DVD.

  10. Luiza disse:

    Meu primeiro foi um Betamax, enorme, de excelente qualidade de imagem, que ainda funciona. Depois, vieram tantos, que perdi a conta: Aiwa, Sanyo, Panasonic G9, G21, Toshiba e Semp (estes últimos são iguais, com nomes diferentes e ainda são MUITO usados, gravo programas musicais, documentários e, se eles forem bons mesmo, passo para DVD).
    Meu primeiro filme comprado, pirata, foi para o Betamax e se chamava “Férias frustradas”, com Chevy Chase.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo