Publicidade

Publicidade
26/12/2006 - 00:01

As grandes decepções de 2006

Compartilhe: Twitter

E agora a lista das grandes decepções do Olha só no cinema em 2006, em ordem alfabética. Não se trata da relação de piores do ano, porque seria difícil resumi-la a dez itens. Mas sim dos filmes que deixaram a desejar, que ficaram aquém das expectativas levantadas por seus bons realizadores (entre os diretores selecionados, há desde grandes promessas até grandes mestres do cinema). É uma triste constatação ver que há quatro brasileiros na lista.

– “Árido movie” (Brasil), de Lírio Ferreira

– “Um bom ano” (EUA), de Ridley Scott

– “Brasília 18%” (Brasil), de Nelson Pereira dos Santos

– “A dama na água” (EUA), de M. Night Shyamalan

– “Fonte da vida” (EUA), de Darren Aronofsky

– “Irma Vap” (Brasil), de Carla Camurati

– “Pergunte ao pó” (EUA), de Robert Towne

– “A promessa” (China), de Chen Kaige

– “Superman – O retorno”, de Brian Singer

– “O veneno da madrugada” (Brasil/Argentina/Portugal), de Ruy Guerra

E quanto a você, caro leitor, qual foi sua maior decepção no cinema em 2006?

Amanhã tem mais: a lista dos melhores e piores da TV brasileira no ano.

Autor: - Categoria(s): Posts Tags:

Ver todas as notas

99 comentários para “As grandes decepções de 2006”

  1. Regina disse:

    Ah, sim, depois de ler os comentários, lembrei que “O Sacrifício” foi a maior bobeira que vi neste ano.

  2. Flávia disse:

    O pior filme foi sem dúvida “O Sacrificio”. Péssimo!

  3. zefiro disse:

    Decepções do ano: Superman, Sacrifício e Código Da Vinci. Estou esquecendo algum?

  4. Bread disse:

    Olha este filme do Supermen foi uma merda broxante mesmo; estou com a Lilian e quanto aos gays enrustidos de supermachos e que querem botar nas bundas dos outrosé porque estão acostumados e reberem nas deles…Merda tambem os filmes nacionais, com as caras nojentas destas múmias das novelas. Creio que o Varter Sales é omelhor diretor de filmes do Brasil; ousado coloca caras novas e até figurantes que dãoconta do recado. Vejam Abril Despedaçado e entendam o que eu digo. Caras vcs que falam asneiras aqui não estão com nada! Experimentemuma polêmica comigo…. e vejam o resultado…Toco fogo neste blog. Superbostas…

  5. Deri disse:

    Farei uma citação inédita nessa lista:
    “Muito Gelo e Dois Dedos D’água”. Foi o pior filme que vi, sem dúvida! Parecia uma auto-biografia da Fernanda Young, que é uma chata mas consegue criar textos bons (como em Normais). Infelizmente, falhou feio nesse filme.

    O pior gringo foi “O Código Da Vinci”. Decepcionou exatamente pelo sucesso do seu livro de origem. Fizeram o filme de forma apressada, deixando-o meio bobo e óbvio.

  6. hum! disse:

    O Crocodilo, de Nanni Moretti, é muito chato…. E outra decepçõ, para mim, foi Dalia Negra, de Brian de Palma. Um filme pretensiosmente noir…

  7. hum! disse:

    desculpem-me, depois de escrever sobre minhas decepções é que li o comentário do Monix….. mas é isso… pretensiosamente noir

  8. Eric disse:

    Brasília 18% foi o pior filme que eu já vi na minha vida.

    Sem exageros.

  9. Porco Chovinista disse:

    De onde menos se espera é de onde não virá nada mesmo.

  10. Carol disse:

    Muito Gelo e dois dedos d’agua…Q filme péssimo…decepcionante!!!…Queria meu dinheiro do ingresso de volta…hahaha!!!

  11. marcos disse:

    A decepção do ano foi a consolidação do “cinema-de-plástico” da Globo Filmes. Os cineastas independentes do esquema global perceberam a queda de qualidade na produção nacional, e a resposta veio perto do final do ano, com o soco no estômago chamado “Baixio Das Bestas”, que deixou nua a mediocridade das platéias brasileiras, amestradas pelo “Padrão Globo”, agora no cinema.

  12. montwil disse:

    A Minha maior decepção foi o Batmam não ter assumido o Romance Gay com o Robin.

  13. Jose Luis disse:

    Pois eu achei “O ano que meus pais sairas de ferias”, um dos melhores filmes brasileiros deste ano. Ele conseguiu discutir a questao dos desaparecidos brasileiros sob o ponto de vista de quem fica, no caso, uma crianca de 12 anos que repentinamente se ve mergulhada de cabeca num mundo que nao conhecia: o mundo do seu vo. E o espectador passa a entao acompanhar esse mesmo mundo, praticamente com os mesmos olhos do menino.

  14. mario disse:

    Não entendi a péssima classificação de
    O DIABO VESTE PRADA, um belo filme.

  15. Xracer disse:

    Arido Movie não merece ser considerado uma decepção. Nem A Dama na Água. Já Munich… O Ilusionista eu também acho uma grande decepção: Norton e Giamatti não podem render só aquilo. O filme promete, mas não cumpre. E comparado com O Gde Truque, é infantil. Oliver Twist (desculpem se é de 2005). Que a fauna de fãs me perdoe mas Brokeback Mountain também achei uma brutal decepção: um filme mexicano gay. Já A Máquna foi uma decepção de lançamento e de público, um filme bacana merecia carreira melhor. Código da Vinci não estar nesta lista é proteção ao distribuidor! E meu campeão: Piratas do CAribe II, o autêntico filme camarão, onde sem a proxima parte não se entende e sem a parte 1 fica-se perdido.

  16. Fábio Carmo disse:

    Superman foi a grande decepção do ano. Não é ruim, mas poderia ser muito melhor.

  17. hallnoxx disse:

    Eu protesto sobre ter colocado “The Fontain” como um fiasco… É um filme soberbo e raro de se encontrar hoje em dia… Assim como a reação do internauta Bruno Boroto, eu tambem fiquei abismado com sua falta de tato nesta escolha, pois filme foi bastante elogiado pelo modo como foi feito.

    Já que essa lista é feita a gosto pessoal, ela deveria ter razões e justificativas (técnica ou não) para fazer o leitor pensar que a elaboração dela foi coerente, e não colocar e dizer “esse são os fiascos do ano”, pois, você só causa irritação para leitor que ver o filme que ele gostou (e acreditou que é bom e até viu outras críticas elogiosas sobre ele…), numa lista pretensa com essa… Mediocre… Rebaixei seu site…

  18. Voltairine disse:

    Concordo com tangouruguaioehfoda, nao achei :arido movie” ruim, nao. Ate gostei mais que de “O Baile Perfumado”. Ja o Irma Vap foi de doer na alma

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo