Publicidade

Publicidade
24/07/2007 - 11:21

Das virtudes do classicismo

Compartilhe: Twitter

Vi com certo atraso “O despertar de uma paixão”, baseado em  Somerset Maugham. É um filme quase arcaico, daqueles em que sabemos exatamente aonde o diretor está nos levando. Mas também é um exemplo das virtudes do bom classicismo, pois não nos faz sentir manipulados no percurso.

A fórmula é simples: atores em chave contida (Edward Norton, Naomi Watts), direção discreta (de John Curran), dramaturgia sólida (um caso de amor invertido: uma mulher que se casa por interesse e, com o tempo, se descobre apaixonada pelo marido), um pano de fundo histórico (o casal inglês vai para a China dos anos 20, assolada por uma epidemia de cólera e abalada por protestos contra a presença estrangeira).

Mas é também uma fórmula que vem sendo maltratada nos últimos anos – como se a maioria dos cineastas tivesse desaprendido a fazer filmes clássicos antes de chegar a dominar o cinema moderno.

“O despertar de uma paixão” me lembrou David Lean – especialmente o de “Passagem para a Índia”. O único senão é a interminável quantidade de pans verticais em que a câmera apontava das montanhas para o lago ou do lago para as montanhas. Típico caso de fotógrafo enamorado por sua paisagem. Deveria ter sido domesticado pelo diretor. De resto, porém, o filme dificilmente irá ofender os espectadores. Pelo contrário.

Autor: - Categoria(s): Posts Tags:

Ver todas as notas

13 comentários para “Das virtudes do classicismo”

  1. francisco disse:

    Oi

    Esse filme está recebendo resenhas favoráveis e desejo vê-lo, infelizmente, não estreou ainda aqui, em Fortaleza. Comento assim, pois assisti ao Cheiro do Ralo e decepcionei-me com ele. As críticas favoráveis o superestimaram: de bonzinho tornaram-no ótimo. Tomara que o Despertar valha a cotação, pelo menos, de bom, conforme Calil.

  2. Kamila disse:

    Calil, é uma pena que este filme não tenha sido passado em todo o país. Estou louca para assistí-lo e tenho que me conformar em ver, na minha cidade, salas de cinema lotadas com os blockbusters habituais de meio de ano. Uma vergonha!!!

  3. George Cú-Ney disse:

    Só passei aqui pra mandar todo mundo tomar no cú e dizer que ainda vou comer a Kamila, pois já possuo o endereço desta putona.

  4. Alba disse:

    Pois é,

    Já que o Calil citou David Lean, há um lindo filme dele que poucos conhecem e que é uma história de amor: Desencanto.

  5. Marcelo disse:

    Discordo

    Achei o filme tão óbvio, tão óbvio, que me incomodou. Um típico exemplo de cinemão que não justifica o ingresso. Ótimo para ver na tv e em família no dvd. Pagar a entrada foi um baita desperdicio. Nem o Norton, usualmente diferenciado, atingiu o nível habitual. Está plano, comum. Bom mesmo só o Toby Jones, que já havia visto com satisfação no Capote “2”, a versão who-is-who em Los Angeles.

  6. QQud La Silva disse:

    Bem o filme tem um “quê” de “noir”, meio “blazê” e tem um “aproacCh” quando visto na hora do “rush”, principalmente comendo um “lunch” a bordo de um “ferryboat”.

    Mããããããssss …Ma..má..má..má..má…ôieee!

    Filme bom mesmo. Vou dizer para voce. Filme de arte, sensível, “cult”, brilhante e de vanguarda:

    THE “DISASTROUS JACKASSES” ON THE NAKED MOUNTAIN”

    Com “high atuation” de Mr. “D&idi”

    Marvelous “upstaris” from Mr. “Deé deé”

    Mr. “Mumu from mangueira” and Mr. “Zaq” estavam pretty good.

  7. George Cú-Ney disse:

    Vou comer essa putona da Kamila, logo, logo. Me aguardem ….

  8. Guido disse:

    ~~~~

  9. Guido disse:

    Vergonha total!
    Censura nos Simpson’s, vejama matéria no site Séries e Etc…:
    “Depois do polêmico episódio “Blame it on Lisa”, em que visitam (e zoam muito com) o Brasil – causando a fúria da Embratur e dos mais patrióticos -, os “Simpsons” tiveram uma piada sobre o país censurada na dublagem do episódio inédito que a Fox exibiu esta semana.
    No episódio, intitulado “A Esposa Aquática”, Bart e Lisa conversam sobre um lugar imundo em que estão, e Lisa diz que é “o lugar mais nojento” em que eles já estiveram. Bart retruca: “Mas e o Brasil?”, e Lisa responde: “Depois do Brasil”.
    Na versão dublada exibida pela Fox, o diálogo foi mudado. Em vez de citar o Brasil quando Lisa se refere ao “lugar mais nojento”, Bart pergunta: “Sério, você acha mesmo?”, e a irmã responde “Se eu falei é porque acho”.
    O erro foi encontrado pela equipe do site Simpsons News, e é possível comparar os diálogos em inglês, no original, e dublado em português em um video postado pelo site no YouTube. Para assistir, é só clicar aqui.
    O canal Fox, por meio de sua assessoria de imprensa, afirmou que apenas tem os direitos de exibição da série, mas que a dublagem é de responsabilidade da 20th Century no Brasil. “Estamos estudando um meio de tentar evitar que isso aconteça, porque a política do canal é exibir as séries na íntegra, mesmo com a dublagem”, afirmou a assessoria.”
    Taí o link do site:
    http://tv.globo.com/Entretenimento/Tv/Noticia/0,,AA1595980-7175,00.html

  10. Guido disse:

    Mais vergonha sobre a censura dos Simpson’s no Brasil:

    Taí o vídeo do You Tuibe comparando o original e a censura da dublagem no Brasil:

    Link:
    http://br.youtube.com/watch?v=6Oxw9UZzhrk

    Vergonha! Republiqueta das Bananas!

  11. QQud La Silva disse:

    heheh o guido surtou esse comment esta sendo publicado em todos os blogs do mundo

  12. Fabio Negro disse:

    [b]teste[/b]

    teste

  13. Fabio Negro disse:

    sublinha

    vermelho

    itálico

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo