Publicidade

Publicidade
23/07/2008 - 12:16

Carta aberta às estrelas de Hollywood

Compartilhe: Twitter

O tema da possível greve dos atores em Hollywood me parece terrivelmente chato e possivelmente superdimensionado (porque a paralisação tem poucas chances de se concretizar). Por isso não havia escrito sobre o assunto até aqui. Mas algo de interessante surgiu dele agora: uma carta aberta do ator Peter Coyote (“E.T.”, “A Grande Arte”, “Lua de Fel”) a seus colegas milionários de Hollywood. Sem citar nomes, ele desanca os grandes astros americanos, que ganham mais de US$ 6 milhões por filme, por sua falta de companheirismo com atores que têm dificuldades para pagar suas contas – e que, por conta disso e de outras questões, estão ameaçando parar Hollywood com uma greve.

 

“Nosso sindicato de atores tem duas armas para proteger seus membros: a ameaça ou a realidade de uma greve e a força de seus integrantes ‘estelares’. (…) Existe uma maneira simples de os protagonistas trazerem ao jogo essa segunda arma, mais flexível e mais direcionada, em apoio a colegas que podem oferecer o benefício de assegurar que vocês contracenem com atores do melhor calibre. Se vocês incluírem em seus contratos cláusulas especificando que, em seus filmes, os ganhos de seus colegas devem entrar na negociação e, se você renunciar a uma modesta parte de salários acima de US$ 6 milhões para tornar esse dinheiro disponível, cada ator negociando para contracenar com você ganharia poder para reivindicar uma justa recompensa por seu trabalho.” 

 

Em resumo, Coyote está pedindo às estrelas de Hollywood para largarem um pouco do osso em benefício de seus companheiros menos afortunados e, delicadamente, dizendo que eles estão mais preocupados com seus salários milionários do que com o bem-estar de sua categoria.

 

Autor: - Categoria(s): Uncategorized Tags:

Ver todas as notas

1 comentário para “Carta aberta às estrelas de Hollywood”

  1. Rui disse:

    Iludido esse Coyote, hein? Tá parecendo seu chará correndo atrás do Papa-Léguas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo