Publicidade

Publicidade
29/08/2008 - 18:45

Não vote em Fielding Mellish

Compartilhe: Twitter

Na última nota da série especial do Olha Só com grandes políticos do cinema e da TV, feita em conjunto com o hotsite Eleições 2008 do IG, os candidatos escolhidos vieram de um país imaginário da América Latina: Porfírio Diaz (Paulo Autran) e Felipe Vieira (José Lewgoy), respectivamente senador e governador de Eldorado, no clássico “Terra em Transe” (1967), de Glauber Rocha.

Hoje vamos falar de outro político de um país latino-americano fictício, de outro filme feito por um gênio do cinema, mas com um estilo completamente diferente do de Glauber: Fielding Mellish de “Bananas” (1971), dirigido e protagonizado pelo norte-americano Woody Allen (confira um trecho abaixo).

Mellish é um testador de produtos que se apaixona por uma ativista política. Quando ela termina o namoro, ele decide ir até San Marcos, país da América Central abalado por uma revolução, para impressionar a ex. Sem querer, ele acaba se envolvendo com os guerrilheiros que tomam o poder. Mas o líder revolucionário fica louco, e os rebeldes decidem transformar Fielding em presidente. E, assim, ele consegue seu objetivo: reconquistar a ex-namorada.

Uma das grandes comédias da primeira fase da carreira de Allen, “Bananas” é um ataque irônico ao poder e à revolução tais como praticadas em republiquetas latinas. Mas sobra também para a política externa americana, que apóia os corruptos caudilhos locais. No final das contas, “Bananas” não é assim tão distante de “Terra em Transe”. Mas, se Glauber usava a alegoria política como arma, Allen vai mesmo com o humor – e, com ele, expõe o trágico e o ridículo da nossa política.

P.S.: Fielding Mellish é o sétimo dos dez políticos da série especial do Olha Só. Os outros foram: o senador Jefferson Smith de “A Mulher Faz o Homem” (1939), o barbeiro judeu de “O Grande Ditador” (1940), o candidato a governador Charles Foster Kane de “Cidadão Kane” (1941), o candidato a vice-presidente John Iselin de “Sob o Domínio do Mal” (1962) e o presidente Merkin Muffley de “Dr. Fantástico” (1964), além da dupla Porfírio Diaz e Felipe Vieira de “Terra em Transe”.

Autor: - Categoria(s): Uncategorized Tags:

Ver todas as notas

2 comentários para “Não vote em Fielding Mellish”

  1. Diego Viana disse:

    E aquele filme do Henfil? Deve dar um bom material. Acho que o nome é “Deu no NYT” ou coisa parecida.

  2. Felipe Basto disse:

    Lembra de Bob Roberts, com o Tim Robbins? E se alguém sente falta de um item mais pop, tem aquele candidato de Dead Zone.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo