Publicidade

Publicidade
26/11/2008 - 08:56

Quem é o Godard do YouTube?

Compartilhe: Twitter

Virginia Heffernan, blogueira de vídeo online do “New York Times”, lançou a pergunta: “Quem é o Godard do TouTube?”. Ela mesmo reconhece que há algo de enviesado na questão. Como na vez em que o escritor Saul Bellow perguntou: “Quem é o Tolstoi dos zulus?”. As realidades são diferentes, os tempos são outros.

Mas a pergunta contém uma provocação interessante: quase cinco anos depois do lançamento do YouTube, é possível identificar algum diretor que tenha algo parecido com uma “obra”, que tenha experimentado com a linguagem do seu meio vídeo após vídeo, como fez o francês com o cinema? E nem vamos falar da questão da autoria, porque, com exceção de alguns projetos corporativos, todos são autores no YouTube.

Pois bem, Heffernan tem sua aposta: a dupla Hodge-Stansson, responsável pela série “Unforgivable”, fenômeno do YouTube, cujo primeiro vídeo você pode ver abaixo:

Como se vê, o vídeo consiste basicamente de um sujeito desfiando alguns clichês pesados do palavreado gangsta, especialmente contra mulheres. E onde entra Godard nisso? Talvez no fato de que em alguns momentos revela-se (à moda de Brecht?) a encenação, quando o ator começa a rir do próprio linguajar. Mas me parece muito pouco para decretar um novo Godard. Até porque o novo filme de Hodge é decepcionante.

Então qual é a minha aposta? Não faço a mínima idéia. Só acho que o novo Godard não vai ser encontrado em um fenômeno do YouTube com milhões de acessos, mas sim em um vídeo escondido, visto até agora por meia dúzia de gatos pingados. Será que vocês, leitores, já encontraram?

 

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

4 comentários para “Quem é o Godard do YouTube?”

  1. Faltou só o vídeo… :/

  2. Fabio Negro disse:

    Ih, Calil, o vídeo não apareceu.

  3. thiago disse:

    fiquei sem entender direito por que vc acha que ele vai ser encontrado num vídeo que poucos viram.

  4. JLG disse:

    qual é a razão de ser do post se ele próprio é uma negação?
    JLG

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo