Publicidade

Publicidade
29/04/2009 - 23:52

“Wolverine” é uma decepção

Compartilhe: Twitter

“X-Men Origens: Wolverine” é uma demonstração da incrível banalidade do espetáculo hollywoodiano quando não há um conceito forte que o sustente. Nos melhores filmes de super-herói recentes, ele sempre pode ser encontrado. Por trás dos voos do “Homem-aranha”, de Sam Raimi, existia a questão da passagem da adolescência à vida adulta de Peter Parker. Nos dois primeiros “X-Men”, dirigidos por Bryan Singer, as histórias dos mutantes eram um pretexto para falar da discriminação dos diferentes.

Em “Wolverine”, prequel que mostra a trajetória do mais carismático dos mutantes antes de se juntar a seus pares da trilogia, não existe uma ideia que carregue o filme – como não havia em “X-Men 3”. O filme é um mero acúmulo de cenas de luta ou perseguição, efeitos especiais, frases de efeito e um número excessivo de mutantes – dirigidos sem grande imaginação pelo sul-africano Gavin Hood, de “Tsotsi – Infância Roubada” (2005), sub-“Cidade de Deus” que ganhou o Oscar de filme estrangeiro.

Em alguns momentos, o filme insinua que será sobre a batalha interna de Wolverine entre seus instintos selvagens e seus ideais humanistas. Mas logo essa ideia é interrompida por uma explosão ou pela entrada em cena de mais um mutante.

De positivo, “Wolverine” tem a escalação do elenco. Os talentos dramáticos de Hugh Jackman continuam maiores que seus bíceps (embora estes avancem a cada filme). Liev Schreiber foi uma bela lembrança para Victor Creed, o irmão de Wolverine, assim como Danny Houston no papel do ambíguo coronel William Stryker. Mas, com a exceção de Jackman, cada ator tem pouquíssimo tempo na tela para desenvolver seus personagens.

“Wolverine” não chega a ser entediante, porque Hood faz de tudo para entreter o espectador com emoções baratas. Mas é muito difícil lembrar do que se viu um ou dois dias depois. Para quem se aventurar a ver o filme, um aviso: há duas cenas importantes logo antes e depois dos letreiros finais.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

10 comentários para ““Wolverine” é uma decepção”

  1. fábio disse:

    …………………………………………………………………………………………………………
    ………………………………………………………………………………………………………..
    ………………………………………………..Bom,
    …………………………………………………………………………………………………………
    ………..eu não vou gastar dinheiro com éssa dróga,…..mesmo,…….
    …………………………………………………………………………………………………………
    ………………………………então póde contá o final….!
    …………………………………………………………………………………………………………
    …………………………………………………………………………………………………………
    ………………………………….Só uma perguntinha…?
    ………………………………………………………………………
    ………………………………Você curtiu o EX-man,….1 e 2..?
    ……………………………………………………………………….
    ……………………………………………….Eu curtí.
    ………………………………………………………………………..
    ……………………………………..O 3 eu não assistí,…
    ………………………………….mas já estava com medo,…
    ……………………………………………da frãnquia.
    ………………………………………………………………………………………………………….
    …………………………………………………………………………………………………………

  2. gilvas disse:

    cáspite, eu estava com uma expectativa enorme depois do trailer, mas tu tinhas de atenuar minha potencial decepção, seu monstro! tudo bem que eu já tinha a referência do péssimo terceiro filme da franquia x-men, mas tinha feito todo um trabalho de cabeça, e me esquecido disso… hunf!

  3. Daniel disse:

    yo de todas formas quiero ver el filme, parece interesante de todas formas

  4. Douglas Chicarelli disse:

    assisti o filme e achei muito bom.
    o que você esperava de um filme em que o portagonista seria o personagem wolverine, ele nunca foi amigável.

    acho que você deve gostar mesmo é do titanic, por isso não gostou do x-men.

    minha opinião, não leve a mal.

  5. Caro Ricardo,

    acredito que faltou um Não na primeira frase do parágrafo inicial: “quando não há um conceito forte que o sustente.” Não é isso?

    De resto, o texto está perfeito como sempre.

    Grande abraço!

  6. Pedro de Oliveira disse:

    O ator é muito alto para interpretar o Wolverine. Ele não era um tampinha nas revistinhas em quadrinho? É o mesmo que colocar Peter Crouch para interpretar um Hobbit.

  7. Cardinal disse:

    Mas quanta gente ranzinza! Esse filme nunca foi feito para ser uma marco na historia da cultura humana. Foi feito para ser diversão barata. Se não curte…por que assistiu? Eu por exemplo não tenho paciência nenhuma para ouvir funk…então não vou ouvir. Facil. Ficar resmungado do que não gosta é coisa de gente que precisa de tratamento médico.

  8. jose eduardo correa lopes disse:

    -OLÁ RICARDO,PARTICULARMENTE NUNCA GOSTEI DOS X-MEN,TODAVIA P/ MIM, POUCO ME IMPORTO COM A REPERCUÇÃO DESSE FILME QUE,CLARO,É MAIS UM RECHEADO DE EFEITOS COMPUTADORIZADOS”SUPER FANTAZIOSOS” DEIXANDO A GAROTADA IPNOTIZADA,E NEM PRESTANDO ATENÇÃO NO CONTEÚDO DIALOGAL.
    -SAUDADES DOS ANOS 80 EM QUE AS CENAS DE AÇÃO ERAM MAIS NATURAIS.-ALÁS, RECOMENDO UM CLASSICO “TRASH” CHAMADO -“O CARRO” OU NO NOME ORIGINAL”THE CAR -1977″(veja o trailler no you tube) SIMPLESMENTE DEMAIS.

  9. Miriam disse:

    Concordo com o Cardinal……..
    E aviso às meninas de plantão:
    Hugh Jackman é mesmo um gato e merece ser visto e endeusado, ufa.! Assisti ao filme ontem e fiquei até sem respirar………….

  10. Marcela Medina disse:

    É isso aí. “Wolverine” consegue ser um dos piores filmes que vi ultimamente, e um dos piores filmes de ação de todos os tempos. E olha que eu acho Hugh Jackman lindo, carismático, talentoso e todas as outras coisas que todas as mulheres do mundo acham. Mas, sinceramente, nem ele salva um filme sem roteiro, com exploração gratuita da figura dos mutantes e dos efeitos especiais que, sem se resolver entre cinema pipoca e drama obscuro-existencial, não escolhe nenhum dos dois. Ponto para o Ricardo, que costuma ter uma visão coerente do que vê na tela.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo