Publicidade

Publicidade
20/06/2009 - 23:08

O novo “Rambo”, feito por um homem só

Compartilhe: Twitter

No filme “Rebobine, Por Favor”, dois personagens regravam, de forma caseira e com a ajuda de vizinhos, vários sucessos do cinema e alugam as novas versões em uma videolocadora de bairro. Na vida real, um sujeito de Nova York acaba de radicalizar a proposta do filme: Zachary Oberzan, 35 anos, adaptou ao cinema o romance “First Blood” (que originou o primeiro episódio da série “Rambo”) totalmente sozinho – o que significa dizer não apenas que ele roteirizou, dirigiu e montou o filme, como também interpretou todos os personagens. E não foi só: o filme teve como único cenário o apartamento de Zachary e seus 107 minutos sairam por um total de US$ 96.

A nova versão chama-se “Flooding with Love for the Kid” (algo como “Inundado de Amor pelo Garoto”), frase do romance original de David Morell, usada pelo xerife Will Teasle ao perceber que havia começado a gostar do seu inimigo John Rambo. Zachary levou oito meses para gravar o filme, e o cronograma foi ditado pelo tamanho do cabelo do protagonista: o ator-cineasta começou pelo final, quando Rambo estava com o cabelo mais comprido, e foi cortando aos poucos.

Zachary disse que decidiu fazer o filme por dois motivos. Primeiro, por acreditar que a produção protagonizada por Stallone não faz justiça ao romance (“ele transforma arte verdadeira em um circo”). Depois, para provar que o bom cinema não depende de dinheiro e estrelas. “O filme é um foda-se para o mundo da TV e do cinema que diz: ‘só há um jeito de fazer filmes’.”

Exibido pela primeira vez em um bar de Nova York na semana passada para uma plateia de 12 pessoas, o filme foi recebido com risadas a princípio – por conta de cenas em que uma torneira aberta representava uma cachoeira ou em que uma torradeira fazia as vezes de rádio da polícia -, mas aos poucos o público se acostumou com a precariedade e terminou aplaudindo com entusiasmo. Ao final, como relata o jornal britânico “The Guardian”, uma espectadora tentou dar uma nota de US$ 10 ao cineasta. “Eu queria te pagar como se tivesse visto um filme. Na verdade, foi melhor que um filme!”

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo