Publicidade

Publicidade
13/08/2009 - 19:29

Entrevistando Glória Perez

Compartilhe: Twitter

Os jornalistas que se revezam entre a reportagem e a crítica acabam enfrentando várias saias justas ao longo da carreira. Como, por exemplo, entrevistar pessoas cujo trabalho havia criticado anteriormente. O problema não é tanto como os outros reagem (quase todos se comportam de maneira elegante, muitos nem ficam sabendo das críticas), mas sim como você se sente antes, durante e depois do encontro.

Eu me deparei mais uma vez com essa situação ao entrevistar Glória Perez, autora de “Caminho das Índias”, para as Páginas Negras da revista “Trip” deste mês. Já escrevi algumas vezes sobre o trabalho de Glória neste blog, com um misto de admiração, ironia e perplexidade diante da imaginação febril da autora. Mas não sabia muito o que esperar de um encontro ao vivo.

Bom, o resultado você já pode ver no site da revista. Glória falou com uma franqueza bastante impressionante sobre temas bastante difíceis, como a luta contra um linfoma e o assassinato da filha Daniella Perez (numa declaração que vem circulando em jornais e revistas, ela conta que uma facção criminosa se ofereceu para matar os assassinos de Daniella se Glória dissesse uma palavra específica em qualquer entrevista para a TV).

Para um blog de cinema e televisão como este, talvez interesse mais sua defesa de seu estilo como novelista: “A vida das pessoas implica essa fantasia, os sonhos, os devaneios. Por isso elas se reconhecem no fantasioso. E o fantasioso, na novela, é uma forma de mostrar o real. A imaginação é uma característica do folhetim. Acho engraçado quando algumas pessoas, até com ar acadêmico, acusam minhas novelas de ter muito gancho, muita imaginação. Mas folhetim é isso. Você dizer que uma novela peca por ter muito rocambole é como condenar o soneto por ter rima. Você lê o Balzac, tem aquela descrição psicológica divina, mas daí a mocinha é raptada pelo pirata. Você acha que ele fazia por quê? Porque tinha que vender o jornal no dia seguinte. E eu tenho que vender o capítulo do dia seguinte. O folhetim exige por definição que o sensacional se sobreponha à coerência.”

Ao final do encontro com Glória, aconteceu algo imprevisto: comecei não só a gostar dela, como a entender melhor – e a gostar mais de – seu trabalho. Como acontece frequentemente nesses casos, o pessoal e o profissional começaram a se confundir. Portanto, não acredite muito no que eu escrever sobre “Caminho das Índias” daqui em diante. Já não sou mais imparcial. De qualquer forma, a novela nunca me pareceu tão boa e fez tanto sentido quanto agora.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

53 comentários para “Entrevistando Glória Perez”

  1. Enrabêncio disse:

    Me constrange a passionalidade do crítico, mas vejo sublime a sua franqueza. Na realidade não existe isenção nos comentários que fazemos sobre qualquer coisa feita por pessoa a quem estimamos. Eu, que não conheço pessoalmente a autora, vejo o seu trabalho como algo totalmente dispensável. As novelas que são patrocinadas pela própria não objetivam sequer a busca de reflexão por parte de quem as assiste. Comparar o lixo que produz às produções de BALZAC é falta de senso crítico. Creio que o entretenimento tem espaço para a solidez literária e para a estética visual. O trabalho atual da autora á muito ruim, ou melhor, para que fique ruim tem de melhorar muito…

  2. Marcia Ialenti disse:

    Pra mim Gloria Perez e uma profissional, fazendo o seu trabalho, bom ou ruim, nao sei, depende da percepcao de cada um, eu particularmente, nao sou uma seguidora de novelas, mas como uma verdadeira brasileira ja assisti algumas, pq nao temos como nos livrar…sao varias novelas por dia e em todos os canais, qdo nao sao brasileiras, sao enlatadas!!! Prefiro os nossos autores brasileiros, errando ou acertando, mas sempre levando uma forma de entretenimento.
    Sabemos perfeitamente que novela das 21 desde qdo eu era garotinha, sempre foi feita p adultos, e adultos sabem bem discernir o certo do errado, e sabem tb se uma coisa nao agrada, pode por simpatia escrever ao autor fazendo uma critica construtiva ao seu traballho, com intuito de continuar seguindo a trama, ou pode simplesmente comprar um bom livro ….. se criancas ao inves de as 21 da noite, que e a hora de estarem na cama, estao vendo novela feita p adultos, o erro sera sempre de quem permite q a essa hora estejam acordados seguindo novela, ao inves de descando p poder ir no dia seguinte p o colegio com a mente fresca!! Nao condeno os autores de novelas, pq elas vao ao ar de acordo com a classificacao etaria, sao escrita p um publico especifico daquela faixa de idade e ainda escrita p ‘massa’.
    Deslculpem-me a franqueza, mas ninguem esta sendo obrigado a ver Gloria Perez, estamos num pais democratico….
    Bjs a todos!!

  3. […] com Glória Perez, feita pelo Ricardo Calil, nas páginas negras da […]

  4. luanda disse:

    seus comentários sobre a glória perez sempre foram muito coerentes, além de muito engraçados. eu mesma sempre recorro aos seus comentários numa conversa sobre caminho das índias. é de uma percepçao muito sagaz e nunca ofensiva. acho que a entrevista não vai mudar nada nesse sentido. grande abraço,

  5. Pablo Guelli disse:

    Caro Calil,

    Acompanho seu trabalho com interesse há algum tempo e acho que essa foi a melhor “crítica” que li no seu site.

    Achei o texto um primor. Uma rara mistura de jornalismo moderno com pitadas de um lado humano e humildade que não se vê na grande (sic) imprensa há muito tempo. E menos ainda nesses tempos escabrosos para o jornalismo.

    Parabéns, o caminho é esse.

    abs,
    Pablo

  6. zé josé disse:

    é por essas e outras que hoje em dia eu só faço entrevista por e-mail.

  7. […] é o que descreve com mais “objetividade” o texto aqui sugerido para leitura: “Entrevistando Glória Perez“, de Ricardo […]

  8. Ana Laura Baldo disse:

    Eu adoro as novelas de Gloria Perez e gostaria de conhece-la, pois tenho muita vontade de me tornar atriz. Gostaria muito de ter uma oportunidade

  9. gloria perez disse:

    bom nossa realidade e muito triste; as vezes ficçao ser toda mas real que nossa realidade.
    tentando fungir mostre na sua proxima novela baba ficando marido nossos perdir meu marido para baba que contratei tou tentando superar fui sua fa sonhei muito fazer novelas hoje ja tou 29 anos vejos meus sonhos ficaram pra trzaaaaaaaaaaaa sei tentei realizar sonhos beijo solllllllllllllllll

  10. gloria perez disse:

    queria pedir a gloria perez para me ajudar a realizar meu sonho de ser atriz é dificil mas pretendo realiza-lo então vim pedir a ajuda dela pois a admiro e adoro seu trabalho tenho certeza que ela vai me ajudar a realizar esse sonho que desejo tanto,obrigada desde agora beijoss♥

  11. gloria perez disse:

    queria pedir a gloria perez para me ajudar a realizar meu sonho de ser atriz é dificil mas pretendo realiza-lo então vim pedir a ajuda dela pois a admiro e adoro seu trabalho tenho certeza que ela vai me ajudar a realizar esse sonho que desejo tanto,obrigada desde agora beijos meu e-mail é nagila@ewelin.com

  12. Os invejosos acima de tudo são uns burros e incapacitados!Eu queria ver se cada um destes que criticam mordazmente a super-novela “Caminho das Índias”,serião tão capazes de sentar-se em frente ao computador e escrever durante 12 horas diárias uma telenovela tão ótima como a Glória Perez consegue!Acima de tudo ela é uma grande vitoriosa,pois é muito difícil escrever novelas,ainda mais quando se consegue a proeza de terem grande sucesso!E muito mais difícil ainda é ganhar o “Grammy” como a melhor novela do mundo!Isto é para muito,muito,poucos,meus caros!Quem critica Glória “tá” brigando com Deus,pois foi ele quem deu este lindo dom para ela:nos emocionar em frente à TV!Amém!

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo