Publicidade

Publicidade
15/09/2009 - 11:27

Novela de Manoel Carlos é como Lexotan

Compartilhe: Twitter

Depois daqueles indianos hiperativos, suburbanas fogosas, loucos e pit boys à solta, nada como uma novela do Manoel Carlos para relaxar um pouco. “Viver a Vida”, como toda a obra de Maneco, tem o efeito de um Lexotan. Aquelas paisagens de aquarela, aquela bossa nova malemolente, aquela conversa à toa sobre relacionamentos deixam a gente pronto para uma boa noite de sono.

Escudado pelo diretor Jayme Monjardim, Maneco bem que tentou acrescentar um novo ingrediente a sua fórmula no capítulo de estreia ontem: uma cena de perseguição na favela, filmada com os clichês já consagrados pelo cinema nacional, a câmera na mão, o filtro azulado, a trilha nervosa. Mas logo tudo voltou ao normal; ou seja, ao universo dos cariocas bem nascidos, com seus problemas burgueses.

Descontado esse passeio postiço pela favela, a grande novidade do primeiro capítulo foi a troca do Rio por Búzios como cenário. Seis por meia dúzia.  Para o espectador, as novelas tem o conforto do conhecido: você sabe que encontrará uma Helena quase santa, um José Mayer quase cafajeste, que todas as mulheres serão um pouco loucas (com exceção da Helena) e que todos os homens serão uns bananas (com a exceção do José Mayer). 

Mesmo com a repetição dos ingredientes, o primeiro capítulo deixou algumas dúvidas. A maior delas é se Taís Araújo tem estofo para ser Helena. Ok, ela é bela, ela é a primeira atriz negra a protagonizar uma novela das oito na Globo, ela não deve ser julgada por um punhado de cenas, ela tem condições para crescer com o personagem. Mas a impressão da estreia é que Taís continuava apresentando o “Superbonita”. A expressividade e a empostação eram exatamente as mesmas.

Outra interrogação despertada pelo capítulo inicial: é possível mesmo que Maneco seja considerado um autor “realista”? Aquelas cenas da gravação do programa com Helena beiram o surreal em seu artificialismo. É curioso ver como a maior televisão brasileira erra tão feio sempre que precisa fazer uma cena sobre uma gravação de TV… E os depoimentos “reais” no final não poderiam parecer mais encenados, como a emotiva e edificante entrevista de uma mulher com parilisia infantil ontem.

Agora vamos aos pontos positivos: Lilia Cabral mais uma vez roubará a cena como uma mulher amargurada, José Mayer está totalmente à vontade como galã, e Manoel Carlos continua com ouvido afiado para sensos comuns sobre as relações amorosas. Quando o personagem de Mayer falou que logo ia casar de novo, que homem não consegue ficar separado, minha mulher me cutucou e disse: “Maneco sabe tudo”. Então tá.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

39 comentários para “Novela de Manoel Carlos é como Lexotan”

  1. Maria disse:

    Gosto das novelas de Manoel Carlos + essa novela atual esta um “LIxo” pois esta tratando de um Homem q tinha uma familia estruturada e q de repende deixa a famila p/viver com uma mulher + nova……isso é horrivel….faltou criatividade…….Vamos la Manoel Carlos….mude a historia dessa novela,pois vc esta fazendo cm q muitos homens q tem uma familia estruturada caiam na “PUTARIA” pois acham q estao na moda devido a sua novela….ISSO É HORRIVEL…sou sua fã…+ infelizmente essa novela ta um LIXO

  2. Crístofer de Aguiar Cavalcanti disse:

    A questão é que Manoel Carlos nunca foi um escritor, apenas não passa de mais um “colunista social”. Ele não cria, assim como outros autores, mas apenas relata de uma forma bem previsível o cotidiano do Rio de Janeiro, mais precisamente o Bairro do Leblon. Agora, seria um boa que no Brasil todos os pobres morassem em apts. de 500m2, assim como em suas novelas. Infelizmente a realidade é outra (em que mundo ele vive, afinal?). Não sei como ele conseguiu e ainda consegue enganar tanta gente com a mesmice de seus enredos. Ah, sim, e ninguém aguenta mais só sacanagem, mulher traíra e ex-marido “papa-todas”, né?. Será que ele só sabe criar esse tipo de enredo?

  3. Allan Pereira disse:

    Tenho dó dessa coitada que postou esse comentário acima… Entenda uma coisa minha filha, se o homem quer abandonar a familia e construir um outro relacionamento, não vai ser uma novela que vai faze-lo tomar essa decisão. Só se tiver uma cabeça de alfinete para acreditar nisso.

  4. Val Santos. disse:

    São todos iguais, cada escritor tem uma meneira particular de escrever novelas. Tente se lembrar das novelas da Gloria, romances proibidos, culturas e religioes diferentes. Valcir Carrasco, sempre com suas comedias romanticas. Indepemdente desses tempeirinhos conhecidos, é igual comida de mãe, todo filho adora.

  5. Claudia Gimenez disse:

    É… Infelizmente a realidade não pode ser retratada…Como os mecanismos de defesa se afloram ao perceber que o espelho d’alma está descoberto e seus reflexos serão visualizados a cada vez que o vento soprar e suas cortinas mostrarão a real fantasia que nos despe… Com permissão e humildade, sr. Manoel Carlos, quisera pudesse sentar na frente , ao lado ou no meio da sala e poder assistir todos os capítulos dessa HISTÓRIA que é a vida real …Nós é que retratamos e colocamos retoques nas fotos que saem exatamente como somos através do pensarmos ser… Só peço a Globo… faça um mix nos finais de semana, para quem trabalha a noite poder desfrutar desse aprendizado, pois se fossemos à uma terapia de grupo familiar e pagássemos o valor que esta tem… Nem assim nos chocaríamos e resultaríamos ao ver o quanto somos parte de Viver a Vida, pelas lentes do nosso autor. Parabés.. pela oportunidade do Brasil ter autores como Manoel’s, Glórias, Monjardins, Carrascos … que mesmo distante ainda tocam nas lembranças de nossas almas.

    Um abraço carinhoso a todos que copiam por leitura.

    • helena gomes de souza disse:

      realmente voce disse tudo este é o nosso cotidiano, so que muita gente não quer ver a realidade estar ai.adoro as novelas do Manoel Carlos e te adoro tb Claudinha, to com saudades de vc na TV. Essas pessoas deveriam acompanhar + a historia para ver realmente o que acontece por ai.

  6. Claudia Gimenez disse:

    perfeito ! E que por curiosidade e assimilação vc é parente da grande psicanalista Terezinha Calil.

  7. liza disse:

    Gosto de assistir novelas,mas por favor essa ta muito ruim!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!poderiam tirar essa novela do ar

  8. Manoel Carlos disse:

    QUERO APARECER NA NOVELA VIVER AVIDA DANDO UM DEPOIMENTO. Verão que sei falar, dar entrevista!!!, grata,
    Rita Carvalho

  9. Jonathan disse:

    O Manoel está caducando. Ele criou/criará 3 casais/paqueras na novela do mesmo jeito: frutos de “coincidência” em vários locais diferentes. Os diálogos são muitas vezes artificiais, e o melhor exemplo disto são os diálogos da Helena e a Luciana, que em 1 minuto estão brigando, depois se abraçando, criando discussões sem sentido, repetitivos (principalmente), etc. Os sermões da filha má (irmã da Luciana), assim como suas implicâncias artificiais, já encheram também. A novela está sem dinâmica, as coisas não acontecem.

    Não vou comparar com as novelas anteriores dele, pois já citaram que ele sempre faz a mesmice de sempre.

  10. Giancarlo disse:

    Não gosto das novelas do Maneco, essa mesmice me irrita, se a Globo botasse um “vale a pena ver de novo” de qualquer outra novela (que n seja dele), aposto que o ibope aumentaria ¬¬’.
    Eu não aguento mais aquele “VEIO” de protagonista, tem vez que desligo a TV para n dar ibope, pra ver se tiram esse lixo do ar e colocam algo descente para o telespectador assistir, sem falar daquelas peruas metidas a besta com aqueles problemas depressivos. ARGH!
    O mais incrivel é ver os mesmos atores fazerndo os mesmos papéis…a Lilia Cabral é um escândalo como atriz, ela interpreta muito bem a amargurada de sempre, mas ta enjoando já, daqui a pouco quando eu ver Lilia Cabral em alguma novela vai me dar desgosto.
    O comentário do Crístofer fala o resto que eu ia falar

  11. J Carlos disse:

    Eu odeio novela. O que me motivou a entrar na sua página/blog, foi a simples necessidade de encontrar alguém que pensa como eu sobre esse bosta desse escritorzinho de meia tijela. Eu digitei as seguintes palavras-chave: “autor de novela ruim manoel carlos” e acabei te achando. Bom, mas vamos lá. Como eu disse, eu odeio novela. Mas meu “cumpadi” a minha companheira quase todo dia assiste esse lixo. É um lenga-lenga sem fim, uma conversa babaca que nunca chega a lugar algum. Nas horas de irritação já me vi desejando a prisão desse velhote. Não, ele não cometeu nenhum crime hediondo mas eu queria livrar as pessoas que não tem um senso crítico tão apurado quanto o meu de ter que ver tamanha baboseira. Assinei a Sky pra não ter que ver essa caraia mas não tem jeito, eu não vou mudar de canal na cara dura. Apesar de ranzinza eu sei respeitar o direito dos outros de se embriagarem. Mas o Manoel é foda, ele faz até estátua coçar as nádegas de tanto tédio. Ah, meu brother, Ricardo Calil, né? Vê se acha alguma coisa mais interessante pra tu assistir, novela é lixo, irmão. Futebol também é alienação, todos sabemos. Mas até o mais chato dos ranzinzas admite que uma partida decisiva mexe com os nervos positivamente. Escreva sobre futebol, é tão feio homem falando de novela. Isso é coisa pra mulher burra, mulher inteligente trabalha, cuida da saúde e da beleza. Saia desse rebanho de alienados. Saia da Globo, mas não vá pra Record. Leia um livro, ouça uma boa música. Diga não ao Mané. Esse parece nunca ter conhecido Machado de Assis, Shakespeare, entre tantos gênios.

  12. Dani disse:

    As novelas do Manoel Carlos são fúteis, tem gente que acha que novela de Manoel Carlos é poesia, cultura, educação, lição de vida, inteligência, realismo para todos os brasileiros, vinho tinto caríssimo. Só se forem todos os brasileiros ricos e desocupados da zona sul carioca e obsecados pelo Rio de Janeiro. Só faltam dizer que assistir novelas do Manoel Carlos é a mesma coisa que ler livros do Machado de Assis. Para mim a novela do Manoel Carlos não mostra nem os ricos de forma digna. As empregadas se vestem com vulgaridade e sempre tem uma que se envolve com o patrão e serve como pasicanalista da patroa, tipo escravas casa grande e senzala. Sempre tem uma vilãzinha pedante que sempre apanha de todo mundo. Personagens propositalmente histéricos e psicóticos que são antipatizados pelo público para justificar a falta de caráter e de ética de outros personagens que agem na surdina ou até mesmo na cara de pau. Dondocas fúteis e ignorantes que vão a cartomante. Personagens repetidos de outras novelas do próprio autor, nomes repetidos como dr moretti e helena. A falta de caráter de muitos personagens em vez de ser mostrada de forma crítica, é mostrada de maneira natural, saudável e até mesmo justificável, porque se tem personagem histérico, é justificável a falta de caráter de outro personagem. Se eu quero ver ricos e seu mundo de glamour, prefiro ver os seriados internacionais, pelo menos o figurino é digno, e não brega, cafona e caricato como nas novelas da globo e os personagens ricos de seriados não vão a cartomantes por mais burros que sejam e são mais decentes em assumir suas atitudes em vez de justificár com a histeria de outros personagens. Se eu quero ver algo melhor, prefiro ver um bom filme ou um seriado temático que se aprofunda mais em um tema específico em vez da bagunça superficial das novelas. Na tv a cabo tem muita coisa boa sim, bons documentários, bons shows, bons filmes, bons seriados, assim como na tv aberta também dá para garimpar algo de bom. Mandar as pessoas lerem livros em vez de ver tv é muito vago porque assim como tem coisas ruins na tv também tem porcaria na literatura, deve-se selecionar coisas boas em todas as fontes.

    • Rose Santos disse:

      Parabéns, mas é preciso se fazer algo a favor do nosso povo. Metralhado diariamente com essas novelas e com os BBB.

  13. Rose Santos disse:

    Meu Deus. Que novela é essa – Viver a Vida, que significa, na mente do autor de que trair, tramar, é viver a vida. Aonde? Só se for no Leblon dele. E a Luciana, uma tetraplégica hirária, agora com os cabelos anelados, sabe Deus como. Tenho um amigo nessas condições e ela não consegue nem mexar a cabeça e a Luciana só tem a mão torta, que muitas vezes esquece de entortá-la. Atores medíocres, trama infeliz, entediante e só nos leva a mudar de canal.
    É isso.

  14. Rose Santos disse:

    Esqueci que a “atriz Aline Moraes” está tendo uma participação sofrível, assim como a Giovana Antonelli (a eterna Capitu), nos mostrando como uma mãe séria não deveria ser, o “ator” José Mayer , continua péssimo, o que acontece? Não fizeram nenhum curso sério de teatro?
    É isso?

  15. […] trama como um todo foi muito fraca. Manoel Carlos é conhecido como o autor do cotidiano, seus diálogos sempre falaram de trivialidades. Porém, tudo parecia excessivamente feliz demais, […]

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo