Publicidade

Publicidade
28/10/2009 - 22:38

Centenário Manoel de Oliveira mostra vigor juvenil

Compartilhe: Twitter

singular

Aos 101 anos, Manoel de Oliveira continua um enigma. Os filmes do cineasta português, mais velho diretor em atividade na história do cinema, despertam sempre uma sensação de estranheza. “Singularidades de uma Rapariga Loura”, seu mais novo trabalho, atração da Mostra de São Paulo, não é exceção.

selo_mostraQue pessoas são aquelas que freqüentam o filme? Aliás, são mesmo pessoas ou são fantasmas? A que época elas pertencem, presente ou passado? Por que elas são tão sérias, tão formais? Oliveira as leva minimamente a sério ou só tira onda com elas? Ele fez cinema, teatro ou literatura?

“Singularidades de uma Rapariga Loura” é baseado em um conto de Eça de Queirós. Na história, Macário (Ricardo Trêpa) narra suas desventuras amorosas a uma desconhecida que viaja a seu lado no trem (Leonor Silveira). Contador na empresa de seu tio em Lisboa, ele se apaixona por uma moça loira (Catarina Wallenstein) que vê se abanando com um leque, na janela da casa do outro lado da rua.

Macário a conhece e a pede em casamento. Mas seu tio se opõe, por razões obscuras, e o expulsa de casa. Ele vai até Cabo Verde para juntar dinheiro, perde tudo em um golpe, mas seu tio acaba por recontratá-lo e por aceitar o casamento. Só que aí ele descobre uma certa singularidade da rapariga loura. E, então, a história termina, abruptamente, com uma hora de duração.

À lista de perguntas habituais despertadas pela obra de Oliviera, seu novo filme acrescenta outras mais específicas. Por que Macário decide contar sua história a uam desconhecida? O que faz Macário se apaixonar pela moça loura? Por que o tio é contra o casamento e depois a favor? Por que os personagens se preocupam tanto com as convenções sociais a essa altura do campeonato?

Oliveira continua recobrindo a realidade lusitana com uma leve pátina de ironia, continua se recusando a oferecer respostas prontas – o que só torna o enigma de sua obra mais fascinante. E “Singularidades”, pequeno grande filme, está entre os momentos mais felizes de sua longa carreira. Oliveira pode ter comemorado seu centenário, mas continua trabalhando com o vigor de um rapazote.

“Singularidades uma Rapariga Loura” será exibido nesta sexta-feira, às 22h50, no Reserva Cutural. Para mais informações sobre as outras sessões na Mostra, confira o site oficial.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

1 comentário para “Centenário Manoel de Oliveira mostra vigor juvenil”

  1. fábio disse:

    …………………………………………………………………………………………………
    …………………………………………………………………………………………………
    ……………………………………………….Ei,
    ……………………………………………………………
    …………………………………………..pessoal,
    ………………………………………todos comigo,
    ………………………………….no rítmo do hino do,
    …………………………………………………………………………………………………
    ……………………………………… CORINGÃO..!
    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………..RUBÃÃÃÃÃÃOOOO,……RUBÃÃÃÃÃÃOOOO,
    …………………………………………………………………………………………………
    …………………………………….RUBÃÃÃÃÃÃÃÃO,
    ………………………………………………………………………………………………..
    ……………………………………….RUBÃÃÃÃO……!
    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………………………………………………………………………………………..
    …(.ps….prá quem não sabe,…rubão,…é Rubens Evald Filho)
    ………………………………………………………………………………………………..

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo