Publicidade

Publicidade
20/01/2010 - 23:53

Ausência de “Salve Geral” no Oscar não é notícia

Compartilhe: Twitter

No jornalismo, há uma velha definição para o que é ou não notícia: um homem que morde um cachorro é; um cachorro que morde um homem não é. Algo parecido vale para o Brasil no Oscar: um filme brasileiro indicado ao Oscar é um homem mordendo um cachorro; um filme não indicado é um cachorro mordendo o homem.

Ou seja, a não-indicação de “Salve Geral” ao Oscar de melhor filme estrangeiro não é notícia. Nos 82 anos de história da premiação, o cinema brasileiro foi indicado quatro vezes nessa categoria (“O Pagador de Promessas”, “O Quatrilho”, “O que é Isso, Companheiro” e “Central do Brasil”). E mais algumas poucas vezes em outras categorias, como a de melhor atriz para Fernanda Montenegro por “Central do Brasil” ou as indicações de melhor direção, roteiro adaptado, edição e fotografia para “Cidade de Deus”.

Ou seja, nossa tradição é a ausência. O que deveria desestimular grandes expectativas antes e grandes frustrações depois nessa época de Oscar. Especialmente quando o filme não é lá grande coisa e não tem o “perfil” dos eleitores da categoria de melhor filme estrangeiro, que costumam rejeitar trabalhos relacionados à violência. Sem problemas: ficar de fora não é o fim do mundo, estar dentro não seria a salvação da lavoura.

A não-indicação de “Salve Geral” ser tratada como notícia revela que ainda nos achamos um povo predestinado – e também injustiçado. É um pouco como tratar o fato de não ganhar uma Copa do Mundo como uma tragédia nacional. Só que pior, porque na história do futebol somos protagonistas; na do Oscar, fazemos ponta.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

37 comentários para “Ausência de “Salve Geral” no Oscar não é notícia”

  1. neyrilande fenandes disse:

    oiii Ricardo quero saber qdo vai ter outro filme dos x-mam, um grde abç..

  2. Carlos Leal disse:

    O que acho um absurdo em relação aos filmes Brasileiros, com exceção de o “O Quartrilho”, e “O que é isso Companheiro” todos os filmes de qualidade estão sempre ligados a realidade nua e crua do nosso pais, violência, pobreza e corrupção…esses são os únicos que realmente saem muito bons? Alguém se arrisca a me dar uma resposta inteligênte? Acho que deveriamos ver mais filmes Argentinos, héhé!!! Pois todo o Resto que fazem por aqui com pequenas exceções que o graças ao ‘Santo Selton Melo’ faz, (não incluo o ‘Cheiro do Ralo’, que é uma merda fedida total de ruim), em fim todo o resto é clichê. Comédias alinhadas com programas tão ruins quanto ao mau gosto de quem dãoa udiência ao programa ‘zorra Total’ (Salve apenas Glória Piras e Tony Ramos – Maravilhosos, se tivesse parado no primeiro ‘Se Eu Fosse Você), sem falar na copia da dobradinha de Luana Piovani e Selton Melooooô, na imitação descarada do filme ”E se Fosse Verdade’ com a Maravilhosa Reese Witherpspoon e do melhorado Mark Rufaffalo (caso tenham o visto em outros filmes). Vou poupar so filmes dramalões Brasileiros, pois esses nem existem mesmo. Pensando bem alguém lembra de um? Dois, talvez? Agora se novelas ganhassem Globos e Oscars, bem…o que me pareçe justo perguntar é quem aguenta José Mayer de galã no horario nobre? Thais Araújo de Repetida Helena, o qual a mãe parece irmã do meio? Novela…novela…novela…estamso cheio de faltas de boas historias e muito bons atores.

  3. Marcela Medina disse:

    Fico (mal) impressionada com a (baixa) qualidade dos comentários, tanto na forma quanto no conteúdo. Não sei o que é pior: não saberem o que é cinema ou não saberem escrever em português. Quanto ao texto, Calil, mais uma vez você foi na mosca. Penso que deveríamos parar de nos preocupar com o Oscar. Parece coisa de colonizado…

  4. […] e fica ainda pior quando comparado aos que competiam com ele por uma vaga. Mas sobre isso, deixo um post do Ricardo […]

  5. arlen disse:

    Marcela Medina, digo o mesmo.

    Chega a ser impressionante. É inversamente proporcional a crítica.

  6. É lamentável tudo isso!
    Pessoal, se os brasileiros não são capazes de produzir um seriado cômico como o cansativo “Chaves” que já está há mais de 20 anos na tv, como é que vai produzir algo tão bom que impressione a acadêmia?
    Enquanto isso, os ARGENTINOS estão ganhando de lavada na gente!
    Ganham no futebol olímpico, ganham prêmio Nobel, ganham no basquetebol olímpico, e agora ganham pela segunda vez o Oscar.
    Algo precisa mudar no Brasil, ou então vamos ficar perdendo o bonde da história.
    Um país tão grande e com uma população tão grande, eis aí onde minha tese de que cultura, educação, faz falta por
    aqui!
    Estão aí o resultado, enquanto os vizinhos de baixo colhem os louros, ficamos a chupar o dedo com uma ponta de inveja.

  7. Xavasca disse:

    É lamentável tudo isso! , mais … “Salve Geral”….para o grandioso OSCAR com seu filme ganhador 2010 – The Hurt Locker…..
    Por favor Assistam ao filme , ele é muito bom….mais pelo amor de Deus……Reflitam
    O Filme “guerra ao terror” tem como frente a imagem americana do ” BEM” , interpondo a realidade do controle americano dos oleodutos, os lucros do complexo de segurança-militar, o assalto às liberdades civis para os fomentadores de um Estado Policial, e a expansão territorial de Israel.
    Pense – Não existia al Qaeada no Iraque até que os americanos a levassem para lá quando invadiram e derrubaram Saddam Hussein, que mantinha a al Qaeda fora do Iraque. O Talibã não é uma organização terrorista, mas um movimento que tenta unificar o Afeganistão sob a lei muçulmana. Os únicos americanos ameaçados pelo Talibã são os americanos que Bush enviou ( E o Pres. Obama os mantem lá ) para matar o Talibã e impor um Estado fantoche ao povo afegão.
    O filme é um excelente exemplo de como nos mostra mais uma farsa americana … para o povão controlado , verdadeiros “gado no pasto”……Filmes como Avatar, Distrito 9 , dentre outros com sua puxadinha de orelha na humanidade, não tem vez , neste mundo de poder…e da-lhe os Oscar aos desejos do governo americano……..Mais uma vez ..Parabens Tio San.

  8. Elton disse:

    Concordo plenamente com o artigo do Ricardo, e acho que já passou da hora dos cineastas brasileiros mudarem a forma de fazer filmes, é impressionante que as características principais das produções locais são as seguintes: existe mais palavrão no roteiro do que diálogo entre os personagens e pra ser sucesso é essencial no mínimo uma cena pesada de sexo e para ganhar destaque tem que caprichar na violência.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo