Publicidade

Publicidade
23/02/2010 - 00:37

As últimas palavras do mais famoso crítico americano

Compartilhe: Twitter

ebert

A imagem ao lado é impressionante (e talvez um pouco sensacionalista). A foto da revista “Esquire” mostra Roger Ebert, o mais famoso crítico de cinema americano, sem parte do queixo – uma das muitas consequências de sua batalha de mais de sete anos contra o câncer.

Ainda mais impressionante é a história de vida-após-o-câncer de Ebert, contada em detalhes no belo perfil da “Esquire”, que teve como chamada de capa “As Últimas Palavras de Roger Ebert”. Desde 2006, ele não pode falar ou comer nada. O crítico usa anotações em um caderno e um programa de computador para se comunicar e se alimenta através de uma sonda. Como revela à “Esquire”, ele decidiu não passar por mais nenhuma cirurgia e se sente pronto para a morte.

Mas, em vez de reduzir seu ritmo, Ebert passou a escrever de maneira ainda mais compulsiva depois da doença. Além das várias críticas semanais para o jornal “Chicago Sun-Times” (ele viu 281 filmes nos últimos dez meses, média de um por dia), ele publica quase diariamente em seu blog longos posts que vão muito além do cinema – e passam por questões como a possibilidade de vida após a morte, ateísmo e alcoolismo, entre outras. São textos de quem não tem nada a perder – e, talvez por isso, muitos deles são imperdíveis.  Alguns posts têm milhares de comentários, e vários são respondidos  por Ebert. Aliás, vale a pena ler a resposta do crítico ao texto da “Esquire”, em que ele defende não apenas o autor do texto, como a decisão de mostrar a foto de seu rosto deformado pelas operações.

Ainda que ele não seja meu crítico americano preferido (para ficar na seara de Chicago, Jonathan Rosenbaum costuma ir bem mais fundo nas suas análises), e ainda que eu tenha a tendência a rejeitar sentimentalismos, o amor pelo cinema demonstrado por Ebert no artigo da “Esquire” me pareceu completamente tocante e inspirador.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

9 comentários para “As últimas palavras do mais famoso crítico americano”

  1. André Veiga disse:

    Fantástico o blog dele

  2. fábio disse:

    ………………………………………………………………………………………………..
    ……………………………………………………………………………………………….
    ………………………….Se ele fôsse,…brasileiro,
    ………………………………………………a,
    …………………………………………..”veja”
    ……………………………ía por essa fóto dele na
    …………………………………………..CAPA,
    ………………………………depois da entrevista,
    ………………………………. com a manchéte….:
    …………………………………………………………………………………………………
    ……………………………” CRÍTICO de CINEMA
    ………………………………………….PÁGA
    ………………………………….. a lingua em
    ……………………………… PRAÇA PÚBLICA….”
    …………………………………………………………………………………………………
    ………………………………………………………………………………………………..

  3. luana disse:

    Ricardo Calil, Freud conviveu 16 anos com câncer na bôca. Usava prótese. Trabalhou até 15 dias antes de morrer. Grande lição de vida. Parabéns pelo blog.

  4. Jose Salim Rosa disse:

    É sempre bom defrontamos-nos com exemplos de superação. Alenta os que perdem a esperança com facilidade, embora estejam plenos em suas capacidades física e mental. Eu mesmo temo nao estar preparado para conviver com a velhice plena (estou com 63 anos, na adolescência da terceira idade, portanto). Avoé Roger Ebert

    • fábio disse:

      ………………………………………………………………………………………………..
      ……………………………….Num liga não,….Salim.
      ………………………………………………………………………………………………..
      ……O máximo que póde acontecer é o motorista do busão
      ………………………………………….brecar
      ……………………….e você voar pelo para-brisa.
      ………………………………………………………………………………………………..
      ………………………………………..Ou ainda,
      ………………………………………………………………………………………………..
      ………………………….a geração de SKEITISTAS
      ……………………………………. te espancar
      ……………………………………………..na
      ………………………………….avenida paulista
      ………………………………………………e
      …………………………..na delegacia você,…. ouvir…:
      ………………………………………………………………………………………………..
      ………………………………………………………………………………………………..
      ……………” quem manda ficá bateno pérna na rua..”
      ………………………………………………………………………………………………..
      …………………………………………………………………………………………………
      …………………………….Envelhecer em sunpaulo,
      ………………………………………………..é,
      ……………………………………………. algo,
      ………………………………………………………………………………………………..
      …………………………………………. ãnssim,
      …………………………………………………………………………………………………
      ……………………………………”..trãncendental”,
      ………………………………………………………………………………………………..
      ……………………………………….prá não falá,
      ………………………………………………………………………………………………..
      ………………………………………nhandertaun….!
      ………………………………………………………………………………………………..
      ……………………………………………..Intão,
      ……………………………………………… sê,
      ………………………………………..” superár..”
      ……………………………………….in sunpaulo,
      ………………………………………………………………………………………………..
      ……………………………………………….só,
      ……………………………………………saindo,
      ……………………………………………… daí.
      …………………………………………………………………………………………………
      …………………………………………………………………………………………………

  5. Esprit de porc disse:

    Belíssima matéria sobre importante personagem da crítica de cinema mundial. Como é bom ler um bom texto como esse…
    Obrigado por pescar essa pérola para nós, Calil.

  6. Alessandro Manoel disse:

    A nova voz de Roger Ebert

    Desde que o câncer deixou Roger Ebert sem poder falar, ele usa um computador com voz genérica para se comunicar. No Oprah Winfrey Show, o famoso crítico do “Chicago Sun-Times” revelou sua nova voz, programada pela empresa CereProc a partir de comentários dele na TV e em DVDs.
    Ebert falou sobre vários assuntos. Na maior parte do tempo, a voz digital ainda soa bem robótica. Ninguém confundiria essa voz com a original – por enquanto.

    Mas houve momentos – algumas sílabas e fonemas – nos quais foi possível reconhecer sua inconfundível voz, sendo renderizada em tempo real. Um feito capaz de provocar lágrimas em sua mulher.

    Em que mundo vivemos.

    http://gizmodo.com.br/conteudo/nova-voz-de-roger-ebert

  7. […] coragem e contundência não tem sido um problema para Ebert desde que ele foi diagnosticado com câncer. Aqui vão os nove motivos, resumidos, para o ataque. Mas, para entendê-lo a fundo, vale ler o […]

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo