Publicidade

Publicidade
30/03/2010 - 00:25

Vida longa ao Big Brother

Compartilhe: Twitter

Mesmo sem saber o vencedor do “Big Brother 10” (que, a julgar pela enquete do IG, deve ficar entre Dourado e Fernanda), já é possível fazer um balanço desta edição:

1) Este foi o melhor elenco dos dez anos do “BBB Brasil”. Pela primeira vez, uma edição deixou a sensação de que não havia coadjuvantes no programa, de que qualquer candidato poderia virar protagonista em um dado momento, de que ninguém estava ali a passeio.

2) Este foi também o ano em que a “direção de atores” se fez mais evidente. Nos momentos em que um candidato se mostrava passivo demais, a direção do programa o cutucava para acordar para o jogo. O caso mais evidente foi o de Fernanda, que ouviu de Boninho a ordem para liberar geral nas festas.

3) Esta foi a edição em que a direção assumiu de vez que o programa é mais show do que reality, de que vale tudo no jogo pela audiência. O Deus do “BBB” nunca foi tão cruel, como mostraram as várias provas de resistência. E o telespectador tornou-se cúmplice, ao escolher o castigo dos candidatos no teste do carro. Nem o espectador pôde ser passivo desta vez.

4) Isso significa que esta foi a melhor edição da história do “BBB”? Não. As razões vêm a seguir.

5) O primeiro problema foi de edição, de montagem, muito menos inspirada que em anos anteriores. Houve uma ou outra boa sacada – como a novelinha em portunhol que ironizava o fato de os candidatos representarem como se estivessem em uma novela real. Mas elas foram poucas – e repetitivas. O recurso ao portunhol, por exemplo, foi usado à exaustão.

6) Paradoxalmente, a força do elenco também foi um problema. Em outras edições, quase sempre se delineava um conflito dramático entre os protagonistas (os pobres contra os ricos da edição ganha por Cida, os bons contra os maus das edições vencidas por Jean e Alemão). Desta vez, os conflitos se formavam, mas logo se esvaziavam. Foi o caso da rivalidade entre Dourado e ala gay. Em um momento, este prometia ser o eixo do programa. Mas em pouco se formou outro pólo de tensão – e outro e mais outro. Talvez a complexidade dos personagens tenha dificultado a tentativa de encaixá-los em uma narrativa folhetinesca tradicional.

7) O último problema desta edição, mas não o menor, foi Pedro Bial. O apresentador sempre foi um trunfo do programa – e, nas duas (fracas) edições anteriores, foi também o protagonista. Neste ano, porém, ele “surtou”. Em vários momentos, fez comentários que deveriam ser espirituosos, mas que soaram apenas grosseiros. Em outros, parecia mais perdido que os candidatos. TV ao vivo não é fácil, e Bial já mostrou do que é capaz. Vamos torcer para que ele retorne à “normalidade” na próxima edição, porque o “BBB” precisa de um Bial relativamente são.

8) Apesar das ressalvas, o “BBB” continua sendo o programa mais intrigante da TV brasileira – só não sabemos se isso fala mais sobre as qualidade do programa ou sobre a falta de qualidade da TV brasileira. A conferir nos próximos capítulos.

Para finalizar, aqui vai um link para uma história em quadrinhos simpática que ironiza justamente tentativas pomposas como esta de fazer uma crítica do “Big Brother”.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

416 comentários para “Vida longa ao Big Brother”

  1. CARLOS PINTO disse:

    O que esperar da GLOBO e talvez do publico que elege um campeão Dourado? Além de prestar um des-serviço à comunidade gay dá um péssimo exemplo à nação, pois nele resume muita coisa que não é boa, um fumante grosso e mal educado sem verdade quase nenhuma.

  2. Janjao disse:

    Acho que:
    Só devia haver paredões triplos;
    O líder estaria excluído da liderança seguinte;
    Não devia sortear carros a tele-espectadores. Deveriam ser para os participantes;
    Um erro foi permitir Serginho x Dicésar. O telefone deveria ter mandado mais um para o paredão;
    Fernanda pareceu ter medo de homem. Se tivesse ficado com Serginho, um dos dois ganharia o primeiro prêmio.

  3. Edson disse:

    Queria que a Fernanda ganhasse esse BBB, guerreira nas provas, foi a que se saiu melhor na maioria delas, e soube jogar, já que esta sempre foi a principal proposta do programa. Concordo em genero, numero e grau com as opiniões de Luciano e Mary Caudas, já estava tudo “armado” para a vitória de Dourado, desde o inicio, e a forma como ele retornou ao programa, “me engana que eu gosto!”.

  4. Elias disse:

    O Brasil é realmente um país de muitos contrastes! Vemos um debate a respeito do BBB, enquanto questões importantes como reforma política, ética na política em meio a tanta corrupção, mais educação, emprego, saúde, justiça para o povo (que na verdade não luta por isso) etc… e precisamos considerar que na TV aberta não há opções, incentiva o estilo “mundo cão”. Mas um detalhe: a maioria dos brasileiros gosta de futebol, carnaval e cerveja. E se pintar uma fofoca (como o BBB) tá todo mundo dentro.

  5. Newton C Braga disse:

    É um programa feito para divulgar a contr-cultura. Desperdício é falar desse assunto.

  6. Paula disse:

    FAZER AMOR SÓ COMIGO E BROCHAR COM AS OUTRAS

    Salvador-Bahia

    Brochar Brochar BROCHAR BROCHAR BROCHAR BROCHAR pelos poderes de São Cipriano e das 3 almas pretas que vigiam São Cipriano,V.S virá agora atrás de mim SFS de rastos, apaixonado, cheio de amor e tesão por mim SFS que ele V.S não consiga transar, fazer amor, ter ereção, nem tesão e prazer por mais nenhuma mulher(principalmente POR PATRICIA e as que ele procurar e as que andam atrás dele) a não ser EU SFS .Que ele V.S não consiga jamais transar, fazer amor, ter ereção por nenhuma outra mulher, que ele V.S broche sempre com as outras mulheres (principalmente PATRICIA e as que ele procurar e as que andam atrás dele) somente comigo SFS ele terá prazer.Louco ficará V.S por mim SFS pensando em mim e com vontade de fazer amor sempre, cada minuto de sua vida passará pensando em mim. Tenho muita Fé que ele não conseguirá transar com nenhuma outra mulher a não ser EU SFS e que V.S me peça eu pra ficar com ele para sempre, o mais rápido possível. Publique com fé

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo