Publicidade

Publicidade
06/04/2010 - 22:35

De pedra a vidraça

Compartilhe: Twitter

Quando contava a amigos e conhecidos que eu dirigi um documentário, ao lado do amigo Renato Terra, o comentário mais comum era esse do título acima: “Você vai passar de pedra a vidraça”. Confesso que isso sempre me soou estranho. Como crítico, nunca me vi como pedra. Como diretor iniciante, não me sinto como vidraça. Mas, enfim, chegou a hora de dar a cara a tapa – inclusive aos leitores deste blog.

“Uma Noite em 67”, o filme em questão, abre o festival É Tudo Verdade nesta quinta-feira, em São Paulo. Haverá sessões abertas ao público nos dias 9, às 21h, e 10, às 15h, no Espaço Unibanco de São Paulo, e no dia 15, às 19h, no Unibanco Arteplex do Rio. Vocês estão todos convidados. A entrada é franca. Basta chegar com antecedência para retirar os ingressos.

Em resumo, é um filme sobre a final do III Festival de Música Popular Brasileira da TV Record de 67. Os vencedores foram “Ponteio”, de Edu Lobo, “Domingo no Parque”, de Gilberto Gil, “Roda Viva”, de Chico Buarque, “Alegria, Alegria”, de Caetano Veloso, “Maria, Carnaval e Cinzas”, de Roberto Carlos. Todos eles foram ouvidos no documentário, além de Sérgio Ricardo, que quebrou o violão e o atirou à platéia, em uma das cenas mais emblemáticas dos anos 60.

Para quem estiver interessado no filme, vale ler a bela reportagem que Marco Tomazzoni escreveu hoje para o iG. Ou visitar o site oficial. Ou ainda ver o trailer abaixo…

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

12 comentários para “De pedra a vidraça”

  1. […] Como crítico, nunca me vi como pedra. Como diretor iniciante, não me sinto como vidraça. . Continuar a Ler » « Mais listas: Ícones femininos Os comentários estão abertos, mas os pings não são […]

  2. Lucas disse:

    O festival do sensacional discurso do Caetano: “Se vocês forem em política, como são em estética, estamos feitos.” Porra Calil, já gostava de você como crítico, você ainda dá um tiro certo desse… vou acabar virando fã.

  3. Juan P. V. disse:

    Mandou bem, muito bem!

  4. ricardo calil disse:

    Oba Lucas, tudo bem?

    Feliz de saber que você gosta das críticas. Vou torcer pra gostar do filme também.

    O Cricri tem razão: o discurso do Caê foi no Festival Internacional da Canção de 68 (o mesmo de “Sabiá” e “Pra não dizer que não falei de flores”). O doc é bem centrado em 67, então o discurso vai ficar pro próximo.

    Um abraço,
    Ricardo

  5. Priscila disse:

    calil, parabéns pelo novo filho! assim como lucas sou fã de suas críticas e corro pro cinema ver oq indica e passo longe de quem fala mal (tá, às vezes desconfio de vc e vou assim mesmo :P). agora, pelo jeito, ganharei um novo diretor de estimação. vou viajar nos dias que o filme passa em sp. estreia em breve nos cinemas?

  6. Josyclaudisson disse:

    não vi e odiei.

  7. Mucha mierda cabrón. Nos vemos mais tarde.

  8. zé josé disse:

    parabéns, meu caro. dia 15 tô lá. você vem?

    • ricardo calil disse:

      Vou sim, Zé. Vai ser uma honra te receber lá. Grande abraço, Ricardo

  9. Fabio Negro disse:

    Calil, sempre peguei no seu pé, e meio que sumi quando você “[i]parou de dar razão pra isso[/i]” =D

    mas vim aqui dizer que esse trailer é ótimo, que o assuntop me interessa bastante e que provavelmente eu assistirei em tela grande em vez de baixá-lo na internet.

    [b]Sucesso[./b]! (se o filme for mesmo bom ;)

  10. Daniela disse:

    A vidraça não vai ter nenhuma trincadinha, o filme é ótimo. Não tem o que falar, impecável. Parabéns!

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo