Publicidade

Publicidade
22/04/2010 - 22:46

Orfandade brasileira vira tese em “Sonhos Roubados”

Compartilhe: Twitter

“Sonhos Roubados”, filme de Sandra Werneck que entra em cartaz nesta sexta-feira, foi baseado no livro jornalístico “As Meninas da Esquina”, de Eliane Trindade, sobre garotas que precisam se prostituir para garantir sua sobrevivência. Mas o filme de ficção deve muito também a “Meninas” (2006), documentário da cineasta sobre a gravidez precoce de adolescentes cariocas.

As três protagonistas de “Sonhos Roubados” poderiam ser vizinhas ou amigas das garotas reais de “Meninas”. Vivem em uma favela do Rio, dividem-se entre a dificuldade material que as leva à prostituição (e as atira no mundo adulto) e o desejo de se divertir sem preocupações (e, assim, lembrar que ainda são adolescentes); e duas delas precisam lidar com a questão da gravidez não-planejada.

Um dos desafios de “Sonhos Roubados” era tornar esses seres ficcionais tão ricos e complexos quanto as garotas retratadas em “Meninas” ou “As Meninas da Esquina”. Nesse aspecto crucial, o filme de Werneck não é bem-sucedido.

Seus personagens têm trajetórias demasiadamente “exemplares”, como se cada uma simbolizasse um drama típico das garotas pobres que se prostituem. Jessica (Nanda Costa) larga o namorado evangélico e se envolve com um presidiário; Daiane (Amanda Diniz) tenta escapar do abuso sexual de um tio enquanto busca se aproximar do pai ausente; Sabrina (Kika Farias) se apaixona por um traficante.

É como se cada uma delas estivesse em cena não para ganhar vida própria, mas para compor uma radiografia social. É como se cada diálogo fosse criado não para encontrar a voz das personagens, mas para explicar o problema da orfandade brasileira.

Mesmo com a segurança narrativa e o talento para a direção de atores, já demonstrados em “Pequeno Dicionário Amoroso” e “Cazuza – O Tempo não Para”, Werneck não consegue evitar que “Sonhos Roubados” se transforme em um filme de tese. Algo que “Meninas” nunca chegou a ser.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

2 comentários para “Orfandade brasileira vira tese em “Sonhos Roubados””

  1. […] (2006), documentário da cineasta sobre a gravidez precoce de adolescentes cariocas. As . Continuar a Ler » « El Viaje Hacia el Mar (2003. Uruguai) alice no país das maravilhas » Os […]

  2. Diogo Molina disse:

    Calil, voce é um dos melhores críticos de cinema do país. Uma pena que escreva tao pouco na Folha…

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo