Publicidade

Publicidade
24/05/2010 - 22:48

Filme sueco parece melhor do que é

Compartilhe: Twitter

No site RottenTomatoes, que agrega críticas de lançamentos, vejo que o filme sueco “Os Homens que Não Amavam as Mulheres” teve 85% de textos positivos. Também leio que a produção foi muito bem de bilheteria, com mais de US$ 90 milhões arrecadados no mundo (e US$ 6 milhões nos EUA, resultado excelente para uma obra não falada em inglês).

É possível entender a boa recepção do público, já que o filme foi baseado no primeiro livro da série “Millenium”, fenômeno editorial criado pelo sueco Stieg Larsson (que morreu em 2005, antes da publicação do título). Já a boa recepção da crítica me pareceu um mistério: “Os Homens que Não Amavam as Mulheres” é um thriller competente, mas banal, repleto de clichês.

Arrisco uma teoria para explicar o sucesso crítico: o fato de o filme ser falado em sueco, com atores com aquela gravidade bergmaniana, que resvala em “grandes questões” (o papel político da imprensa, o poder de manipulação das grandes corporações, a herança nazista na Europa e, especialmente, a violência contra as mulheres).

A soma desses fatores faz “Os Homens que Não Amavam as Mulheres” parecer melhor, mais profundo, do que ele realmente é. Se fosse falado em inglês, estrelado por George Clooney ou Brad Pitt e encarado como apenas um thriller, tenho certeza de que a crítica não daria muita bola pro filme. Em breve, será possível tirar a prova dos nove – já que os direitos do filme foram comprados para uma adaptação hollywoodiana.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

7 comentários para “Filme sueco parece melhor do que é”

  1. […] de US$ 90 milhões arrecadados no mundo (e US$ 6 milhões nos EUA, resultado excelente para uma . Continuar a Ler » « ‘Fúria de Titãs’ leva bilheteria nacional no fim de semana Os […]

  2. anabella disse:

    Esse site Rotten Tomatoes acaba explicitando discrepâncias. Veja o caso de Robin Hood de Ridley Scott. O diretor fez aquilo que mais eu gostaria de ver, o personagem, rico em vários conceitos, ser tratado como um homem de verdade e não como um palhação da floresta. Ridley mudou a história, deu dimensão histórica e parte da crítica reprovou. O filme não é o melhor de Scott, mas é muito bom filme. O fato é que na avaliação do público, Robin Hood recebeu “B” nos sites Yahoo e Box Office, 4 estrelas no Terra cinema e 7.1 no IMDB, ou seja, foi amplamente aprovado. Dos críticos brasileiros, podemos citar Isabela Boscov, Luiz Carlos Merten, Luiz Zanin entre outros que gostaram do filme. E você Calil, o que achou ?

  3. Holandesa disse:

    Ele morreu em 2004! Acho que você está com um olhar muito americanizado… Primeiro, para compreender vc deveria conhecer e ambientar-se no que é a Suécia. Segundo, o filme foi feito a priori para o público sueco que realmente é diferente dos que consomem filmes da indústria norte-americana. Em resumo, o filme é a captação do tipo de atmosfera dramática que os suecos apreciam.

  4. CLAVIUS disse:

    DESCULPEM MINHA IGNORANCIA MAS, ESTE FILME TRATA DO HOMOSSEXUALISMO? ORA PRA NÃO AMAR MULHER, POR EXCLUSÃO ESTE HOMEM AMA HOMEM

  5. Fabio disse:

    Não aguento mais filmes com George Clooney ou Brad Pitt. Cinema é arte, qdo um ator é maior q o filme, é como se o suporte fosse mais valioso que o quadro.

  6. Holandesa 2 disse:

    Crítica furadíssima !!!
    Jag är ledsen

  7. Fernanda disse:

    Li os dois primeiros livros da Trilogia e Assisti aos dois respectivos filmes. Sinceramente….nao consigo justificar tanta exaltaçao nessa obra. Desisti de ler o terceiro…e talvez, quando passe na televisao assistirei ao terceiro Filme. Acredito que para os suecos deva existir muito mais sentido…talvez pela adaptaçao, traduçao…nao sei.
    Mas na minha avaliaçao achei bem regular.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo