Publicidade

Publicidade
16/07/2010 - 23:53

O vídeo mais bonito da internet

Compartilhe: Twitter

Não vi nada mais tocante na internet nos últimos tempos do que o vídeo abaixo com Paulo Moura tocando “Doce de Côco”, de Jacob do Bandolim, na clarineta. O detalhe é que o registro foi feito pelo cineasta Eduardo Escorel apenas dois dias antes da morte do músico por um linfoma, na clínica onde ele estava internado. No site da revista “Piauí”, Escorel conta que Moura tinha dificuldades para falar. Mas insistiu para tocar a música de Bandolim acompanhado de Wagner Tiso – e tocou lindamente, em sua despedida musical.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

12 comentários para “O vídeo mais bonito da internet”

  1. André Veiga disse:

    Nada abala o talento

  2. Ricardo, escrevi uma crítica sobre “Uma noite em 67” no meu blog, se puder dar uma olhada… o endereço é http://www.artigosdecinema.blogstpot.com

    Obrigado!

  3. Célia Cordeiro disse:

    Genial!!

  4. lino disse:

    Realmente é muito emocionante, eu vi o sopro da vida!

  5. […] Eduardo Escorel apenas dois dias antes da morte do músico por um linfoma, na clínica onde ele . Continuar a Ler » « Os Perdedores Festival Latino-Americano começa com o pé direito » Os […]

  6. Liege disse:

    A paixão por uma arte faz com que tudo que conspira contra sua vida seja pequeno e mostre sua grandeza, mesmo debilitado, como estava. você pode tirar o homem da música, mas não a música de um homem.

  7. Sonia Rocha Van Buskirk disse:

    Emocionante!!

  8. ana maria cardamone disse:

    CONCORDO COMO SENDO 1 DOS + BONITOS E COMOVENTES VÍDEOS DA INTERNET !!!!
    PEROLAS TAMBÉM EXISTEM,
    FLORESE DEIXAM RASTROS DE AROMAS

  9. Jonny Wolff disse:

    Assisti muitas vezes ao Paulo Moura, mas aqui ele estava mais bonito e mais puro.

  10. legal interessante

  11. André disse:

    O triste é ver o soro espetado no braço e seu esforço ao tocar bem. E ainda, sua emoção ao fim da canção e pelo reconhecimento de todos presentes! Realmente…

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo