Publicidade

Publicidade
22/07/2010 - 11:10

“Vencer” é cinema com “C” maiúsculo

Compartilhe: Twitter

Sei que o ano ainda está pela metade, mas é difícil acreditar que “Vencer” não será um dos melhores filmes lançados em 2010 no Brasil. O filme de Marco Bellochio, que estreia nesta sexta-feira por aqui, resgata, ao mesmo tempo, o melhor do cinema épico/político e o melhor do cinema italiano.

Em 2003, o cineasta italiano já havia feito uma pequena obra-prima política, “Bom Dia, Noite”, sobre o sequestro do primeiro ministro italiano Aldo Moro pela Brigada Vermelha, visto pelos olhos da única mulher do grupo de sequestradores. Mas era um filme de câmara, centrado em um espaço e tempo delimitados.

Já “Vencer” é grandioso, em produção, ambição e significados. Não é cinemão, e sim cinema com “C” maiúsculo. Como “Bom Dia, Noite”, o filme joga luz sobre uma mulher que participou ativamente na história italiana recente: a amante do ditador Benito Mussolini, Ida Dalser (Giovanna Mezzogiorno, linda e excepcional).

Quando ela o conhece, Mussolini (Filippo Timi, igualmente brilhante) é apenas um militante socialista radical. Ilda patrocina a ciração do jornal “Il Popolo d’Italia” e a criação do Partido Fascista. Os dois têm um filho juntos, mas Mussolini se alista no exército durante a Primeira Guerra Mundial e desaparece por um tempo.

Quando Ida o reencontra ferido num leito de hospital, Mussolini está casado, prestes a começar sua escalada de poder e quer distância da ex-amante e do filho inconvenientes. Quando Ida exige reconhecimento do filho com Mussolini, o governo fascista a interna em um hospital e o garoto, em um orfanato.

Como em “Bom Dia, Noite”, mas com um escopo mais amplo de tempo e espaço na narrativa, Bellochio conjuga brilhantemente a história de um país e um drama individual, feminino. Se restavam dúvidas de que ele é um mestre, “Vencer” as dissipa.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

5 comentários para ““Vencer” é cinema com “C” maiúsculo”

  1. gilvas disse:

    gostei muito de bom dia noite, mas giovanna mezziogiorno é realmente a cereja sobre este bolo que provavelmente me apetecerá tremendamente.

  2. […] o melhor do cinema épico/político e o melhor do cinema italiano. Em 2003, o cineasta italiano . Continuar a Ler » « Os Perdedores Festival Latino-Americano começa com o pé direito » Os […]

  3. Fantastico mesmo é o Rambo 2. Perfeito e emocionante.

  4. […] italiano Marco Bellocchio (“Vencer”) vai exibir uma cópia restaurada de “Nel Nome del Padre” (72) e receber um Leão de Ouro […]

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo