Publicidade

Publicidade
25/07/2010 - 22:01

Ascensão e queda do 3-D

Compartilhe: Twitter

Apontado até alguns meses atrás como o futuro do cinema, o 3-D vem perdendo fôlego rapidamente. Uma prova contundente é a tabela abaixo, publicada pelo site The Wrap, que mostra a porcentagem da bilheteria de lançamentos recentes que veio das salas 3-D, no final de semana de estréia, nos Estados Unidos. Como se vê, vai dos 71% de “Avatar” aos 45% de “Meu Malvado Favorito”.

O principal motivo de reclamação, como aponta outra matéria do The Wrap, é a “escuridão” da imagem em 3-D. Em comparação ao 2-D, ela pode ser até 80% menos luminosa. No caso de “Avatar”, em que James Cameron criou novas técnicas para amenizar o problema, a imagem era “apenas” 50% mais escura.

Algum tempo atrás, decretou-se a morte do 2-D no futuro próximo. Agora a dúvida é quanto tempo o 3-D vai durar se não conseguir corrigir seus problemas técnicos.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

12 comentários para “Ascensão e queda do 3-D”

  1. junior vaka disse:

    é realmente o questao da “luminosidade” dos filmes em 3D é de discutir. provavelmente o grande problema seja o tempo que demora pra “render” os filmes que são feitos em 3D… demora se muito tempo!!!!

    fora outros fatores que influenciam em uma qualidade melhor do filme!

    mas com certeza vão achar uma maneira de suplir ou ajustar essa perda na qualidade da luminosidade dos filmes 3D.

    obs::: creio que o 2D nao tenha morrido! tem bastante animacao em 2D sendo produzida!
    e cá entre nós….2D é punkkkk!!!!
    rs

    Abracos a todos!

    junior vaka!

  2. Junior Vaka disse:

    É realmente o questao da “luminosidade” dos filmes em 3D é de discutir. provavelmente o grande problema seja o tempo que demora pra “render” os filmes que são feitos em 3D… demora se muito tempo!!!!

    fora outros fatores que influenciam em uma qualidade melhor do filme!

    mas com certeza vão achar uma maneira de suplir ou ajustar essa perda na qualidade da luminosidade dos filmes 3D.

    obs::: creio que o 2D nao tenha morrido! tem bastante animacao em 2D sendo produzida!
    e cá entre nós….2D é punkkkk!!!!
    rs

    Abracos a todos!

    junior vaka!

  3. MARCOS FERRAREZI disse:

    PREZADO CALIL, PARABENS OTIMA MATERIA

  4. Sergio disse:

    O problema não está no 3D e sim nas produções pois se todos os filmes em 3D fossem do mesmo nível de Avatar e não como estão sendo lançados hoje com imagens em 3D de péssima qualidade, estaríamos vivendo hoje um “boom”do cinema em 3 dimensões, acontece que a indústria do cinema quer levar vantagem, mas o público que ainda vai ao cinema não é bobo e sabe ser crítico para não embarcar em falsas promessas de diversão em 3D.

  5. Carlos N Mendes disse:

    Morte por decreto, só em ditaduras. E lembrando, os cemitérios estão cheios de “mães Dinás”.

    • francisco disse:

      Genio, ditaduras só em Cuba e na Venezuela e mais Mãe Diná
      também erra.

  6. Luiz disse:

    Quem vê um filme em 3D, dificilmente quer ver o 2D de novo.

    • eu vi avatar em 3d e realmente foi uma experiência fascinante. mas você está sendo radical ao falar que quem vê 3d dificilmente quer ver 2D de novo.
      não são apenas as imagens que sustentam o cinema. entre outras coisas você precisa de um enredo, de um bom diretor, atores engajados e conscientes de seus papéis… e precisa embarcar na viagem para qual o filme te convida a fazer. não se precisa de 3D para isso.
      alguém falou aqui: 2D é punk!!!

  7. Monalisa disse:

    Avaliações técnicas à parte, mui particurlamente, acredito que no Brasil o preço possa influenciar as exibições em 3D. O ingresso de um filme em 2D é simplesmente a METADE do valor e em alguns filmes a diferença nos efeitos nem é tão grande que justifique esta diferença.

  8. Essa queda revela o que vc disse em algum post anterior, dos filmes “transformados” em 3D pra gerar buzz de público. Tão colocando óculos pro povo usar, mas esquecendo do real sentido do óculos.

  9. Ricardo Calil,

    Tem gente que acredita que o futuro do cinema é o 3D. Uma autêntica estultice.

    Seu filme “Uma Noite em 67” feito junto com Renato Terra trabalha em cima de imagens que supostamente já conhecíamos. Mas é esse “nós” é para uma geração mais velha. E no entanto ele é brilhante. Amei o filme. Vou ver de novo e levar um amigo que também vivenciou aquela noite inesquecível pela TV.

    Ao mesclar com muito talento imagens do arquivo da Record com as canções finalistas na íntegra, entrevistas nos bastidores e depoimentos atuais tem-se um painel muito expressivo da grandeza da cultura popular brasileira. E nada mais distante da tecnologia 3D do que seu filme. As imagens de arquivo estão um tanto gastas e no entanto ainda nos provocam grande emoção. Logo o 3D é um caminho possível para o Infinito Cinema, me valendo de uma expressão de Ely Azeredo.Jamais será o caminho como alguns preconizaram.

    Comovido com o seu filme, o abordei no meu Blog
    http://pelaluzdosmeusolhos.blogspot.com/ no post
    DOMINGO, 1 DE AGOSTO DE 2010
    Uma Noite em 67, Um Disco Voador Identificado que Passou em Minha Vida.

    Quando tiver um tempinho em sua vida que sei que é muito atribulada, leia o que escrevi. Tomara que você goste como eu gostei de escrever. Se gostar do texto recomende aos amigos. O mesmo digo aos seus leitores fiéis, entro os quais me incluo, admirando sua grande versatilidade em termos de conhecimento de audio-visuais nos seus mais variados temas.
    Parabéns pelo grande filme que fez com Renato. Que “Uma Noite em 67” tenha muito sucesso. Aguardo com ansiedade o lançamento do DVD pois dever haver muita coisa boa que saiu na edição final, como depoimentos de Marília Medalha, espero. Aliás, por onde anda Marília? Continua cantando?

    Abraços,
    Nelson

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo