Publicidade

Publicidade
27/08/2010 - 09:50

A miséria está em falta no cinema brasileiro

Compartilhe: Twitter

Conversa informal com um amigo cineasta. Ele conta que viajou ao interior do Piauí e Ceará para procurar locações para seu novo longa, um filme de época passado em um Nordeste miserável, na primeira metade do século passado. Ao chegar lá, ele se depara com um problema inédito: não há mais miséria para ser filmada.

Longe de qualquer capital, as cidades e vilarejos da região prosperaram de uns anos para cá, as casas estão menos precárias, as pessoas se sentem eufóricas, o pouco dinheiro que vêm ganhando fez enorme diferença em suas vidas.

O mesmo cineasta passou pela mesma região dez anos atrás. Disse que no passado era moleza arranjar uma locação com aparência miserável. Hoje essas cidades já não servem como cenário para seu filme. Ele vai ter que ir a lugares ainda mais inóspitos para conseguir filmar.

Deve ser por isso que o Serra usa uma favela cenográfica em seu programa. Mas o horário eleitoral gratuito é outro assunto – e eu voltarei a ele no próximo post.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

12 comentários para “A miséria está em falta no cinema brasileiro”

  1. fábio disse:

    …………………………………………………………………………………………………
    …………………………………………….É,
    ………………………………………….Calil,
    …………………………………………………………………………………………………
    ….entendeu por que o pres. LULA tem 95% de aprovação?!
    …………………………………………………………………………………………………
    ……………………………………E por isso,
    ………………………………………….. a
    ………………………….. famigerada imprensa
    …………….que não mostra ABSOLUTAMENTE nada
    …………………..deste progresso do povo brasileiro,
    …………………………………pelas MÃOS DELE,
    ……………………….está totalmente desacreditada.
    …………………………………………………………………………………………………
    ………………………………….O Zé pedágio,
    …………………………….é apenas um sub-produto
    ……………….dessa imprensa,….ele NÃO existe sem
    …………………………………….essa máfia.
    …………………………………………………………………………………………………
    …………………………….Ele,….. é só um ,….blefe.
    …………………………………………………………………………………………………
    ……………………………Isto o país todo já sabe.
    …………………………………………………………………………………………………
    …………………………………Menos,……vocês,
    …………………………………………………………………………………………………
    …………………………………….”jornalistas”.
    …………………………………………………………………………………………………

  2. Fabrício Santos disse:

    Calil, primeiro, parabéns por “Uma noite em 67”, bom filme de se ver e conversar sobre em mesas de bar.

    Sobre esse post, em janeiro desse ano fiz uma viagem por Ceará, Piauí e Maranhão, sempre por terra, por dentro das cidades. Minha impressão foi a mesma de seu amigo, não vi miséria. Moradias simples mas novas, dinheiro circulando e tal, as pessoas bem. A exceção, infelizmente, foi o Maranhão. Lá há pobreza brava ainda, há gente pedindo comida em beira de estrada. O Maranhão dos Sarney é a última fronteira.

  3. Douglas disse:

    Calil,

    Claro que as coisas tão melhores, mas não sei se cineastas em busca de locação são uma boa régua tão melhor que o índice big mac, por exemplo. A gente tradicionalmente vai para as beiradas de qualquer fenômeno, por razões óbvias. A beirada do Saara, pra filmar as dunas bonitas e práticas de Merzouga. As beiradas dos bolsões de miséria daqui pra filmar os pobres. A miséria diminuiu alguma coisa, sim, claro, e por conta disso a Dilma tá com a merecida onda que tá, mas ainda existe sim miséria suficiente pra matar qualquer otimismo. Ela só foi empurrada mais pra diante, pra grotões mais grotões ainda. Tá encolhendo mas vixe, inda é grande, ela.

  4. Priscila disse:

    Calil, estive em Campina Grande (PB) para gravar matérias sobre o “Maior São João do Mundo” e acabamos entrevistando muitas pessoas que falavam exatamente isso. Constatei: 1) O pobre que temos no nosso imaginário, aquele da Globo e dos filmes não existe mais (ou pelo menos não em abundância); 2) o próprio nordestino tá lutando com unhas e dentes para desfazer essa imagem mítica e se orgulham de dizer que “aqui não tem mais matuto não, por onde a gente anda tem eletricidade, a notícia da cidade se vê na televisão” (trecho de uma música de Capilé); 3) vi meninas tão “grifadas” em Campina Grande quanto no shopping Morumbi aqui em SP. De verdade? Me senti mal por tamanho desconhecimento e preconceito que temos. Tb me senti mal pq percebi que nessa ânsia de negar o passado miserável, negam tb a cultura local/popular. Minha matéria poderia facilmente ter virado um documentário, hehe… Falando nisso, parabéns pelo maravilhoso “Uma Noite em 67”. Vi, revi, levei a família e todos cantamos e recomendamos. Acho que teríamos que ter “Uma Noite em 68”, 69, …

    • fábio disse:

      …………………………………………………………………………………………………
      ………………………………….”Priscila”..!?
      …………………………………………………………………………………………………
      ……………………………….A parte RUIM,
      ……………….desse progresso todo no nordeste
      ………………………..é levada pelas famigeradas
      ……………………TV GLOBO, BAND, SBT e outras
      …………………………………..aberrações
      ……………….que usam de graça o nósso espectro.
      …………………………………………………………………………………………………
      ………….Tanto a imprensa que esconde tudo que é
      ………………………revolucionário neste governo,
      ……………………………………quanto os,
      …………………… “pogrãmas” de entretenimento
      ……………..só levam valores estúpidos, modismos
      ……………………………..preconceito e status
      ………….a cabeça de crianças,..adolescentes e jovens,
      …………………..dando este resultado que você viu
      ………………………………….pessoalmente.
      …………………………………………………………………………………………………
      …………………………………………Enfim,
      …………………………………………………………………………………………………
      ……………..chega dessa máfia nas comunicações,
      ………………………Cristina Kichiner já começou
      ……………………………a revolução na argentina,
      …………………..NÓS,……. vamos começar a nóssa.
      …………………………………………………………………………………………………

      …………………………………………………………………………………………………

  5. jurema disse:

    Em reportagem na sua nova série intitulada “Jornal Nacional no Ar”, o principal noticiário da Globo mostrou, esta semana, uma cidadezinha do interior pernambucano de nome Igarassupe. Pois bem: lá, dos 14 mil habitantes, 12 mil vivem do Bolsa Família.
    Aí, eu pergunto: é algo do qual devemos nos ufanar ou dado que deveria nos preocupar profundamente? Huum!

    • Richard Ayres disse:

      Não costumo responder a comentários, mas como a informação sobre a população total de Igarassu (PE) está errada, vou corrigir.

      Segundo o IBGE, com o Censo de 2007 como base, a população total de Igarassu é de 100.191 pessoas. Mesmo com esse número você pode achar que é muita gente vivendo com o bolsa família. É um direito seu. Mas agora a informação é a correta. Além disso, um dos motivos (não o único) da diminuição da pobreza é exatamente esse benefício. Você pode até não gostar dele, mais isso é um fato.

      Segue o link do IBGE, seção CIDADES@ se quiser conferir esta informação: http://www.ibge.gov.br/cidadesat/topwindow.htm?1

      Um abraço,

      Richard Ayres

  6. kylderi disse:

    Moro em Fortaleza e por aqui há miséria, sim; lembrem-se que Garapa, de José Padilha, foi gravado no CE, capital e interior. Resta saber que tipo de locações esse camarada quer, como do livro O quinze, por exemplo?

  7. fábio disse:

    …………………………………………………………………………………………………
    ……………………………………….Pessoal,
    …………………………………………………………………………………………………
    …………….não precisa ir pro nordeste prá ver miséria.
    …………………………………………………………………………………………………
    ………………..Sun Paulo,….é um,….. MAR,…. de MISÉRIA.
    …………………………………………………………………………………………………
    …………………………..Seja em qualquer região,
    …………………………zona leste,………sul,………..oeste.
    …………………………………………………………………………………………………
    ………………………………..Sete anos e meio
    ……………………………..não dá prá ERRADICAR,
    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………………………………….500 anos
    …………………………………………………………………………………………………
    …………….de escravidão,……subserviência,…….corrupção,
    ……………………………cinismo,……………….podridão,
    …………………………………………….enfim,
    ………………….dos canalhas que sempre dominaram
    …………………………………….e ainda dominam.
    …………………………………………………………………………………………………
    …………………………………….O Zé pedágio,
    ……………………………….aqui em sun paulo,
    ……………….completou o DESMONTE das estruturas
    ………………………………………..do estado,
    ………………………………..DESCARADAMENTE,
    ………………………com TOTAL apoio da imprensa.
    …………………………………………………………………………………………………
    ………………………….E esta tragédia é vendida
    …………como o,…….. “ESTADO MUDÉRNO da tucanalha”.
    …………………………………………………………………………………………………
    ………………………As pessoas morrem a MINGUA
    ……………………………nos hospítais estaduais,
    …………………………………………nas ruas,
    …………………………………escolas detonadas,
    …………….os empresários bandidos,…se apossaram
    ………………..das verbas públicas e dos mecanismos
    ………………………..de “terceirização” acumulando
    ……………………………………fortunas privadas
    …………………………em cima da população póbre.
    ………………………………………………………………………………………………… ……………………….Nem na época do golpe de 64,
    ………………..o banditismo foi tão grande como agóra.
    …………………………………………………………………………………………………
    ………..Só que de todas as máfias,…a imprensa é a mais
    ………………………………………..”organizada”.
    …………………………………………………………………………………………………

  8. Welington Liberato disse:

    Viajei pelo interior de MInas e Goiás, retornando à minha cidade natal, São Francico, de onde saí há 30 anos e para onde não volto há quase dez. Fica no noroeste de Minas. O que constatei: as estradas melhoraram enormente, reformadas ou em reforma, e dos 2.600 km que percorri (ida e volta) apenas 50 km não estavam asfaltadas. Saí com medo por causa das matérias na tv sobre as rodovias federais e fiquei positivamente surpreso. Passei em Uberlândia, Pirapora, Brasíila, Montes Claros, São Francisco e Urucúia. Urucuia era uma vila sem luz elétrica, tv, escolas. Hoje tem tudo isso e os jovens fazem faculdade nas cidades vizinhas, talvez pelo PROUNI. Em nenhuma dessas cidades vi pedintes (coisa comum antigamente) e miséria. Todos melhoraram de vida de dez anos para cá. Há muito a ser feito mas estamos no caminha certo. FHC também teve seus méritos ao introduzir a responsabilidade fiscal e ser um político responsável (pecou pela visão elitista) mas a estrela brilhou mesmo para Lula – e esse cara naceu com C. virado pra lua. Lula mirou o bem estar do povo e focou nisso seu governo, misturando capitalismo empreendedor com estado forte investindo no social.

  9. andre disse:

    De férias da minha Especialização em Direito Empresarial na Gama FIlho-RJ, estou no Nordeste… Nascido no Recife, fui na minúscula Riacho das Almas, terra dos meus pais que visitei a última vez havia 8 anos. Também tive a mesma impressão:
    1 – Do sítio onde o meu avô subsistia tirando água de um “barreiro” sobrou só a sede e a cacimba, pois virou um loteamento popular. Água encanada e luz chegou para todos.
    2 – Já existe até prédios de 5 andares que abriga uma nova classe média que descobriu a vocação de fornecer material para a indústria de jeans de santa cruz do capibaribe, a +- 50km de distância;
    3 – Muitos parentes retornaram de “Sumpaulo” para aproveitar o revigoramento da economia.
    4 – muitos mais exemplos pude observar da revolução que o país passa e que, infelizmente a mídia empenhada na candidatura Serra não mostra.
    antonio vasconcelos matarazzo

  10. waldirmurata disse:

    E por falar na IVETE SANGALO, que vergonha hein? A Ivete não passou de uma plhaça no MSG. Ela queria ser conhecida internacionalmente, mas o público que compareceu só foi o povo brasileiro e mais, público baiano. É mole??????Ela parecia uma palhaça de circo. lamentável.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo