Publicidade

Publicidade
21/09/2010 - 08:27

Um tributo a Bill Murray

Compartilhe: Twitter

Que Bienal de São Paulo, que nada. A exposição que eu realmente gostaria é mais modesta e está muito mais distante: “Mr. Bill Murray”, na R&R Gallery, de Los Angeles. É isso mesmo que você está pensando: uma exposição dedicada ao grande comediante americano, que completa 60 anos nesta terça-feira, com 50 obras inspiradas em sua vida e obra. Por que Bill Murray? “Porque ele é o cara mais fodão do mundo”, responde o curador C.W. Mihlberger, com uma frase que talvez fosse classificada como “naif” por seus colegas de profissão. “Por que não?”, completa Mark James Yamamamoto, o outro curador.

Para mim, os argumentos são suficientes. Murray é o maior comediante americano em atividade (embora, de uns anos para cá, em baixíssima atividade). E olha que a comédia americana vive uma grande fase, com talentos como Will Ferrell, Steve Carrell e Jack Black. Mas, para arrancar uma risada, esses caras precisam mexer absolutamente todos os músculos de seus corpos. Murry só tem que levantar uma sombrancelha.

Ok, talvez seja pouco para justificar uma exposição. Então a rara – e ótima – entrevista que Murray concedeu à “GQ” no mês passado ajuda a lhe dar um sentido. Como escreve Dan Fieraman, “a vida toda dele é uma obra de arte performática – feita para o público de uma única pessoa”, o próprio Murray. O ator nunca quis jogar o jogo hollywoodiano: não tem agente, não doura a pílula em suas declarações sobre seus colegas, tem apenas um telefone 0800 onde as pessoas deixam recados com convites para filmes – no caso raro de interessá-lo, ele liga de volta.

No final da entrevista, ele confirma um dos muitos boatos que circulam sobre seu comportamento. Durante muitos anos, ele chegava por trás de desconhecidos em Nova York, tapava seus olhos e desafiava: “Adivinha quem é”. Quando o sujeito reconhecia Murray, ele terminava dizendo: “Ninguém jamais vai acreditar em você”. Difícil algum artista da Bienal superar essa.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

14 comentários para “Um tributo a Bill Murray”

  1. fábio... disse:

    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………………………………………………………………………………………..
    …………………………….CARA,……qui dimais…..!!
    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………………………………………………………………………………………..
    ……….Calil,…a última frase do teu texto é,…”ANTOLÓGICA”.
    ………………………………………………………………………………………………..
    …………….Demorô,..heim,……..prá por um cara que vale
    ………………………………………..A PENA,
    ……………………………………mas você pôs.
    ……………………………………………………………………………………………….
    …………………………….Valeu minha terça feira.
    ……………………………………………………………………………………………….
    ……………………………….ARRASÔ,…..CALIL.!
    ……………………………………………………………………………………………….

  2. João E A M disse:

    Conheço o trabalho dele desde 1981, quando substituiu Chevy Chase no programa Saturday Night Live, também com John Belucci, Dan Ackroyd e outros. Todos pioneiros em um estilo de humor repetido até no Brasil. Nada tão bom, nem mesmo as “gerações” do SNL que os sucederam.

  3. Jonass disse:

    Sim

  4. ze disse:

    Um bom filme dele: “Não tenho troco”.

  5. Formigao disse:

    tambem gosto da atuacao desse ator. Vi varios filmes e sempre me diverti muito. Ri muito.

  6. ivana santos disse:

    esse bill é louco ……………..kkkkkkkkkkkkkkkkkk

  7. george disse:

    Mesmo em “baixa atividade”, só a pontinha dele em “Zombieland” já coloca no chinelo todos os humoristas em atividade, inclusive os que você citou.

  8. Geraldo disse:

    Taxar Bill Murray apenas como comediante é um descrédito, ele já provou como ator ser bem mais que comediante, é um grande ator, único no seu estilo de interpretação.

  9. Pedro Carvalho disse:

    Salve Ricardo!

    Curti muito o texto, também sou fã so Bill Murray. Tem um dele que gosto especialmente, “Feitiço do Tempo”. A mistura do patético com drama, tudo embalado pela absolutamente repetitiva “I got you, baby” formam algo fora do comum.

  10. marcelo disse:

    Concordo plenamente contigo, Ricardo. Certa vez, lendo uma resenha do espetacular “Três é Demais”, li aquela que seja talvez a melhor definição sobre ele: “Bill Murray é o melhor ator mais mal aproveitado de Hollywood”…

  11. Karina disse:

    Putz, Ricardo, não faz mais isso. Colocar a foto do Bill com data em baixo? Que sacanagem… Quase precisei de desfibrilador achando que, bom, deixa pra lá. Vou lá assistir Rushmore e fazer meu tributo pessoal a ele.

  12. […] por Ivan Reitman e protagonizada por Bill Murray, Dan Aykroyd, Sigourney Weaver e Harold Ramis, a comédia narra as aventuras de um grupo de […]

  13. […] por Ivan Reitman e protagonizada por Bill Murray, Dan Aykroyd, Sigourney Weaver e Harold Ramis, a comédia narra as aventuras de um grupo de […]

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo