Publicidade

Publicidade
29/09/2010 - 16:09

Arthur Penn revolucionou o cinema americano

Compartilhe: Twitter

Arthur Penn teve uma carreira de sucesso na televisão, no teatro e no cinema. Há quem diga até que ele mudou o curso da história mundial, ao dar conselhos para John F. Kennedy nos debates televisivos contra Richard Nixon pela presidência americana em 1960. Coisas simples, que hoje são regra, como olhe direto para a câmera e dê frases curtas e incisivas. Mas que ajudaram a fixar o contraste de Kennedy em relação ao prolixo e evasivo Nixon.

Mas se Penn – que morreu nesta terça-feira, aos 88 anos – tivesse feito apenas “Bonnie & Clyde – Uma Rajada de Balas” (1967) sua passagem pela Terra já estaria mais do que justificada. Este foi o filme que importou para o cinema americano a sensibilidade e a liberdade da nouvelle vague francesa (aliás, o primeiro nome a ser cogitado pelo astro Warren Beatty para dirigir o filme foi o de François Truffaut).

Depois da recusa do francês, Penn também relutou, ressabiado com alguns fracassos anteriores no cinema. Mas decidiu aceitar quando Beatty lhe garantiu o corte final do filme. Isso permitiu a Penn fazer um filme com uma carga de sexualidade e violência até então inéditos no cinema americano, sem falar na sua absoluta liberdade narrativa.

O sucesso de “Bonnie & Clyde” deu um norte para o combalido cinema americano da época, abalado pelo fim do sistema de estúdios. E abriu as portas para outros jovens cineastas criarem filmes autorais. Nomes como Martin Scorsese, Francis Ford Coppola, Robert Altman, Dennis Hopper, Terrence Malick, Bob Rafelson, Mike Nichols, Hal Ashby. Uma turma muito bem retratada no livro “Como a geração sexo-drogas-e-rock’n’roll salvou Hollywood”, de Peter Biskind.

Foi uma das melhores épocas do cinema americano, talvez a mais livre de todas. E só foi possível graças a “Bonnie & Clyde”. Depois, com o advento de blockbusters como “Tubarão” (1975) e “Star Wars” (1977), o cinema comercial foi encaretando lenta e decisivamente, nos EUA e no mundo, e os filmes pequenos e sofisticados de Penn e outros foram perdendo espaço.

O cineasta americano fez belos filmes antes e depois de “Bonnie & Clyde”, como “O Milagre de Anne Sullivan” (1962) e “Pequeno Grande Homem” (1970). Também teve uma trajetória relevante em televisão e teatro. Mas o reconhecimento a sua obra nunca chegou perto ao de “Uma Rajada de Balas”. Seu último trabalho lançado no cinema foi “Inside” (1996). O fato de ele ter ficado 14 anos sem dirigir um filme, mesmo que em boas condições de saúde, é bastante sintomático das mudanças do cinema americano.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

2 comentários para “Arthur Penn revolucionou o cinema americano”

  1. fábio... disse:

    …………………………………………………………………………………………………
    …………………………………………………………………………………………………
    ……………………………….” Arthur,……… Penn “….?!
    …………………………………………………………………………………………………
    …………………………………………………………………………………………………
    ……………………………………..Engraçado…….?!!!
    …………………………………………………………………………………………………
    …………………………………………………………………………………………………
    ………………………Olho todos os,…”blógs” de cinema,
    ……………………………………….em pleno
    …………………………………………………………………………………………………
    ……………………..” FESTIVAL DO RIO de JANEIRO ”
    …………………………………………………………………………………………………
    …………………………………..e,…….. nenhuma,
    …………………………………………………………………………………………………
    ……………………………………….nenhuma,
    …………………………………………..linha,
    ……………………………………..de nenhum,
    ………………………………………….”crítico”,
    …………………………………….sobre o “filme”
    ……………………………………………..do,
    ……………………………………….famigerado
    ………………………………………..colonista,
    …………………………………………………………………………………………………
    ……………………………………” Arnaldo Vapor”.
    …………………………………………………………………………………………………
    ………………………………………………………………………………………………..
    ……………………Absolutamente,…………………..nada.
    …………………………………………………………………………………………………
    ………………………………………………………………………………………………..
    ……………………………..Estranho,….né,…..Calil?
    …………………………………………………………………………………………………
    …………………………………………………………………………………………………
    ……………….Você,………..tem,………..algum,……….”.palpite”…?
    …………………………………………………………………………………………………
    …………………………………………………………………………………………………
    …………………………………………………………………………………………………
    ………..Ou,….tá com medo……..de,……..”pagar”,……algum,
    …………………………………………………………………………………………………
    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………………………………………………………………………………………..
    ……………………………………… “mico” ?
    …………………………………………………………………………………………………

  2. Ademário disse:

    Prezado Calil,
    Mas o filme dele que mais me emocionou foi ‘O Pequeno Grande Homem’. Um flime notável e talvez uma das melhores performances de Dustin Hoffmann.
    Abraços

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo