Publicidade

Publicidade
25/10/2010 - 23:35

Wenders foi um semideus do cinema, hoje é mortal

Compartilhe: Twitter

Wim Wenders é um dos grandes nomes desta edição Mostra Internacional de Cinema em São Paulo. Ele assina um dos cartazes do evento, expõe suas fotografias no Masp e exibe três de seus filmes (“Paris, Texas”, “Asas do Desejo” e a versão do diretor para “Até o Fim do Mundo”, com quase cinco horas de duração). Mas, por mais que ele seja um monstro do cinema, não deixa de ser melancólico acompanhar sua passagem por São Paulo. Poucos cineastas tiveram mudanças tão drásticas de status ao longo de suas carreiras quanto Wenders. Vinte anos atrás, ele era um semideus, a grande esperança branca do cinema autoral. Hoje, é um reles mortal.

É uma trajetória parecida com a de Damiel (Bruno Ganz) de “Asas do Desejo”, personagem e filme mais célebres da obra de Wenders: um anjo que se torna humano. Com a diferença que, no filme, a transformação de Damiel é desejada, para consumar o amor por uma trapezista. Já a mudança de Wenders parece antes um descaminho. Justamente depois de “Asas do Desejo” (1987) sua obra saiu do trilho para nunca mais voltar – com a exceção do documentário “Buena Vista Social Club”, cuja força reside antes nas músicas e nos personagens retratados do que nas mãos do diretor.

Chega a ser covardia comparar a primeira metade da obra de Wenders – com trabalhos brilhantes como “Alice nas Cidades”, “O Estado das Coisas” e “Paris, Texas” – com a segunda – com abacaxis domo “Tão Longe, tão Perto”, “O Hotel de 1 Milhão de Dólares” e “O Fim da Violência”. De certa forma, a exibição da versão do diretor de “Até o Fim do Mundo” na Mostra foi uma oportunidade de fazer uma revisão do período mais recente de sua obra, de dar uma segunda chance mesmo.

Para todos que conhecem o potencial de Wenders, existe uma torcida para que ele inicie uma nova etapa de sua carreira. Afinal, ele é novo, tem apenas 65 anos. Se ele for longevo como Manoel de Oliveira, dá para esperar mais algumas décadas de bom cinema.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

2 comentários para “Wenders foi um semideus do cinema, hoje é mortal”

  1. fábio... disse:

    …………………………………………………………………………………………………
    …………………………………………………………………………………………………
    ……………………………..Quem,…. sabe,…. alguém
    ……………….aqui no Brasil,……não convida ele prá dirigir,
    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………………………….” NOSSO LAR ll “.
    …………………………………………………………………………………………………
    …………………………………………………………………………………………………

  2. Amando Wenders disse:

    Ainda bem que tem as obras primas desse deus… elas são a prova de sua deusalidade (rrsrrrsrsrsrsrr)

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo