Publicidade

Publicidade
07/02/2011 - 23:43

Prós e contras de “Cisne Negro”

Compartilhe: Twitter

Dentro do meu limitado universo de amigos, as opiniões sobre “Cisne Negro” estão radicalmente divididas. Os amigos críticos não gostam e acham que o diretor Darren Aronofsky é uma besta. Os não-críticos amam e garantem que o cineasta é gênio da raça.

Já eu gosto do filme sem amar. E acho que Aronofsky não é besta, nem gênio, muito pelo contrário. Ele já fez bem melhor (“O Lutador”) e muito, mas muito pior (“A Fonte”).

Para mim, as virtudes e defeitos de “Cisne Negro” estão igualmente divididas. Ao transformar a montagem do balé “O Lago dos Cisnes” em um filme de terror psicológico, ele se sai bem na parte de terror e mal na psicologia.

Como já havia demonstrado em “Réquiem para um Sonho”, Aronofsky é um diretor com uma fértil imaginação visual. Os delírios/pesadelos da bailarina Nina (Natalie Portman) são inventivos e perturbadores.

Mas a explicação para seu colapso nervoso é psicologia das mais baratas. O diretor da companhia (Vincent Cassel) repete tantas vezes que Nina precisa encontrar seu lado mais obscuro para interpretar o cisne negro que por vezes parece que estamos vendo um remake de “Star Wars” ambientado no mundo do balé.

E o fato de a mãe de Nina ser uma bailarina frustrada que deposita suas esperanças na filha é quase uma aula de Freud for dummies.

Aronofsky já mostrou que se dá melhor com uma narrativa árida e realista como a de “O Lutador”, que não lhe permite se perder com esses psicologismos, nem exagerar nas firulas estéticas.

O que fez a minha balança pender para uma avaliação positiva do filme foi a Natalie Portman. Sua interpretação torna “Cisne Negro” uma experiência verdadeira e visceral. Entre meus amigos, críticos ou não, Portman é a única unanimidade.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

29 comentários para “Prós e contras de “Cisne Negro””

  1. Alexandre disse:

    Nossa, que comentário mais pueril e pretensioso….chatice…parece leigo falando de física quantica kkkkk
    É um trabalho sublime, feito com muita propriedade e verdade.Mais do que questoes freudianas, psicanalise ou terror psicologico, o filme toca em questoes muito mais relevantes e interessantes. É um mergulho na alma de quem faz arte…nos medos e anseios de quem vive constantemente o desafio de recriar o prosaico e reiventar o belo. Metafime, com uma interpretacao arrepiante da Natalie Portman que como Nina ou excelente atriz que é sangra a perfeicao de quem realmente é apaixonado pelo oficio e pelo HOMEM….

  2. cecilia lara disse:

    o inacio não gostou da natalie.

  3. Marcos disse:

    “por vezes parece que estamos vendo um remake de “Star Wars” ambientado no mundo do balé.”

    Discordo. “Star Wars” tem muito mais densidade psicológica que esse filmeco do Aronofski. Compare os conflitos pai-filho da história de Luke Skywalker com o trauma de botequim da protagonista de Cisne Negro. Não sobra nada pro Arô. Que sabe filmar como ninguém, mas tem que sair do jardim da infância narrativo e começar a entender que o mundo é um pouquinho mais complexo.

  4. thiago disse:

    Sei não, acho que você tá exigindo complexidade psicológica demais de um filme com uma história simples. As vezes um charuto é só um charuto mesmo.

  5. Marcinha disse:

    Acho que vc precisa dosar mais “Cisne Branco” com esse seu CISNE NEGRO….
    O filme é excelente… mostrou de uma forma simples , usando muita simbologia, o que a gente tenta aprender a vida toda…
    Mostra como é bom sair fora dessa hipocrisia toda que tem nossa sociedade….
    Quero mais botar meu cisne negro pra fora e ser feliz kkkkk

  6. Antônio Rocha disse:

    Caro Ricardo,
    Discordo de sua opinião. Achei o filme brilhante, assim como O Lutador e, sobretudo, Réquiem por um sonho. Mais uma vez o diretor Darren Aronofsky nos brinda com algo de categoria e como o Oscar não passa de uma marmelada à americana, creio que O Discurso do Rei deverá ganhar como melhor filme. Não que este seja um filme ruim, mas trata de uma história muito simples e sem grandes emoções. Cisne Negro nos prende do começo ao fim, não só pela esplêndida atuação de Natalie Portman, mais uma vez brilhante, mas também por todo o terror psicológico da personagem central, todos os seus delírios e toda a trama. A transformação em cisne negro foi algo incrível.

  7. Cássia disse:

    Dois dos melhores críticos brasileiros (Ana Maria Bahiana e Pablo Villaça) são apaixonados pelo filme. Realmente, você se refere aos seus amigos, quando deveria ir além antes de tecer comentários, especialmente para um crítico.

  8. Aroldo Barbosa disse:

    Ricardo

    Acho a sua critica bastante pertinente. O roteiro do filme não é nada original, realmente o que salva é a atuação da Natalie Portman, um excelente interpretação, a qual faz merecedora do Oscar.

  9. li disse:

    Acredito que o mundo retrata , assim como todos os filmes, de maneira caracterizada muitos aspectos interessantes, como psicologa e dançarina acho que o filme explora questoes bem interessantes e talvez seja natural mulheres se identificarem mais com este filme e garotos mais com Star Wars, que também tem seu mérito

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo