Publicidade

Publicidade
04/07/2011 - 18:55

Michael Bay é o cineasta-símbolo do nosso tempo

Compartilhe: Twitter

Qual é o cineasta mais representativo do cinema hoje? Não o melhor, porque isso entra numa questão de gosto subjetiva demais. Mas qual é aquele que representa melhor o tempo em que vivemos – e, por extensão, o cinema de nossa época?

Só dois nomes vêm à minha cabeça: James Cameron, o homem por trás dos maiores sucessos de bilheteria da história (“Avatar” e “Titanic”), e Michael Bay, o sujeito que nos deu blockbusters “Bad Boys”, “Armageddon” e a série “Transformers”.

Entre os dois, dá para cravar sem medo que Cameron é o melhor cineasta. Mas Bay me parece um cineasta mais representativo do que é o cinema hoje.

Os maiores sucessos de Cameron são pontos fora da curva, não lembram muito outros filmes. Dentro do cinema industrial americano, ele é um cineasta à frente do seu tempo.

Já Michael Bay é um homem de sua época. Se você somar seus filmes e depois dividir, o resultado vai ficar perto da média do que é um típico filme de ação hollywoodiano hoje.

Pouco interesse pela trama, pelos personagens, pelas emoções. Muita vontade de estimular a produção de adrenalina com efeitos especiais, volume alto e edição rápida.

Na sessão de “Transformers 3”, que estreou na última sexta-feira no Brasil, eu fiz o exercício de contar o tempo de cada plano no início do filme. Depois de 50 planos seguidos com menos de três segundos, eu cansei.

Como já escrevi, é um tipo de cinema feito por e para pessoas com TDAH: transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. A julgar pelo sucesso da maioria de seus filmes, o número de pessoas afetadas ultrapassa as estimativas mais pessimistas.

Até por encarnar em seus filmes esse que é um dos grandes males do nosso tempo, Bay é mesmo fundamental. Daqui a alguns anos, um curador de mostra irá se dar conta disso e programar uma bela retrospectiva do diretor americano.

Será a chance de redescobrir algumas pérolas de sua carreira, como os clipes que dirigiu para Vanilla Ice, Lionel Richie e Meat Loaf.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

15 comentários para “Michael Bay é o cineasta-símbolo do nosso tempo”

  1. Marco disse:

    Na minha opinião, Michael Bay nem pode ser considerado um cineasta. Trata-se de outra coisa o que ele faz.. Não me pergunte o que é, pois não saberia dizer.
    O incrível é que esse “Transformers” bate recorde de público. Me parece que com o avançar do tempo, com a facilidade que as pessoas tem de se informar, a maior parte do “grande público” prefere chafurdar num mar de imbecilidade jamais visto.
    Tristes tempos. As pessoas não querem pensar. Querem Michael Bay.

  2. gilvas disse:

    o que eu acho mais interessante é que eu normalmente me divertiria horrores com um filme de ação baseado em quadrinhos ou desenhos animados. um pecadinho deste estilo foi the rise of cobra, uma bobagem muito da besta, mas que me divertiu horrores. em transformers, entretanto, eu fico meio travado, não consigo me divertir. é informação demais, muito rápido, muitos quadros, e tudo oco, tudo sem essência. é, ricardo, teu texto chega no cerne da questão: bay é a cara destes anos apressados e coloridos em tons metálicos, da espetacularização nos canais esportivos, da pressa imensa de chegar a algum lugar apenas para sair dele.

  3. Alonso disse:

    160 milhões em 5 dias. O mundo tá perdido.

  4. […] por Michael Bay, "Transformers 3" bateu um recorde da Paramount Pictures. A produção foi a maior abertura […]

  5. […] por Michael Bay, “Transformers 3″ bateu um recorde da Paramount Pictures. A produção foi a maior […]

  6. Ricardo disse:

    Bom, acho que tudo tem o seu lado positivo. Muitos criticam Bay, porém se apenas tivéssemos filmes e diretores dignos de um Oscar, quem faria a nossa diversão? Gente vamos parar de sermos hipócritas, pois sempre existirá filmes para se pensar e refletir, sempre existirá filmes dignos de todos os Oscar, e sempre existirá filmes para se divertir, e é o que Bay faz de melhor, não é sempre que queremos ver um filme sério oe culto. Que graça teria um mundo perfeito? Me desculpem os críticos, mais na minha opinião todo critico é um diretor, ator, escritor, musico, artista frustrado, são pessoas que não conseguiram realizar o desejo de ser um profissional da área, e resolveu criticar o que gostariam de fazer. Sei que serei criticado, mas alguém conseguiria criar o que Bay criou nos 3 Transformers por exemplo? É muito ruim? O que faz então milhões e milhões de pessoas assistirem os 3 filmes? Falta de cultura nos dias atuais? Creio que não seja isto, creio que sejam pessoas que cansaram de escutar o que os frustrados críticos tem opinado. Será que não tem nenhum critico culto que gostou do filme? Crio que há vários porém nem todos tem coragem de falar que gostou de um filme bobo de carros que viram robôs. Critiquem os políticos, estes sim merecem criticas. O mundo perfeito não existe, mais vamos fazê-lo mais divertido.

    • fábio... disse:

      …………………………………………………………………………………………………
      ……………………………………” Ricardo ” ?
      …………………………………………………………………………………………………
      ……………….O Calil não criticou os filmes do “Bay “.
      …………………………………………………………………………………………………
      ………….Ele apenas fez uma “analogia ” da produção com
      …………………………………os tempos de hoje.
      ………………………………………………………………………………………………..
      ……………………………………Foi uma análise,
      ………………………………………………………………………………………………..
      …………………………………………….sem,
      ………………………………………………………………………………………………..
      ……………………………………JUÍZO de VALOR.
      …………………………………………………………………………………………………
      ……………O problema é que os “internautas” como você,
      ……………………………………..não sabem LER.
      …………………………………………………………………………………………………
      ………………….Não sabem INTERPRETAR um texto.
      ………………………………………………………………………………………………..
      …………………….Não tem capacidade de REFLETIR
      ……………………………….sobre o CONTEÚDO
      ……………………………………. que ele postou.
      …………………………………………………………………………………………………
      ………………………………………………Aí,
      …………………………………………………………………………………………………
      ……… vocês começam a escrever ASNEIRAS sem parar
      ………………….e enfiar palavras na BOCA do coitado
      ……………………………………..que não disse
      ……………………………………………..NADA
      …………………………….do que vocês estão falando.
      …………………………………………………………………………………………………
      ……………………………………………..Intão,
      …………………………………………………………………………………………………
      ………………………………………….” quirido “,
      ………………………………………………………………………………………………..
      ………………………….não sei se você estudou na,
      ………………………………………..UNI tali BAN
      ……………..ou qualquer outro CAÇA NÍQUEL disfarçado
      ………………………………………..de faculdade
      ……………………….que o presunto PAULO RENATO
      …………………………multiplicou por nossa nação.
      …………………………………………………………………………………………………
      ………..Mas mesmo que você seja ” fruto ” dessa geração
      …………………………………………..perdida,
      ……………seria muito importante antes de você chamá-lo
      ………………………………………………..de
      …………………………………………” frustrado “,
      …………………você se olhar no espelho e medir suas
      ……………………………………………orelhas,
      …………………………………………..prá cima,
      …………………………..e caso elas alcançem o teto
      ……você poderia voltar prá ” faculdade ” e fazer uma “pós “.
      …………………………………………………………………………………………………
      ………………………………………………………………………………………………..
      …………………………………………..Tipos:
      …………………………………………………………………………………………………
      ………………………….” Os burros não se frustram “.
      …………………………………………………………………………………………………

  7. Ricardo disse:

    Não estou falando do Ricardo, estou falando dos criticos em de um modo geral, e também os belos comentários inseridos aqui, por seus Inteligentíssimos companheiros.
    Alias considero o Ricardo Calil tudo isto mesmo que você falou, os comentários são sempre sem juizo e valor.
    Por acaso você os leu?
    Entendi muito bem o que o Ricardo Calil quis dizer.
    Realmente os borros não se frustram, mais cultos como você são sempre.
    Quanto a faculdade, creio que você deve ter estudado provávelmente em alguma das mencionadas por você, já que as conhece tão bem. E por isto se sente tão ofendido, pois sua cultura é 0.
    Abraços.

  8. Ricardo disse:

    Correção.
    Onde se lê no comentário acima: Realmente os borros não se frustram, mais cultos como você são sempre.

    Corrigo para: Relamente os burros não se frustram, porém cultos como você são sempre chatos e mau humorados. Alías posso até me considerar um burro, pois seus comentários não me frustraram.

  9. […] por Michael Bay, “Transformers 3″ bateu um recorde da Paramount Pictures. A produção foi a maior […]

  10. Mauricio disse:

    Calil, você esta esquecendo que o Cameron já criou um filme cheio de sangue, destruição e planos nervosos. Terminator….

    Em minha concepção de cinema você também deveria ter se lembrado do Ridley Scot. Não me lembro de outro cienasta que tenha criado imagens tão emblematicas quanto ele em seus filmes, com seu foco em exprimir sentimentos e sensações em imagens. São universais e por isso também refletem o nosso tempo.

    Quanto a Michael BAy, me divirto em seus filmes pois me fazem lembrar da infancia brincando com os carrinhos que viravam robots, mesmo que quase sempre o roteiro e as idéas por detras das cenas desapareçam competamente e tudo fique sem pé nem cabeça. O pessoal malha o Transformes 2, porém fazia tempo que não ria tanto em uma sequência como a da chegada do herói à faculdade junto com os pais. A cena da mãe dopada com haxixe é inacreditável! O resto do filme é mesmo uma porcaria.

  11. Chico disse:

    Odeio o Michael Bay

  12. Luciano Menna disse:

    Talvez pudesse entrar o Sam Raimi nessa conversa. Não é tão comercial quanto os dois, mas se destaca como cineasta e como criador de espetáculos.

  13. carlos magno disse:

    De fato não tem como discordar, Bay é a caricatura do cinema norte-americano, e espero que a fase da qual ele é um de seus principais icones termine logo.

  14. Olá Ricardo.
    Confesso que não conhecia o seu trabalho e só descobri sua coluna hoje, mas não consegui parar de ler os textos e me tornei seu fã. Estou a procura de bons textos na internet sobre cinema, até agora eu acompanho apenas alguns sites (como o Cinema em Cena, que adoro) e estou feliz por esta “descoberta”.
    Um grande abraço e parabéns!

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo