Publicidade

Publicidade
06/10/2011 - 09:27

O legado de Steve Jobs para o cinema

Compartilhe: Twitter

Um mês atrás, quando Steve Jobs deixou o comando da Apple, escrevi um artigo sobre alguns de seus ensinamentos que poderiam ser aplicados ao cinema. Além de criador do Mac, do iPhone e do iPad, Jobs foi o sujeito que enxergou o potencial da Pixar quando ela era uma produtora de curtas-metragens e investiu o dinheiro necessário para ela se tornar a melhor e maior estúdio de animação do mundo.

Não esperava escrever sobre Jobs tão cedo. Mas, enfim, as coisas aconteceram rápido demais. Abaixo, republico a maior parte do texto com as lições de Jobs para Hollywood, baseado em publicação do site FlixChatter.

“Eu tenho tanto orgulho do que nós não fizemos quanto do que nós fizemos”.

Ou seja, qualidade é mais importante que quantidade. Quando voltou à Apple em 1996 (11 anos após ser expulso da companhia que criou), Jobs mandou cortar a produção de vários produtos e focar em um pequeno grupo de maior potencial. Já a Pixar fez apenas 12 longas-metragens em 25 anos, mas a bilheteria média deles (US$ 602 milhões) é a maior entre todos estúdios de Hollywood. “A grande vantagem do Steve é que ele sabe que grande negócio vem de um grande produto. Primeiro você tem que acertar no produto, seja um iPod ou uma animação”, diz Peter Schneider, que foi presidente da Pixar.

“Você tem que se guiar pelas ideias, não pela hierarquia. As melhores ideias têm que vencer, caso contrário os melhores funcionários irão embora”.

Por mais que a maioria das pessoas associe Steve Jobs à tecnologia de ponta, o fundamental de seus produtos talvez seja a simplicidade: do uso, do design etc – o que ajuda a explicar o apego de tanta gente a seus produtos. O mesmo vale para a Pixar: embora a companhia
tenha sido a primeira um longa de animação digital, o forte de seus filmes é em geral as ideias, os personagens, a capacidade de se conectar emocionalmente ao público.

Por fim, uma última – e talvez a mais importante – lição de Jobs, que não está no artigo do FlixChatter, mas que roubei do Facebook de um amigo. Perguntado sobre pesquisas de mercado feitas para desenvolver o iPad, Steve Jobs disse:

“Não houve nenhuma, o consumidor nāo tem obrigaçāo nenhuma de saber o que quer”.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

1 comentário para “O legado de Steve Jobs para o cinema”

  1. fábio... disse:

    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………………………………………………………………………………………..
    ……………………………..” A imprensa capácha “.
    ………………………………………………………………………………………………..
    ……………………………………………………………………………………………….
    ……………………………Todo site que você entra
    ……………………é neguinho puxando o saco do tal,
    ………………………………………Steve jóbs.
    ……………………………………………………………………………………………….
    …………………….” …É por que o cara é um gênio “,
    ……………………………………………………………………………………………….
    ……………..” por que ele descobriu o que ninguém viu “,
    ………………………………………………………………………………………………
    …… …………” por que você tem que amá o que você faz “,
    ……………………………………………………………………………………………….
    ……………………………………………..enfim,
    ………………………………………………………………………………………………
    …………………..o cara descobriu que o Marketiiiiiing
    ………( isso que a imprensa idolatra desde os anos 90)
    ………………………………………….não serve
    ……………………………………………………………………………………………….
    ………………………………………………prá,
    ……………………………………………………………………………………………….
    …………………………………pooooorr.. nenhuma.
    ……………………………………………………………………………………………….
    ……………………..Pronto, …..agóra o cara virou DEUS.
    ……………………………………………………………………………………………….
    ………….Ele re-descobriu a RÓDA digital e é um gênio por ……………………………………………..isso.
    ……………………………………………………………………………………………….
    ……………….E os panacas corrém atrás que nem
    ……………………………………um exército de,
    ………………………………………………………………………………………………
    ……………………………..” Marias vai coaszôtras ”
    ……………………………………………………………………………………………….
    ………………………………………em inglês,
    …………………………………………..claro,
    ……………………………………………………………………………………………….
    ……………………………” Marys go with´sóthers “.
    ……………………………………………………………………………………………….
    ………………..Aquilo que o Walt Disney falava e fazia em
    ……………………………………………1939,
    ………………………………agóra é ” novidade “.
    ……………………………………………………………………………………………….
    …………………………………Meu deus do ceú,
    ………..qui qui nós fizemos prá merecer essa imprensa
    ……………………………………………tão
    ……………………………………….tacãnha.
    ……………………………………………………………………………………………….

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo