Publicidade

Publicidade
13/01/2012 - 19:23

Crítica americana rechaça “Lula: Son of Brazil”

Compartilhe: Twitter

“Lula: Son of Brazil”, de Fábio Barreto, não começou bem sua trajetória nos Estados Unidos. Das dez críticas de publicações americanas reunidas até aqui pelo site Rotten Tomatoes, nove foram negativas. “Essa insípida cinebiografia do presidente brasileiro é uma visão burguesa da luta proletária”, atacou a Slant Magazine. “Essa história adocicada sobre a origem do querido presidente reformista deveria ser chamada ‘O Filho da Mamãe’ “, ironizou o “Village Voice”.

Mas nem tudo foi uma tragédia. A única crítica classificada como positiva pelo Rotten Tomatoes foi também a do jornal mais relevante, o “The New York Times”. “Lula: Filho do Brazil” é uma hagiografia desavergonhada que acompanha a ascensão da pobreza à proeminência nacional de Luis Inácio Lula da Silva. (…) É um drama convencional, um tanto raso, mas com uma diferença. (…) Ele surfa numa forte onda de energia e dureza que carrega um sentimento visceral da vida dos pobres e da classe operária brasileira.” Como se vê, é um texto mais ambíguo do que necessariamente elogioso. Mas, em meio à saraivada de críticas, isso já é uma grande vantagem.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

2 comentários para “Crítica americana rechaça “Lula: Son of Brazil””

  1. fabio... disse:

    ………………………………………………………………………………………………..
    ……………………………………………….E
    ………………………………………………………………………………………………..
    ………….sobre a bilheteria,….você tem alguma informação ?
    ………………………………………………………………………………………………..
    ……………………O público tem ido assistir o filme ?
    ………………………………………………………………………………………………
    ………………………………………………………………………………………………

  2. Leandro disse:

    Já era esperado. Essa é a verdade e o Lula não é exatamete um Harrison Ford. A história dele envolve luta, trabalho, sofrimento e personalidade forte. É um tanto irreal, pois se espera que ele tenha sofrido o inumano e depois tornar-se deus.
    Não é isso. Lula é um ser humano comum, mas muito sofrido, que lutou por um futuro melhor, e conseguiu. Simples assim. A história é ‘rasa e sem sal’? Fazer o q, não deu pra inventar assassinatos, mortes e perseguições conspiratórias, para culminar num final dramático e meloso sobre alguém que não existe. =P

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo