Publicidade

Publicidade
19/01/2012 - 12:22

Por que “As Aventuras de Tintim” não deu certo?

Compartilhe: Twitter

Com “As Aventuras de Tintim: O Segredo do Licorne”, que estreia nesta sexta-feira no Brasil, Steven Spielberg conseguiu ser, ao mesmo tempo, fiel aos quadrinhos originais do belga Hergé e à sua própria obra, retomando o clima aventureiro da série “Indiana Jones”. Com seu primeiro filme de animação, ele uniu o futuro e o passado do cinema: as tecnologias do 3D e da captura de movimento com o espírito de matinê dos filmes e seriados de meados do século 20. Não é um feito pequeno, é preciso reconhecer. Então, por que “As Aventuras de Tintim”, longe de ser um filme decepcionante, resulta em uma experiência tão insatisfatória? Arrisco duas hipóteses.

Primeira: as duas marcas principais do cinema de Spielberg são o virtuosismo e o sentimentalismo. E seus melhores filmes são aqueles cujas narrativas não são sufocadas pelo excesso de uma ou de outra dessas características, que chegam a um equilíbrio entre adrenalina e sentimento. Nessa categoria, estão “Tubarão”, “E.T.” e o primeiro “Indiana Jones”. Não vi “Cavalo de Guerra”. Mas, pelo que li de colegas críticos, trata-se de um filme sabotado pelo sentimentalismo. Já “As Aventuras de Tintim” foi prejudicado pelo virtuosismo. Depois de um início promissor, o filme passa a ser ocupado por cenas de correria, brigas e perseguição impressionantes – mas que interrompem qualquer possibilidade de empatia com os personagens. Se existe alguma, ela está mais ligada à memória afetiva dos quadrinhos de Hergé do que ao que se vê no filme de Spielberg. Nesse sentido, “Tintim” está mais próximo de “Parque dos Dinossauros” do que de “Indiana Jones”: uma experiência visualmente avassaladora e emocionalmente nula. A ponto de, na segunda metade do filme, eu me pegar desejando que Spielberg nos oferecesse ao menos uma dose do seu velho e bom sentimentalismo.

Mas alguém poderá dizer: mas não é esse o espírito dos quadrinhos originais? E aí vem a minha segunda hipótese: há um erro conceitual no projeto de Spielberg. Não sou profundo conhecedor do “Tintim” de Hergé. Mas acho que o segredo de seu sucesso entre várias gerações está na capacidade de despertar a imaginação do leitor, algo que tem a ver tanto com o minimalismo de seus traços quanto no exotismo das aventuras, com o fato de seu protagonista desbravar lugares desconhecidos. O leitor de “Tintim”, os quadrinhos, tem espaço para exercitar a imaginação. E, assim, ele se torna o protagonista. O espectador de “Tintim”, o filme, não. Ele assiste ao personagem. Tudo já está entregue pelo filme: personagens animados tão perfeitamente que parecem atores “de verdade”, cenários tão detalhados que as cenas poderiam ter sido filmadas em locações reais. Além da questão do espaço, também não sobra tempo para a imaginação – se levarmos em conta o ritmo alucinante do filme.

“As Aventuras de Tintim” é um videogame em que o espectador não é convidado a jogar, porque o joystick está nas mãos de Spielberg. Deve ser por isso que o filme deixa a sensação de que seu diretor está se divertindo muito mais que o público.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:

Ver todas as notas

14 comentários para “Por que “As Aventuras de Tintim” não deu certo?”

  1. Julio Monteiro de Oliveira disse:

    Hum, o problema me parece bem mais simples: Tin Tin é razoavelmente popular, mas em grande parte é popular por causa de seu traço, que evoca uma nostalgia por outros tempos no leitor. A transformação para 3D provoca a sensação típica de Vale da Estranheza causada por coisas que tem características humanas sem serem humanas.

  2. […] Ricardo Calil: Por que “As Aventuras de Tintim” não deu certo? […]

  3. fabio... disse:

    ………………………………………………………………………………………………..
    …………………………………..MATOU A PAU,
    …………………………………………CALIL.
    ………………………………………………………………………………………………..
    ……Só de ver o trailler, já dá prá perceber a caga.. primaria
    ……………………………………. que você
    …………………………..está colocando na 2ª parte.
    ……………………………………………………………………………………………….
    …………………………………….O Spielberg,
    ………………………….ficou escravo de si mesmo
    ……………………….como “empresário ” de cinema
    …………………………e não consegue ver o ÓBVIO.
    ……………………………………………………………………………………………….
    …………………..Ele matou a GALINHA dos OVOS de
    ………………………………OURO no TIN TIN
    ……………………………………….com a
    …………………………….tecnologia e a grana
    ……………………………..HOLLYWOODIANA.
    ……………………………………………………………………………………………….
    ……………Ele não consegue ver a poesia da aventura
    …………………………..no traço do desenhista
    …………………………e transforma a obra num
    ………………………………” moedor de carne ”
    ……………………………………………3D.
    ……………………………………………………………………………………………….
    ………………………………………………………………………………………………
    …………………………………..É uma pena.
    ……………………………………………………………………………………………….
    ……………..Tanta grana,………tanto tempo, ……..gasto
    ………………………………..pra detonar um
    ………………………CLÁSSICO dos quadrinhos.
    ……………………………………………………………………………………………….
    ………………………………………………………………………………………………

  4. Mario disse:

    É isso aí. Crítico só serve para criticar! O filme é infantil e meu filho de 5 anos adorou o filme.
    Eu o classifico como um bom filme infantil. Parabéns Steven Spielberg e Peter Jackson.

  5. Pedro Ivo disse:

    A

  6. Pedro Ivo disse:

    A segunda hipótese apontada por você me fez refletir, e acredito que seja a mais acertada.

    Assistia avidamente aos desenhos que passava na TV Cultura e posso dizer que esta sensação de despertar a imaginação foi a que mais me marcou. Além de serem aventuras com um timing mais próximo dos quadrinhos.

    O ritmo alucinante desta versão de Spielberg, sem deixar espaço para o espectador se envolver com a história, também me incomodou, o que o faz se distanciar da série “Indiana Jones”, que encontrou a dose perfeita entre ação e emoção.

    Aliás, vindo de um cineasta que é mestre no gênero, esse déficit chega a causar estranheza.

    Verdade que “As Aventuras de Tintim” está longe de ser um filme ruim, muito pelo contrário, é um bom filme. Mas escravo do prórpio virtuosismo.

  7. fabio... disse:

    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………………………………………………………………………………………..
    …………………………………………….Sabe,
    …………………………………” mario ” das 9:37,
    ………………o ” filmi “, ” XUXA e o Mistério da Feiurinha ”
    ………………….. um moooonte de crianças também,
    ………………………………………” gostaram “.
    ……………………………………………………………………………………………….
    ………………………………A ” questã ” não é essa.
    ……………………………………………………………………………………………….
    …………..Tente usar o ” célebro ” só um pouquinho…!
    ……………………………………………………………………………………………….
    ………………….O trabalho do DESENHISTA Belga
    ………………..que deu VIDA em QUADRINHOS ao
    ………………………………….. ” Tim Tim “,
    ……………………………………………………………………………………………….
    …………………………………….NÃO RÓLA,
    ……………………………………………………………………………………………….
    ………………………………………em 3D.
    ………………………………………………………………………………………………
    ………………………………………Por que ?
    ……………………………………………………………………………………………….
    ……………………Por que DESENHO é DESENHO.
    ……………………………………………………………………………………………….
    ……………………………………E 3D é 3D.
    ……………………………………………………………………………………………….
    ………….Se você não achar um DIRETOR DE ANIMAÇÃO
    ………………e uma equipe de ANIMADORES talentosos
    ………………………………………….que
    …………………………………. DESENHEM
    …………………………………..para trazer o
    …………………………………….ESPÍRITO
    …………………………….dos QUADRINHOS
    ………………………………………..para
    …………………………………………..o,
    ……………………………………………………………………………………………….
    ………………………………..MOVIMENTO,
    ……………………………………………………………………………………………….
    …………………………………não adianta.
    ……………………………………………………………………………………………….
    …………..Vai sair este,…” HÍBRIDO ” que o Spilberg fez.
    ……………………………………………………………………………………………….
    ………………………..Não é o,…. Tim Tim do AUTOR
    ………………….e não é o Indiana Jhones do Spilberg.
    ……………………………………………………………………………………………….
    ……………….É mais uma BÓLA FÓRA CARA assinada
    …………………………………….pelo pai do,
    ………………………………………….ET.
    ……………………………………………………………………………………………….

  8. Leandro disse:

    “Pedro Ivo disse:
    20/01/2012 às 11:44

    A segunda hipótese apontada por você me fez refletir,(…)”

    Pedro:
    O que você escreveu de diferente, que não seja cópia do crítico Ricardo Calil? Aliás, você já assistiu o filme?
    Se quisessem que o filme tivesse o mesmo “ritmo” das histórias em quadrinhos, não teriam feito o filme PORQUE DARIA SONO!
    O problema é que tem gente demais falando do que nunca viu, pois duvido que tenha algum adolescente que tenha lido os quadrinhos.

    Repetir igual a um papagaio é facil… difícil é fazer melhor.

    • Pedro Ivo disse:

      Leandro, assiti ao filme sim, numa pré-estréia em Piracicaba, cidade onde resido.
      Senão, não teria me identificado com a opinião do Calil.

  9. fabio... disse:

    ………………………………………………………………………………………………..
    …………………………….”.Leandro ” das 16:50.
    ………………………………………………………………………………………………..
    ………………….A ” questã “,…..não é só de,….. RITMO.
    ………………………………………………………………………………………………..
    …………………………..A questã é a,…. ADAPTAÇÃO
    …………………………da linguagem QUADRINHOS
    …………………………..para a linguagem CINEMA.
    ……………………………………………………………………………………………….
    …………………………………….Ou seja…:
    ……………………………………………………………………………………………….
    …………………………..Você tem que ter um,
    ……………………………………………………………………………………………….
    ……………………………roteirista ESPECIAL,
    ……………………………………………………………………………………………….
    ………………um DIRETOR DE CINEMA ESPECIAL,
    …………( que já está provado que não é o Spilberg )
    ………………………………………………………………………………………………
    …………………um DIRETOR de ARTE ESPECIAL,
    ……………………………………………………………………………………………….
    ……………….um DIRETOR de ANIMAÇÃO ESPECIAL,
    ………………………………………………………………………………………………
    ……………. e uma equipe de animadores ESPECIAIS.
    ……………………………………………………………………………………………….
    ……………………………Aí,…….. sim,……… teríamos um
    ………………………………..LONGA METRAGEM
    ……………………….ADAPTADO dos QUADRINHOS
    ………………………………………….para o
    ………………………………………..CINEMA
    ………………………………….que poderia ser
    ……………………………………………………………………………………………….
    ………………………………………… UM,
    ……………………………………………………………………………………………….
    ………………..CLÁSSICO do CINEMA de ANIMAÇÃO .
    ……………………………………………………………………………………………….
    ……………….E não um CLÁSSICO dos quadrinhos
    ………………………………..transformado em,
    ……………………………………………………………………………………………….
    …………………..PARQUE de DIVERSÕES TEMÁTICO.
    ……………………………………………………………………………………………….

    • eduardo disse:

      Que amargura caro colega. Cada um tem sua opinião. Se vc acha que a produção foi grotesca e ofendeu suas memórias de infância quanto aos quadrinhos, faça algo a respeito! Vá a porta ao estúdio em protesto eu faça sua própria produção ao invés de limitar sua revolta a um blog na internet.
      Spielberg e Jackson são gênios e cada um com uma visão e interpretação..e vc? Oq conquistou?

  10. Hey, que insucesso o quê! Spielberg renovou Tintim respeitosa e honrosamente; retornou essa obra prima ao espaço na mídia.
    Eu, quando criança, amava asaventuras animadas que passavam na TV Cultura. Amáveis, com ação moderada, previsíveis… mas eu era criança. As crianças de hoje estão tendo a chance de conhecer esse ídolo da fantasia na linguagem que elas entendem, na linguagem da sua geração: filmes animados, tridimensionais, videogame-like.

    Você, senhor adulto, que vá alugar ou baixar os episódios antigos e mate suas saudades. Deixe as crianças de hoje curtirem seu entretenimento de hoje. Hoje mesmo.

  11. Aliás:

    vocês críticos, como a maioria das pessoas (me incluo nessa), partem de um pressuposto para avaliar algo. a diferença é em quão longe a imaginação consegue ir nesse ponto. Quem foi que disse, eu pergunto, que lhe garantiu que Spielberg (e até mesmo Hergé) quereria um filme HOJE que seguisse a mesma linha, os mesmos traços ou o mesmo modo de conduzir o enredo? O mesmo das HQ ou da série animada?

  12. Rafael Porto disse:

    Eu, sinceramente, não vi muita vantagem no uso da técnica de captura de movimento. Quando se emula um ser humano, como em Avatar, o processo soa mais realista e necessário.

    Em Tintim, estamos vendo um personagem próprio, com um formato de rosto próprio, caricato, mas com movimentos estranhamente robóticos. A técnica causa estranheza se sobrepõe ao resto do filme.

    Por mim, poderiam ter feito o filme em animação mesmo, como Up, Shrek e outros do gênero. A técnica assumiria o caráter fictício do personagem e daria mais leveza ao filme.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo