Publicidade

Publicidade

17/01/2012 - 21:40

Cinco filmes para ver no lugar do “Big Brother”

Compartilhe: Twitter

Ao longo dos anos, eu já defendi o “Big Brother” neste espaço por várias vezes e diversas razões. Desde ontem, porém, o programa se tornou indefensável.

Sempre fui contra a ideia de que um programa como “Big Brother” não merecia ser analisado, contra o argumento de que era melhor desligar a TV e ler um livro.

Mas, desde ontem, eu concordo: é mesmo melhor alugar um DVD ou baixar um filme. Aí vai minha lista de cinco recomendações para assistir no horário do “Big Brother”.

“Blow Up – Depois Daquele Beijo” (1966), de Michelangelo Antonioni

Um fotógrafo de moda tira fotos em um parque de Londres. Ao revelá-las, descobre que, sem querer, registrou um crime. Ou não, como diria Caetano.

“Gimme Shelter” (1969), de David e Albert Maysles

O documentário registra o histórico show dos Rolling Stones em que um jovem negro foi espancado e assassinado pelos motoqueiros dos Hell’s Angels contratados para fazer a segurança. Os irmãos Maysles convocam os Stones para ver e comentar a cena do crime.

“A Noite dos Desesperados” (1969), de Sidney Pollack

Durante a Grande Depressão americana, um grupo de pessoas desempregadas e desesperadas aceita participar de uma maratona de dança em troca de alguns trocados. Os vencedores eram o casal que resistisse mais tempo na pista – mesmo que isso levasse à morte por exaustão.

“O Processo do Desejo” (1991), de Marco Bellochio

Uma mulher fica trancada à noite em um museu e descobre que um estranho também está no local. Depois de uma certa relutância, ela se entrega a ele. Quando descobre mais tarde que ele tinha as chaves do museu, ela a denuncia por estupro à polícia.

“Marcas da Vida” (2006), de Andrea Arnold

Uma funcionária da prefeitura de Glasgow, na Escócia, monitora as câmeras de segurança que vigiam a periferia da cidade. Um dia, ela identifica um homem que acredita ter sido responsável pela morte de seu marido e de sua filha. E começa a segui-lo.

Vocês aí têm alguma recomendação para ver na hora do “BBB”? Não vale “Acusados”, com Jodie Foster, nem “sexo, mentiras e videotape”, de Steve Soderbergh.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
16/01/2012 - 15:36

Anotações soltas sobre o Globo de Ouro

Compartilhe: Twitter

Se, nos últimos anos, o Oscar parece cada vez mais uma ação de marketing para alavancar marcas de alta costura, o Globo de Ouro, por sua vez, soa como propaganda institucional do setor de bebidas.

***

Nas entrevistas do tapete vermelho, na apresentação de Ricky Gervais, em alguns discursos da noite (veja a cobertura completa do iG aqui), o fato mais elogiado da cerimônia de ontem foi, mais uma vez, a bebida liberada durante a festa. Parece um bando de pré-adolescentes tomando seu primeiro Keep Cooler. E não os mitos do cinema e da TV que eles supostamente deveriam encarnar. O discurso mais original da noite, agora não me pergunte seu autor, foi o de um sujeito que agradeceu pela comida deliciosa.

***

Rob Lowe e Julianne Moore iriam entregar um dos prêmios. Até que ela percebeu que estava sem o envelope com o ganhador, e ele soltou de improviso: “É por isso que nós amamos esse evento!” Os astros hollywoodianos nem disfarçam mais que o Globo de Ouro é um prêmio café com leite e tratam os membros da Associação de Imprensa Estrangeira com total condescendência.

***

Meryl Streep foi receber o prêmio de melhor atriz dramática por “A Dama de Ferro”. Disse que esqueceu os óculos na mesa para ler seu discurso. Alguém se apressou para entregar os óculos a George Clooney, que passou-os ao diretor David Fincher – que achou melhor não interromper a fala já iniciada da atriz. O Globo de Ouro também tem um lado festa da firma: é bom ficar atento para não exagerar na bebida e dar vexame, mas não precisa levar tão a sério.

***

Havia um constraste enorme entre a animação das conversas de bastidores entre os convidados, exibidas antes e depois dos intervalos, e a cara de tédio profundo que eles exibiam as serem flagrados pelas câmeras durante os discursos dos colegas. Exceção feita aos vencedores da noite, eles deixaram claro que estavam ali para o social.

***

No ano passado, o grande vencedor do Globo de Ouro foi o apresentador Ricky Gervais, que expôs o que havia de ridículo nesse tipo de cerimônia e acabou incomodando muitos presentes. Neste ano, não houve grandes vencedores: embora Gervais ainda seja um apresentador acima da média e tenha feito duas ou três boas piadas, ele estava demasiadamente comportado para seu padrão.

***

O discurso de Morgan Freeman deveria ser cheio da emoção contida e da discreta elegência que sempre marcaram sua carreira. Mas foi apenas desanimado.

***

Sobre a premiação de cinema (ah, sim, teve isso também), duas observações: não houve grandes surpresas e os prêmios foram pulverizados entre vários filmes. Embora o Globo de Ouro tenha deixado de ser um grande termômetro para o Oscar, é possível dizer que dois filmes saem com mais chances da noite de ontem: “The Artist” e “Os Descendentes” (com “A Invenção de Hugo Cabret” e “Meia-Noite em Paris” correndo por fora). E o iraniano “A Separação” também ganhou mais pontos na corrida para melhor filme estrangeiro – o que pode ter sido a melhor contribuição do Globo de Ouro ao cinema.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
13/01/2012 - 19:23

Crítica americana rechaça “Lula: Son of Brazil”

Compartilhe: Twitter

“Lula: Son of Brazil”, de Fábio Barreto, não começou bem sua trajetória nos Estados Unidos. Das dez críticas de publicações americanas reunidas até aqui pelo site Rotten Tomatoes, nove foram negativas. “Essa insípida cinebiografia do presidente brasileiro é uma visão burguesa da luta proletária”, atacou a Slant Magazine. “Essa história adocicada sobre a origem do querido presidente reformista deveria ser chamada ‘O Filho da Mamãe’ “, ironizou o “Village Voice”.

Mas nem tudo foi uma tragédia. A única crítica classificada como positiva pelo Rotten Tomatoes foi também a do jornal mais relevante, o “The New York Times”. “Lula: Filho do Brazil” é uma hagiografia desavergonhada que acompanha a ascensão da pobreza à proeminência nacional de Luis Inácio Lula da Silva. (…) É um drama convencional, um tanto raso, mas com uma diferença. (…) Ele surfa numa forte onda de energia e dureza que carrega um sentimento visceral da vida dos pobres e da classe operária brasileira.” Como se vê, é um texto mais ambíguo do que necessariamente elogioso. Mas, em meio à saraivada de críticas, isso já é uma grande vantagem.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
04/01/2012 - 11:11

Brasil chega ao Primeiro Mundo das mostras

Compartilhe: Twitter

Leio que uma mostra dedicado ao casal de cineastas Jean-Marie Straub e Danièle Huillet começou nesta terça-feira no Rio de Janeiro e lembro, então, que esqueci de algo para completar o balanço do cinema no Brasil em 2011 – e para entrar de vez em 2012. Além de ter sido excelente no circuito comercial, o ano foi histórico no número e na qualidade de mostras. Teve Hitchcock e Eastwood, Nicholas Ray e Vincent Minelli, Takashi Miike e David Cronenberg, Elia Kazan e Sergei Paradjanov, além de muitos outras concentradas (ainda, infelizmente) em São Paulo e Rio – embora Recife, Belo Horizonte e Brasília tenham oferecido também eventos de porte. Mais do que o PIB, essa parece ser uma prova mais concreta de que somos a sexta maior economia do mundo.

O ideal, nesse quesito, ainda é Paris, onde você abre o jornal e tem uma infinidade de opções além dos lançamentos comerciais, não necessariamente ligados a eventos especiais. Os filmes simplesmente estão lá, integrados à rotina da cidade. Aqui eles ainda parece um item de luxo (mesmo que às vezes os ingressos sejam gratuitos). Não dá para ver um Hitchcock em tela grande se não houve antes um coquetel de abertura e um grande banco por trás. É um pouco como comer em bistrô francês em Paris ou São Paulo: lá é sinônimo de comida simples e barata, do dia a dia; aqui é um programa com pompa e circunstância (e pratos de 40 pratas). Mas, vá lá, é bem melhor do que um mundo sem Hitchcock em tela grande.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
23/12/2011 - 09:33

Os melhores filmes brasileiros de 2011

Compartilhe: Twitter

Depois da lista de melhores filmes internacionais de 2011, aí vai a dos nacionais.

Primeira observação: foi um ano forte, muito forte, do cinema nacional. Se em anos passados foi necessário forçar um pouco a barra para chegar a um top 10, desta vez faltou lugar para todo mundo.

Segunda observação: diferentemente do cinema internacional, o ano do cinema nacional foi dos jovens cineastas. Com exceção de dois filmes da lista, todos os filmes foram feitos por cineastas que ou estão estreando em longa ou estão no segundo longa. Só o fato de todos terem chegado concomitantemente ao circuito comercial talvez seja a melhor notícia para o cinema brasileiro em muito tempo.

Terceira observação: este foi o ano da ficção. Em anos anteriores, os documentários representavam uma fatia sempre considerável, às vezes majoritária, nesta lista. Agora são apenas dois dos dez.

Quarta (e de novo óbvia) observação: não deu para ver tudo. Ficções e documentários importantes, como respectivamente “A Alegria” e “Diários de uma Busca”, foram perdidos na correria, mas ainda serão vistos em algum momento.

Quinta (e mais longa) observação, repleta de “suboservações”: para não dizer que tudo é festa, e odeio bater anualmente nesse mesma tecla, o cinema brasileiro está muito longe de superar os problemas de distribuição e divulgação. Como saiu publicado recentemente, um terço dos filmes nacionais não chega a 1 mil espectadores. É o caso de alguns filmes da relação abaixo, incluindo o primeiro da lista, “Os Residentes”, de Tiago Mata Machado. Longe de ser um especialista em política cinematográfica, eu vou me arriscar a apontar alguns dedos. 1) Instituições governamentais e entidades de classe precisam urgentemente priorizar políticas de distribuição, que vão da construção de cinemas populares, com preferência para exibição de filmes nacionais, até apoio a projetos de distribuição alternativas – como, para citar apenas um exemplo, a Rede Brazucah!, que exibe filmes brasileiros em universidades. Se for preciso produzir menos para distribuir melhor – ou seja, realocar dinheiro de uma área para outra –, que seja. 2) A grande imprensa deveria abrir espaço para filmes brasileiros no momento em que eles mais precisam; ou seja, quando chegam ao circuito comercial. “Os Residentes” ganhou resenhas nos grandes jornais quando foi exibido no Festival de Brasília, depois na Mostra de Tiradentes. Quando entrou em cartaz, e posso estar sendo injusto, não me lembro de ter visto nenhuma crítica na grande imprensa. Em festivais, os filmes se viram: vão ter público, imprensa local, tapinhas nas costas, sinceros ou não. No circuito, eles em geral morrem. 3) Cadê os cinéfilos, mano? Vou pegar de novo o exemplo de “Os Residentes”, mas podia ser quase qualquer um da lista. O filme provoca polêmica em Brasília, ganha Tiradentes, é selecionado para Veneza, aí chega em cartaz e nem mil pessoas tiram a bunda do sofá para assisti-lo. Nem que seja para dizer que o diretor é uma farsa ou que eu estou viajando para colocá-lo no topo da lista. Não é possível que não haja mil pessoas em São Paulo e Rio que gostem de cinema, tenham ouvido falar desses filmes e ficado minimamente intrigado com suas propostas. Não é só culpa do governo e da mídia, não. Não se pergunte o que a América pode fazer por você, mas o que você pode fazer pela América.

E, agora, depois desse infindável prólogo, a lista.

“Os Residentes”, de Tiago Mata Machado

“Riscado”, de Gustavo Pizzi 

“As Canções”, de Eduardo Coutinho

“Estrada para Ythaca”, de Irmãos Pretti & Primos Parente

“O Palhaço”, de Selton Mello

“Os Monstros”, de Irmãos Pretti & Primos Parente

“Além da Estrada”, de Charly Braun

“Transeunte”, de Eryk Rocha

“Corpos Celestes”, de Marcos Jorge e Fernando Severo

“Família Braz – Dois Tempos”, de Dorrit Harazim e Arthur Fontes

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
19/12/2011 - 17:43

Os 10 melhores filmes estrangeiros de 2011

Compartilhe: Twitter

Como algumas publicações já vêm me pedindo a lista dos melhores filmes do ano, é justo publicá-la logo aqui, embora o ano não tenha chegado ao fim.

Primeira observação: como já disse o amigo Eduardo Valente, as notícias sobre a morte do cinema são francamente exageradas. Olhando para a relação abaixo, acho que ela não fica a dever a nenhum suposto ano de ouro do cinema. Eu diria mais: qualquer um dos cinco primeiros colocados poderia tranquilamente estar no topo da lista – possivelmente, eu mudaria esses lugares se fizesse a lista na semana que vem.

Segunda observação: 2011 foi um ano dos mestres. Kiarostami, Almodóvar, Oliveira, irmãos Dardenne, Allen e Pahani realizaram não apenas alguns dos melhores filmes do ano, mas alguns dos melhores de suas gloriosas carreiras. E Eastwood (“Além da Vida”) e irmãos Coen (“Bravura Indômita”) não entraram na lista por pouco. Cineastas em um estágio digamos “intermediário” da carreira (com mais de três e menos de dez longas no currículo), como Lee Chang-dong, Apichatpong Weeresathakul, J.J. Abrams e Rupert Wyatt formam um grupo menor, mas que deixa esperanças para o futuro.

Terceira (e óbvia) observação: não deu para ver tudo. Não consegui assistir a alguns filmes celebrados, como “Vênus Negra” e “L’Appolonide” (este ainda vai entrar em cartaz). Se for o caso, revejo a lista no futuro. Em outros casos, a ausência se deve mesmo à falta de gosto pelo filme, como nos casos de “A Árvore da Vida” e “Melancolia”, que devem frequentar muitas outras listas.

“Poesia”, de Lee Chang-dong

“Isto Não é um Filme”, de Jafar Pahani

“Tio Boonmee, que Pode Recordar suas Vidas Passadas”, de Apichatpong Weerasethakul

“A Pele que Habito”, de Pedro Almodóvar

“Cópia Fiel”, de Abbas Kiarostami

“Super 8”, de J.J. Abrams

“Singularidades de uma Rapariga Loira”, de Manoel de Oliveira

“Meia-noite em Paris”, de Woody Allen

“O Garoto de Bicicleta”, de Jean-Pierre e Luc Dardenne

“Planeta dos Macacos: A Origem”, de Rupert Wyatt

Em breve, publico aqui a lista dos melhores filmes brasileiros do ano. Mas já adianto que as notícias sobre a morte do cinema brasileiro tampouco fazem sentido.

Nesse meio tempo, aguardo a sua lista dos dez melhores filmes estrangeiros, caro leitor. E, claro, suas reclamações contra a minha relação.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
12/12/2011 - 11:49

Eduardo Coutinho, o rei do melodrama

Compartilhe: Twitter

Em um acesso de raiva, a mulher atira em seu amante duas, três vezes, mas a arma falha. Ela sai do carro onde estavam e volta a pé para casa.

Outra mulher volta para casa decidida a matar a própria filha, para se vingar de seus pais, que sequestraram seu outro filho. No trem, encontra um desconhecido que escolhe para ser homem de sua vida. Desiste da vingança.

Um garoto recusa sistematicamente os convites do pai para irem à praia juntos, até que, certo dia, o pai morre num acidente de trabalho em uma plataforma de petróleo. Adulto, ele não consegue se livrar da culpa.

As histórias acima poderiam estar em uma retrospectiva do cineasta alemão Douglas Sirk, o mestre do melodrama, diretor de “Imitação da Vida” (1959) e “Palavras ao Vento” (1956). Ou em uma novela do SBT. Mas estão em “As Canções”, o novo documentário de Eduardo Coutinho.

Nós da crítica costumamos usar conceitos bonitos para analisar a obra de Coutinho, discorrendo sobre como ela é marcada pela ficcionalização do real, ou pela autoficção etc etc. Tudo isso faz sentido, mas “As Canções” vem nos lembrar que há um aspecto anterior, mais simples e talvez mais essencial, na obra do cineasta que geralmente passa despercebido: Coutinho gosta de sangue e de lágrimas, de mulheres destruídas pela traição e homens arrependidos de seus pecados.

Coutinho não é nosso Jean Rouch, nem nosso Robert Bresson. Ele é nosso Douglas Sirk, o nosso Emilio Fernandez, o nosso rei do melodrama – algo que o estilo ascético, minimalista, dos seus filmes ajuda a disfarçar.

Como Coutinho é um documentarista, sua abordagem do melodrama é necessariamente distinta da de um diretor de ficção. Em vez de inventar histórias, ele estimula as pessoas a relembrar/reinventar episódios de suas vidas como um filme, em um processo de coautoria entre o cineasta e seus personagens.

Coutinho costuma afirmar que escolhe seus personagens pelo talento narrativo. Indo um pouco além, é possível dizer que os melhores deles são aqueles que têm as narrativas mais cinematográficas (veja o começo deste texto para notar como essas histórias podem ser tão “imagéticas”). De certa forma, isso ajuda a explicar por que os filmes de Coutinho são grande “entretenimento”, apesar do caráter estático, espartano da filmagem.

Embora a maioria dos filmes de Coutinho tenha algum elemento melodramático (de “Cabra Marcado para Morrer” até “Um Dia na Vida”), há um “núcleo duro” do melodrama em sua obra, formado por “Edifício Master”, “Jogo de Cena” e agora “As Canções”.

Em “Master”, o gatilho do melodrama é a própria memória dos personagens, estimulada pelo cineasta. Como Coutinho não gosta de se repetir, em “Jogo de Cena” ele inventa o dispositivo de embaralhar personagens e atrizes, histórias contadas e reencenadas. E, em “As Canções”, há as músicas preferidas das pessoas ouvidas. Mas o escopo temático dos três filmes varia pouco: grandes amores, grandes traições, grandes perdas. Se alguém se dispuser a somar o número de histórias de mulheres traídas e abandonadas nesses três filmes, certamente irá se surpreender com o resultado. Depois vale contar a quantidade de conflitos entre pais e filhos.

Dentro dessa opção do Coutinho pelo melodrama, é absolutamente natural que as músicas de dor de cotovelo formem o grosso do caldo de “As Canções”. Na música popular, elas são o equivalente do dramalhão da telenovela: espelhos em que a dor pode ser refletida, reelaborada, reinventada. Ao cantar uma música, nós encenamos a emoção do cantor, mas também reencenamos a emoção que sentimos ao ouvi-la, em diferentes momentos da vida. Nesse sentido, “As Canções” é prima de “Edifício Master”, mas irmã de “Jogo de Cena”: há no filme um dispositivo muito simples que embaralha de forma muito complexa o que entendemos como real e ficcional.

Por isso, me parece um pouco apressado o desejo de classificar “As Canções” como um Coutinho menor ou mais fácil, na comparação com os anteriores “Moscou” e “Um Dia na Vida”. O fato de a filmagem ter sido simples, como o próprio cineasta já contou, ou de a escolha pela música oferecer um prazer mais imediato não levou a um filme menos rico, com menos camadas de compreensão. Em “As Canções”, Coutinho continua melodramático, continua se renovando, continua invacilável.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
28/11/2011 - 08:21

Documentário brasileiro marca terreno na Holanda

Compartilhe: Twitter

No Tuchinsky, um imponente cinema de 90 anos no coração de Amsterdã, na Holanda, os espectadores fazem fila na bilheteria para ver “Amanhecer”, num sábado à noite. Mas, em uma sala menor, naquele mesmo horário, uma sessão de curtas experimentais brasileiros está lotada de holandeses, e quase todos permanecem ali depois para debater os filmes com dois diretores presentes, Carlos Nader e Clarissa Campolina.

Essa foi uma das centenas de sessões do IDFA (International Documentary Film Festival Amsterdam), maior festival de documentários do mundo, que exibiu mais de 250 filmes na edição que terminou neste domingo. Mas não foi uma experiência de exceção: quase todas as sessões que presenciei estavam cheias de pessoas interessadas em entender e debater os filmes – em um evento que parece dominar a cidade por dez dias. Como o Festival do Rio ou a Mostra de São Paulo, mas de forma mais concentrada geograficamente e focada apenas em documentários.

Neste ano, o Brasil foi o país homenageado, com retrospectiva dedicada a Eduardo Coutinho e uma seleção de 13 longas dos últimos 13 anos – incluindo “Santiago”, “33”, “Cidadão Boilensen”, “Corumbiara”, “Uma Noite em 67” e outros -, além dos cinco curtas experimentais incluídos na seção Paradocs. Os cineastas brasileiros ficaram surpresos com o tamanho e a organização do festival, as salas e os debates cheios e, sobretudo, com a receptividade do público em relação a propostas cinematográficas distantes tradicionais.

Nader, por exemplo, contou que o IDFA foi o primeiro festival de documentários a selecionar o curta “Carlos Nader” (1998). Antes, o filme havia sido recusado por outros festivais do tipo porque o trabalho era classificado como videoarte. Mas o próprio Nader acreditava que o curta, que discute a questão da identidade, era mesmo um documentário – o que só o IDFA viria reconhecer agora, 13 anos depois do lançamento do filme.

O IDFA deste ano também resolveu uma outra questão do documentário brasileiro: os filmes de Eduardo Coutinho viajam bem? Ou em outras palavras: documentários baseados nos discursos de anônimos podem ser apreciados fora do local onde foram feitos? A resposta do público holandês, nesse caso, foi um sonoro sim. Pelos relatos ouvidos no festival, Coutinho pode ter finalmente tido um reconhecimento externo equivalente ao que desfruta há anos no Brasil. Os espectadores holandeses ficaram particularmente emocionados com seu novo filme, “As Canções”, sem se importar com o fato de desconhecer as músicas em torno das quais o trabalho se constroi.

Não é uma questão de ufanismo: dentro do latifúndio do IDFA, a parte que coube ao cinema brasileiro era importante, mas relativamente pequena. E a verdade é que os holandeses receberam bem filmes de todos os cantos, com uma abertura para o novo que parece ser parte do caráter local. Mas o fato é que a homenagem ao Brasil no festival ajudou a marcar um terreno para um formato que vem dominando o número de produções no país (foram cinco documentários lançados em São Paulo nesta semana, o que talvez devesse gerar uma estratégia de lançamento das distribuidoras) e que tem ao menos um farol para iluminar os caminhos, na figura de Eduardo Coutinho – algo que o cinema de ficção brasileiro não possui há algum tempo.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
16/11/2011 - 09:46

Novo Almodóvar é uma experiência atordoante

Compartilhe: Twitter

Existem poucas coisas mais bonitas do que ver um artista consagrado correndo riscos. É esse espetáculo que Pedro Almodóvar nos oferece em “A Pele que Habito”: depois de chegar ao topo da montanha, saltar no abismo – levando junto com ele o espectador.

Vinte e poucos anos atrás, com “Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos”, o cineasta se tornou mestre de seu próprio gênero: a comédia almodovariana. Ele podia ter se conformado, mas preferiu dar uma guinada.

Dez anos atrás, com “Fale com Ela”, ele dominou outro gênero particular: o melodrama almodovariano. Podia novamente ter relaxado, mas iniciou outra virada.

Veio uma série de filmes de crise: “Má Educação”, “Volver”, “Abraços Partidos”, em que ele desconstrói sua fórmula de sucesso, num processo de talentosa autosabotagem.

Com “A Pele que Habito”, a crise chega a seu paradoxo: é o filme mais desconjuntado – e talvez, ao mesmo tempo, o mais arriscado – de sua carreira. Faz todo sentido: é uma obra de e sobre retalhos.

Um filme sobre a impossibilidade de reconstruir uma pessoa, um amor, uma obsessão, a partir dos retalhos de outras – tarefa à qual se dedica o protagonista, o cirurgião plástico Robert (Antonio Banderas). E sobre a possibilidade de fazer um filme com os retalhos de outros – a missão de Almodóvar.

É como se o cineasta tivesse colocado no liquidificador todas suas influências – dos filmes que viu e dos filmes que fez – e depois tentasse colar os pedaços: de “Frankenstein” e “Um Corpo que Cai”, de “Carne Trêmula” até “Ata-me” (que traz o mesmo Banderas no papel de um sequestrador e violentador, mas que, diante do sofisticado sadismo de “A Pele que Habito”, volta à memória como um divertimento pueril).

Se um filme – um grande filme – resulta dessa delicada operação, é graças à maestria de Almodóvar, ainda mais brilhante como cirurgião do que seu protagonista. Poucos cineastas conseguiriam costurar algo com personalidade a partir de tantos pedaços soltos.

“A Pele que Habito” pega um tema essencial a Almodóvar – a não-conformidade com os gêneros sexuais, que, em sua obra, espelha a não-conformidade com os gêneros cinematográficos – e o leva ao patamar da insanidade. Sai o despudor, entra o desatino. Sai o excêntrico, entra o patológico.

Eu saí do cinema tão atordoado que precisei chegar em casa, ligar a TV e ver alguma imagem reconfortante – a novela do Pereirão, um episódio de “Two and a Half Man” – para tentar esquecer as cenas de “A Pele que Habito” que martelavam a minha cabeça. Desnecessário dizer que foi inútil.

P.S.: depois de ter visto “O Garoto da Bicicleta”, “Era uma Vez na Anatólia” e, sobretudo, “A Pele que Habito”, todos filmes que competiram no último Festival de Cannes, eu me pergunto o que os jurados teriam bebido para dar a Palma de Ouro a “A Árvore da Vida”.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
11/11/2011 - 11:23

Geração de atores garante futuro do cinema brasileiro

Compartilhe: Twitter

Algum tempo atrás, Selton Mello deu uma entrevista para o Canal Brasil dizendo algo como: “No futuro, as pessoas vão se dar conta de que o cinema brasileiro do começo dos anos 2000 foi marcado por uma geração de jovens atores”. Não lembro exatamente que nomes ele citou, mas certamente Wagner Moura, Lázaro Ramos, Matheus Nachtergaele, Caio Blat, Daniel de Oliveira e o próprio Selton deveriam estar entre eles.

A frase me voltou à cabeça ao assistir à impecável performance de Lázaro em “Amanhã Nunca Mais”, que chega aos cinemas nesta sexta-feira. Seria apenas a temporã e competente estreia em longa-metragem de Tadeu Jungle, que renovou a linguagem da TV brasileira nos anos 80, mas a interpretação de Lázaro leva o filme a outro patamar. Ele torna crível não apenas seu personagem – um anestesista incapaz de dizer não, vivendo um dia de pesadelo urbano em São Paulo –, mas tudo que ele toca.

Se olharmos para trás, veremos que vários outros filmes brasileiros recentes foram ou salvos da mediocridade ou tiveram um salto de qualidade graças ao trabalho desses atores. O que seria dos dois “Tropas de Elite”, de “VIPs”, de “O Homem do Futuro” sem Wagner Moura? De “Bróder” sem Caio Blat? De “Jean Charles” sem Selton? E assim por diante. Suas atuações são, sem exceção, superiores ao próprio filme. De certa forma, eles são co-autores dessas obras.

No cinema argentino, há um rosto oficial: Ricardo Darín. No brasileiro, há cinco ou seis. Eles deram a cara do cinema brasileiro pós-retomada, mais do qualquer diretor, talvez até mais do que qualquer temática (globochanchada, filme de favela) ou qualquer estética (televisiva, publicitária).

E ainda há uma série de atores e atrizes que pode se juntar a esse grupo quando tiver mais papeis de protagonista – de Irandhir Santos a Cauã Raymond, de Leandra Leal a Hermilla Guedes –, todos muito jovens. Além dos muitos diretores estreantes que chegaram à tela nestes últimos dois anos, essa geração de atores é uma promessa muito concreta de futuro para o cinema brasileiro.

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
Voltar ao topo