Publicidade

Publicidade

Arquivo da Categoria Uncategorized

29/09/2008 - 23:02

Injustiça com “Blindness”

Compartilhe: Twitter

Ao pedir mudanças na cerimônia de entrega do Oscar, para evitar uma festa tediosa como a do último Emmy, o editor da “Variety”, Peter Bart, cometeu uma injustiça com “Ensaio sobre a Cegueira”. Ele escreveu o seguinte: “O único raio de esperança da Academia é que alguns prêmios sejam entregues a filmes que os espectadores realmente assistiram. Mas, a julgar pelo passado, os eleitores do Oscar vão preferir ‘Ensaio sobre a Cegueira’ a ‘Batman – O Cavaleiro das Trevas’. Isso vai garantir que o Oscar siga o caminho do Emmy.”

O problema não é usar a obra de Fernando Meirelles como exemplo de filme chato. Mas sim comparar a segunda maior bilheteria americana da história (“Cavaleiro das Trevas”) com um trabalho que ainda nem estreou nos Estados Unidos (“Blindness” entra em cartaz por lá nesta sexta-feira).

Autor: - Categoria(s): Uncategorized Tags:
28/09/2008 - 22:19

Gwyneth Paltrow paga mico na internet

Compartilhe: Twitter

Ao ler o The Medium, blog de vídeos online do “New York Times”, trombei com uma nota sobre o lançamento do site de Gwyneth Paltrow (peço perdão pela frivolidade do assunto). Ainda não tem muito conteúdo por lá, mas é o suficiente para cravar que se trata do pior site pessoal da internet. GOOP, como o bicho é chamado, consegue reunir num espaço mínimo um número recorde de clichês de auto-ajuda, a começar pelo seu slogan, algo como “nutra seu eu interior”. Lá vão alguns outros espalhados pelo site:

“Minha vida é boa porque eu não sou passiva com ela”

“Eu quero nutrir o que é verdadeiro, e quero fazer isso sem perder tempo”

“Eu adoro estar em espaços que são limpos e agradáveis”

“Não seja preguiçoso. Faça exercícios e não desista deles”

Eu não sei que tipo de produto ela irá vender em breve no site (além do produto Gwyneth Paltrow). Mas a atriz não deve estar tão necessitada de dinheiro assim para pagar um mico desses. Um caso clássico de vergonha alheia.

Autor: - Categoria(s): Uncategorized Tags:
27/09/2008 - 12:30

O golpe de mestre de Paul Newman

Compartilhe: Twitter

Com seu rosto de beleza clássica e seus olhos azuis, Paul Newman poderia ter sido apenas um grande galã. Mas ele sempre fez questão de representar contra seu tipo e deu preferência a personagens desajustados, rebeldes, fracassados. Esse foi o golpe de mestre de Newman. Ele tornou-se, assim, um dos melhores atores da história do cinema. E, por isso, sua morte de câncer aos 83 anos representa uma das maiores perdas recentes de Hollywood.

Seu primeiro grande papel veio de um acaso trágico: ele substituiu James Dean, morto em um acidente de carro em 1955, no papel de um boxeador desfigurado no telefilme “The Battler”, adaptado da obra de Ernest Hemingway. Mas no começo ele foi comparado negativamente a outra lenda da época, Marlon Brando, por fazer uma versão um tanto maneirista do famoso Método de interpretação do Actors Studio.

Rapidamente, Newman refinou seu trabalho e tornou-se um ator maduro, atingindo uma performance notável em “Desafio à Corrupção” (1961) como Fast Eddie Felson, um jogador de sinuca fracassado (na foto acima). Ele ganharia seu primeiro Oscar 26 anos depois em “A Cor do Dinheiro” (1987), fazendo o mesmo papel, mas agora como o mentor de Tom Cruise. Foi uma das grandes injustiças de Hollywood: seu desempenho no primeiro filme era bastante superior, assim como em vários outros trabalhos de sua carreira.

No total, Newman foi indicado 10 vezes ao Oscar (nove como ator, uma como produtor), ganhando apenas uma estatueta competitiva – além de duas honorárias. Algumas de suas interpretações mais marcantes vieram em parceria com Robert Redford, a dupla mais espetacular do cinema americano dos anos 70, como em “Butch Cassidy e Sundance Kid” (1969) e “Golpe de Mestre” (1974).

Como escreveu o “New York Times” no obituário de Newman, ele criou nesses filmes uma das maiores personificações do homem “cool” da história do cinema . Uma imagem que ele transportou também para sua vida real – com um dos casamentos mais estáveis de Hollywood (com a atriz Joanne Woodward), uma conhecida aversão a badalações, uma carreira bem-sucedida como piloto de automóveis e um trabalho sério de caridade feito com o dinheiro arrecadado com sua marca de molhos e pipocas. Pela talento como ator e a integridade como pessoa, Newman fará muito falta.

Autor: - Categoria(s): Uncategorized Tags:
26/09/2008 - 21:45

Coringa x Bush no YouTube

Compartilhe: Twitter

Nesta brilhante falsa montagem feita por MBelinkie e postada no YouTube, Bush enfrenta a oposição de ninguém menos que o Coringa a seu plano de salvação econômica:

E, se você não está cansado de ver o Bush apanhar, lá vai o trailer de “W”, de Oliver Stone:

Autor: - Categoria(s): Uncategorized Tags:
25/09/2008 - 00:36

Todos os filmes do presidente

Compartilhe: Twitter

Você votaria em um político por causa de seu filme preferido? A princípio, a possibilidade não é tão louca assim. O gosto cinematográfico é, para mim, uma das melhores maneiras de entender uma pessoa. Mas comecei a mudar de idéia depois de ver a lista de filmes preferidos dos presidentes americanos – e também de ex e atuais candidatos. Lá vai:

John F. Kennedy: “Spartacus”

Richard Nixon: “Patton”

Ronald Reagan: “Matar ou Morrer”, de Fred Zinneman

George W. Bush: “Austin Powers – O Agente Bond Cama”, “Falcão Negro em Perigo” e “O Resgate do Soldado Ryan” (dependendo do interlocutor)

Bill Clinton: “Campo dos Sonhos”

Al Gore: “Tron”

John McCain: “Viva Zapata!”

Barack Obama: “O Candidato”

Se gosto cinematográfico fosse plataforma de campanha, McCain seria melhor candidato que Obama; Al Gore não seria assim tão superior a Bush; Clinton faria feio diante de Reagan; Kennedy e Nixon estariam em empate técnico. É, melhor se fiar em outros atributos.

Autor: - Categoria(s): Uncategorized Tags:
24/09/2008 - 00:24

“Era Uma Vez”, o come-quieto

Compartilhe: Twitter

Nos Estados Unidos, eles chamam de “sleeper hit” – um sucesso adormecido, que demora a acordar. Os americanos têm nome mesmo para tudo. Mas o crítico Leonardo Mecchi, que chamou atenção para o fato na lista de discussão da revista Cinética, conseguiu uma boa versão brasileira para a expressão: um sucesso “mineirinho”, come-quieto.

Ele se referia a “Era Uma Vez”, de Breno Siveira, que acaba de atingir os 500 mil espectadores. Tudo bem, você talvez dirá que não é um número excepcional, que o próprio diretor já havia feito mais de 5 milhões de público com “2 Filhos de Francisco”, o maior sucesso da chamada “retomada”.

Mas o que impressiona em “Era Uma Vez” – e o que o credencia ao título de “sleeper hiet” – é sua perenidade. Como aponta Mecchi, o filme está em cartaz há nove semanas – mesmo período de “Batman”. E neste útimo fim de semana teve quase o dobro de público do blockbuster americano, com 30 cópias a mais.

Uma das teorias para esse sucesso é a campanha de divulgação maciça da Globo Filmes. Mas o fato é que marketing não resolve se o público não aprova. O mais provável é que seja um daqueles casos cada vez mais raros no cinema brasileiro de sucesso boca-a-boca. A imprensa foi na média desfavorável ao filme (incluindo este crítico aqui). Mas o espectador, em particular o carioca, comprou o filme.

Autor: - Categoria(s): Uncategorized Tags:
22/09/2008 - 22:21

Hollywood pergunta: Crise? Que Crise?

Compartilhe: Twitter

Dois mega acordos anunciados no final de semana mostram que a crise em Wall Street ainda não afetou Hollywood, segundo o site FilmeB. Um deles foi a concretização da parceria entre a Dreamworks, de Steven Spielberg, e o grupo Reliance ADA, do indiano Anil Ambani, um dos homens mais ricos do planeta.

 

O grupo indiano investirá US$ 500 milhões em uma nova Dreamworks, que também receberá US$ 700 milhões de empréstimo do banco JP Morgan Chase. Com o acordo, a empresa de Spielberg rompe sua parceria com a Viacom/Paramount e torna-se a maior companhia independente de cinema do mundo.

 

O outro grande acordo foi um aporte de US$ 350 milhões do mesmo JP Morgan Chase e do banco Comerica para a Media Rights Capital, empresa independente que investiu em filmes como “Babel” e “Linha de Passe”. Uma boa notícia é que parte desse dinheiro irá produzir três longas de M. Night Shyamalan.

 

Nessa história toda, mais surpreendente que o fato de sobrar dinheiro para Hollywood em meio à crise é que ainda chamem de “independentes” companhias com esse volume de dinheiro.

 

Autor: - Categoria(s): Uncategorized Tags:
21/09/2008 - 21:38

O fim do Dogma

Compartilhe: Twitter

Você sabe que algo ou alguém ficou velho quando decidem lhe dar um prêmio honorário. A vítima da vez é o Dogma 95. A Academia Européia de Cinema irá conceder um desses prêmios aos criadores do movimento dinamarquês – Lars von Trier, Thomas Vinterberg, Søren Kragh-Jacobsen e Kristian Levring – em uma cerimônia no dia 6 de dezembro em Copenhague. 

 

O Dogma influenciou profundamente o cinema mundial (tanto em termos estéticos quanto de produção), rendeu um punhado de bons filmes (e vários truques), mas Von Trier conseguiu se reinventar para construir uma carreira sólida (em geral, longe das regras do movimento). Só faltava uma pá de cal para enterrar de vez o movimento. Nesse caso, nada melhor que um prêmio honorário.

 

 

Autor: - Categoria(s): Uncategorized Tags:
19/09/2008 - 16:11

“Tropa” para americano ver

Compartilhe: Twitter

“Tropa de Elite” já deu o que tinha que dar? Eu achava que sim. Mas hoje caiu nas minhas mãos o trailer americano do filme, e será impossível não comentar. “Tropa” entrou em cartaz hoje em Nova York, em uma estréia limitada, que deve se expandir em breve para outras cidades do país. As críticas foram divididas (56% de textos positivos, segundo o site RottenTomatoes), com uma ou outra mais pesada, como a de Manohla Dargis para o “New York Times”: “um assalto aos sentidos incansavelmente feio, desagradável e com freqüência incoerente vindo do Brasil…”.

Mas o trailer é bem mais interessante do que as críticas. Porque ele transformou “Tropa” em outra coisa, um filme de ação sobre dois amigos de infância (Neto e André) que decidem entrar para a polícia depois que seus “entes queridos” foram vítimas da violência – não mais uma crônica social centrada na figura do capitão Nascimento. Há até a inclusão de uma cena tosca em preto e branco (inexistente no filme), com dois moleques brincando de mocinho e bandido. Veja abaixo:

A narração do trailer diz o seguinte: “Eles cresceram juntos na cidade mais perigosa do mundo, vendo os criminosos dominarem as ruas e os corruptos mandarem na lei. Quando a cidade tirou a vida daqueles que amavam, sua única opção foi juntar-se à luta. Agora eles entraram para a melhor força policial da nação para limpar o crime nos dois lados da lei.”

Agora mais significativo que o trailer só mesmo o slogan americano, que é tristemente ambíguo: “Nas ruas do Rio só a elite sobrevive”.

Dica do amigo Tiago Teixera.

Autor: - Categoria(s): Uncategorized Tags:
18/09/2008 - 22:51

Vote em David Palmer

Compartilhe: Twitter

 

Germano Ribeiro ganhou um doce. O leitor adivinhou quem seria o último nome do especial do Olha Só sobre grandes políticos do cinema e da TV, feita em conjunto com o hotsite Eleições 2008 do IG. Não, não é Odorico Paraguaçu, nem Sassá Mutema, outras boas sugestões dos comentaristas. 

 

O político que fecha a série – rufem os tambores, parem as máquinas – é o presidente David Palmer, interpretado por Dennis Haysbert, na série “24 Horas”. Uma curiosidade: ele é o presidente ficcional preferido de candidato republicano John McCain – uma prova do espírito democrático deste blog, que é Obama desde criancinha.

 

Nas palavras de McCain para a revista “Entertainment Weekly”, assim é Palmer: “Ele é fabuloso. É um cara que toma decisões duras, assume a responsabilidade, está pronto para sacrificar seus interesses em favor dos interesses do país”. Mas, como bem notou a revista, Palmer também é negro e democrata. Haybert acredita, inclusive, que o personagem que interpreta abriu as portas para a candidatura de Obama.

 

“24 Horas” é, no geral, uma série conservadora, que defende o uso da tortura no combate ao terrorismo, como os próprios produtores já assumiram. É também portanto, um programa favorável à atual administração americana. Mas Palmer ocupava um lugar à parte na série: ele seguia seus valores independentemente da ideologia e dos conchavos políticos – e, por isso, ele ganhou o apreço de republicanos e democratas. Se Jack Bauer é o coração de “24 Horas”, Palmer era a razão. Digo era porque, como vários presidentes americanos, ele também foi assassinado – na quinta tempoara da série. Enfim, um nome digno para encerrar este especial. Obrigado pela leitura.

 

Longo P.S.: os políticos anteriores da série foram Jefferson Smith de “A Mulher Faz o Homem” (1939), o barbeiro judeu de “O Grande Ditador” (1940), Charles Foster Kane de “Cidadão Kane” (1941), John Iselin de “Sob o Domínio do Mal” (1962), Merkin Muffley de “Dr. Fantástico” (1964), Porfírio Diaz e Felipe Vieira de “Terra em Transe” (1967), Fielding Mellish de “Bananas” (1971), James Dale de “Marte Ataca!” e Josiah Bartlet da série “The West Wing”.

 

Autor: - Categoria(s): Uncategorized Tags:
Voltar ao topo